Minha conta
    Reese Witherspoon revela que foi assediada por diretor aos 16 anos
    Por Felipe Ribeiro — 17 de out. de 2017 às 16:18

    Dessa vez não foi Harvey Weinstein, mas os crescentes relatos mostram a magnitude do problema.

    Getty Images

    Num momento em que várias mulheres de Hollywood estão revelando suas histórias de assédio no meio cinematográfico e televisivo, Reese Witherspoon contou que se sentiu "muito encorajada" para poder falar que sofreu um caso de abuso aos 16 anos.

    "[Sinto] verdadeiro desgosto pelo diretor que me assediou quando tinha 16 anos e raiva dos agentes e produtores que me fizeram sentir que o silêncio era uma das condições do meu emprego. Gostaria de poder dizer que é um caso isolado na minha carreira, mas infelizmente não é. Tive múltiplas experiência de assédio e agressão sexual, e não falo muito sobre", revelou Witherspoon durante um evento da revista Elle.

    O relato da atriz acontece após o jornal The New York Times e a revista The New Yorker tornarem públicas uma série de denúncias contra o produtor Harvey Weinstein, recém-expulso do Sindicato dos Produtores. Ashley Judd, Rose McGowanAngelina JolieGwyneth Paltrow estão entre as muitas personalidades que relataram experiências ruins com Weinstein.

    O escândalo trouxe à tona relatos de casos de assédio para além dos que envolviam o diretor. A situação inspirou outras mulheres a falarem abertamente sobre suas histórias, como fizeram Witherspoon e Björk, que revelou ter sido assediada por Lars von Trier.

    No Twitter, a atriz Alyssa Milano iniciou a hashtag #MeToo ("Eu também") com a intenção de que fosse compartilhada por todas as mulheres que já sofreram algum tipo de assédio ou agressão sexual. Oferecendo "uma ideia da magnitude do problema", como publicou Milano, a hashtag foi compartilhada mais de 500 mil vezes, incluindo por atrizes como Debra Messing (Will & Grace), Tatiana Maslany (Orphan Black) e Anna Paquin (True Blood).

    "Essa foi uma semana difícil para as mulheres de Hollywood, para as mulheres de todo o mundo. [...] Difícil comunicar vários dos sentimentos que tenho tido sobre ansiedade, ser honesta, culpa por não ter falado antes e por não fazer nada. Após ouvir as histórias desses últimos dias e ouvir essas mulheres corajosas falarem [...] sobre coisas que nos foram ditas para ficarem debaixo do tapete [...], me fez querer falar, e falar alto, porque eu realmente me senti menos sozinha esta semana do que em toda a minha carreira. [...] Me sinto muito encorajada, muito mesmo, de que haverá um novo normal. [...] Estou triste de ter que falar sobre esses assuntos, mas seria negligente não falar", completou Witherspoon em seu discurso.

    No evento da Elle, a presidente da revista, Kathleen Kennedy, propôs a fundação de uma comissão nas instituições cinematográficas de Hollywood - estúdios, sindicatos, associações e agências de talentos - para mudar a inapropriada cultura de abuso sexual. Jennifer Lawrence mostrou apoio à proposta e Witherspoon sugeriu que as celebridades deveriam questionar a posição e o poder ofertados às mulheres em companhias do ramo, para que mudanças possam ser criadas não só na indústria cinematográfica, mas na sociedade.

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top