Minha conta
    Furiosa usou IA e não tínhamos percebido: George Miller fundiu os rostos de Anya Taylor-Joy e Alyla Browne para tornar o salto no tempo do filme mais convincente
    Giovanna Ribeiro
    Giovanna Ribeiro
    -Redatora
    Aprendeu com Amélie Poulain a ir ao cinema sozinha às sextas e observar a reação do público. Mas, no fundo, queria mesmo era ser o Rocky Balboa.

    A inteligência artificial veio para ficar, e exemplos como a quinta parcela de Mad Max deixam isso bem claro.

    Está claro que a inteligência artificial veio para ficar. Por mais que a ética pareça estar à margem do uso dessa ferramenta em evolução, muitos setores já estão a adotando de forma “responsável”, usando-a como um mecanismo para refinar os processos e as técnicas existentes, e não como uma entidade criativa, como fazem os autodenominados “AI-bros” após escrever prompts em IAs generativas.

    Cara a cara

    Seja como for, e deixando de lado as brigas e debates sobre o que é e o que faz uma criação ser arte, vamos olhar para o último trabalho surpreendente com inteligência artificial que a indústria cinematográfica nos proporcionou. Trata-se de Furiosa: Uma Saga Mad Max e, talvez, se Anya Taylor-Joy não tivesse falado sobre o assunto no The Kelly Clarkson Show - via Variety -, muitos nem teriam percebido o truque.

    Conforme revelado pela estrela do último episódio da saga Mad Max, a equipe usou o suporte de IA para tornar o salto temporal do filme mais convincente, mesclando os rostos de Alyla Browne - a atriz que interpreta a heroína titular quando criança - e da própria Taylor-Joy em algumas partes do filme:

    George Miller teve a ideia logo no início. O público já estava se acostumando com uma nova Furiosa [referindo-se a Charlize Theron]. Ele queria que a transição entre as duas atrizes [Browne e Taylor-Joy] que a interpretam fosse perfeita. Então, passei dois dias fazendo as coisas mais malucas que você pode imaginar. E eles misturaram nossos rostos (Anya Taylor-Joy, via Espinof).

    Warner Bros.
    Alyla Browne em Furiosa: Uma Saga Mad Max.

    Segundo a intérprete, o pessoal da DNEG e da Framestore, por meio de um processo sobre o qual não foram revelados detalhes - mas que sugere o uso de IA se levarmos em conta que a empresa Metaphysic AI aparece nos créditos do filme -, incorporou 35% de sua aparência em Browne no início do filme; uma porcentagem que aumentou até as últimas cenas da jovem atriz, nas quais seu rosto tem aproximadamente 80% das características de uma Taylor-Joy, que lembrou da necessidade de regulamentar o uso dessas tecnologias:

    “Há um motivo pelo qual nosso setor entrou em greve. É uma coisa assustadora, e acho que se você for usá-la, deve ser honesto e sempre deve ser consensual. A falta de consentimento em qualquer coisa na vida é que é assustadora" (Anya Taylor-Joy, via Espinof).

    Scarlett Johansson ficou “chocada e incrédula” com recurso do ChatGPT que teria imitado sua voz: Empresa rebateu atriz da Marvel

    Essa não é a primeira, nem será a última vez que a inteligência artificial será integrada aos processos de efeitos visuais, para alterar a aparência dos atores. Por exemplo, a ILM já usou estes recursos para rejuvenescer Harrison Ford em Indiana Jones e a Relíquia do Destino, e Here, o novo filme de Robert Zemeckis, usará a Metaphysic AI para envelhecer progressivamente Tom Hanks e Robin Wright. Os Oscars de melhor cabelo e maquiagem nunca mais serão os mesmos...

    Furiosa: Uma Saga Mad Max
    Furiosa: Uma Saga Mad Max
    Data de lançamento 23 de maio de 2024 | 2h 28min
    Criador(es): George Miller
    Com Anya Taylor-Joy, Chris Hemsworth, Tom Burke
    Usuários
    4,2
    Adorocinema
    4,5
    Ver sessões (325)

    *Conteúdo Global AdoroCinema

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Comentários
    Back to Top