Minha conta
    Oscar 2018: As maiores gafes do prêmio da Academia
    Por Rodrigo Torres — 11 de fev. de 2018 às 08:43

    As edições do Oscar que quase se comparam ao anúncio de La La Land no lugar de Moonlight.

    Oscar 1971 - A recusa

    George C. Scott detestava o Oscar. Deixara isso bem claro em 1962, quando foi indicado ao prêmio de ator coadjuvante por Desafio à Corrupção e pediu que seu nome fosse retirado da cerimônia. A Academia não acatou o pedido, e viria a indicá-lo novamente em 1971, por sua estupenda atuação em Patton - Rebelde ou Herói? Mais uma vez, ele pediu que retirassem o seu nome da premiação e anunciou que não participaria da cerimônia. Dado o contexto, a atriz Goldie Hawn não se conteve e disparou um "Meu Deus!" no momento de anunciar o seu nome, acentuando o constrangimento do Oscar em relação ao rebelde (ou heróico?) Scott.

    Oscar 1973 - O protesto

    Marlon Brando já ostentava um Oscar de melhor ator por sua influente atuação em Sindicato de Ladrões quando decidiu se rebelar contra o Academy Awards. Ausente da premiação no Oscar 1973, o artista mandou uma mulher vestida de índia (atriz, porém ativista dos direitos indígenas) para representá-lo. Ao receber o prêmio por O Poderoso Chefão, ela iniciou um discurso em protesto à representação dos índios em Hollywood, tendo sido interrompida na cerimônia, mas divulgado a carta inteira de Brando na coletiva pós-cerimônia e em publicações durante a semana. A estatueta ainda foi recusada ao vivo.

    Oscar 1974 - O homem nu

    Os anos 70 foram muitos loucos mesmo... Robert Opel, um fotógrafo e dono de galeria, se passou por jornalista para trafegar pelos bastidores do Oscar 1974 e, no primeiro vacilo da produção da cerimônia, executou seu plano terrível: tirou a roupa e invadiu o palco. Bem no momento em que o ator David Niven ia anunciar a beldade Elizabeth Taylor como convidada. A reação de Niven é hilária, o sinal de paz e amor de Opel é maravilhoso, e o homem de 33 anos se tornaria uma figura celebridade instantânea pelos jornalistas, uma personalidade única entre fãs da cerimônia, uma figura histórica do Oscar. Cinco anos mais tarde, em uma tentativa de assalto ao seu estúdio, em São Francisco, Robert seria assassinado. Uma tragédia.

    facebook Tweet
    Pela web
    Comentários
    • Andrew Houtarou
      E que venha mais gafes, é disso que o povo gosta!
    • Andrew Houtarou
      Todos queremos.
    • rafahribeiro
      gostei do tipão de George C. Scott, se achava bom demais para não ir receber o prêmio e nem queria que seu nome fosse incluído na lista de indicados. Praticamente é um dos meus mas com uma diferença, eu adoro o oscar
    • Dora Sales
      Que esse ano tenha muitas gafes também, é isso que quero ver XD
    • Marcos Adriano Dams
      Quanta loucura aconteceu
    • Bernardo Bastos Guimarães
      Mas a melhor de todas as histórias aqui relembradas foi a do peladão, em pleno anos 70 loucos e doidos... kkkkkkkkk
    • Bernardo Bastos Guimarães
      Essa do compositor cantar seus versos ao invés e discursar foi um tapa de luva de pelica. Não me lembro disso. Parabéns!
    • Bernardo Bastos Guimarães
      O propósito do segmento era apontar os artistas vencedores dos Academy Awards futuros?.. Entendi não. Como se anuncia vencedores futuros??? Bola de cristal?
    • alan ramos
      Apesar de todo glamour a festa tem a cada ano menos audiência ,a gafe da ultima edição foi tao grotesca que da ate pra imaginar que possa ter sido uma armação pra gerar publicidade ,nao vejo outra explicação para tamanha incompetência .
    • rafahribeiro
      quem sabe faz ao vivo
    • Vidamell Vida R.
      Todos foram f***, até demais.
    Mostrar comentários
    Back to Top