Minha conta
    Irreversível
    Média
    3,9
    351 notas
    Você assistiu Irreversível ?

    31 Críticas do usuário

    5
    6 críticas
    4
    5 críticas
    3
    6 críticas
    2
    10 críticas
    1
    3 críticas
    0
    1 crítica
    Tom B.
    Tom B.

    Seguir usuário 10 seguidores Ler as 23 críticas

    2,5
    Enviada em 4 de maio de 2013
    É um filme que - sem dúvidas - divide opiniões. Ele começa do fim e termina no começo, com uma trilha sonora opressiva. Pode causar náuseas. É um filme que não gera boas sensações e você sairá dele bastante pesado. Um mergulho no pior do underground parisiense com cenas feitas com o mero intuito de chocar. Se você é um curioso, vá em frente, mas não se lamente depois.
    Anderson  G.
    Anderson G.

    Seguir usuário 1.021 seguidores Ler as 321 críticas

    4,0
    Enviada em 3 de julho de 2016
    O filme tem um roteiro muito simples, mas compensa pela sua narrativa, começando de trás pra frente, não são cenas de final que se misturam com inicio, como pub fiction ou amnésia, o filme realmente começa do final e termina no inicio, com uma câmera que não fica num tripé e fica sempre rondando o cenário causando um enjoou, a polêmica cena de estupro com certeza é uma das mais angustiantes do cinema, se você ficou enjoado com a cena, ela atingiu seu objetivo então não pode ser criticada, a simulação de plano sequencia também é muito boa, e as atuação ótimas, irreversível é um filme para poucos, mas com certeza é um experiência cinematográfica que tem que ser passada.
    Bernardo Carvalho
    Bernardo Carvalho

    Seguir usuário 2 seguidores Ler a crítica

    2,0
    Enviada em 9 de fevereiro de 2012
    A inquietação da câmera, as imagens perturbadoras do submundo homossexual francês, a violência dos fatos, o áudio abafado, tudo isso contribui para que Irreversível seja nauseante desde o começo. O que faz dele uma obra-prima do cinema moderno é exatamente isso, o choque, como se Gaspar Noé nos falasse: "essa é a verdade nua e crua e vocês não estão prontos para ela". Se fosse rodado com uma câmera amadora, o filme passaria muito bem por um documentário, dos mais perversos já feitos, pois a veracidade das imagens, principalmente na cena chave do filme, é surpreendente, resultado de um bom elenco e direção cenográfica. As cenas sem cortes e extensas também contribuem para isso. Como é contada de trás para frente, onde o fato seguinte justifica o anterior, as sequências passam a se acalentar após a cena do estupro, o que dá a estranha sensação de que tudo termina bem, porém o espectador sabe dos fatos, irreversíveis, e toda essa paz só aterroriza.
    Zé Luiz
    Zé Luiz

    Seguir usuário 34 seguidores Ler as 48 críticas

    5,0
    Enviada em 12 de fevereiro de 2020
    Preciso, bem dirigido, ótima ambientação, trilha sonora, a movimentação da câmera e uma realidade crua, nua e visceral. Você sofre junto a vítima, você fica ofegante junto ao "justiceiro". Que experiência nauseante, atordoada e impactante.
    anônimo
    Um visitante
    4,0
    Enviada em 2 de fevereiro de 2017
    Se você se deixar levar pela história,irá acompanhar um ótimo filme.
    Gaspar Noé faz uma direção exemplar,já que opta por se passar apenas por mais um personagem em certas cenas.A câmera trêmula nos passa bem essa sensação.Não há como fugir que a história passada aqui,acontece diariamente na vida real.Desse ponto,temos que analisar alguns momentos do filme,principalmente os mais dramáticos.A violência contribui muito para o filme ser tão dramático,algo que ficou muito bom,pois as cenas são realmente chocantes.

    Monica Bellucci me causou muita aflição que há tempos não tinha assistindo a um filme.A sensação que dá é que a todo momento você quer entrar em cena e fazer algo.É uma das cenas mais perturbadoras que já assisti.
    Marcelo Lopez
    Marcelo Lopez

    Seguir usuário 49 seguidores Ler as 56 críticas

    4,0
    Enviada em 9 de novembro de 2013
    Quando crescemos aprendemos a difícil lição de que a vida não é um conto de fadas e bem sabemos que nem todas as histórias da vida real têm finais felizes. Mas geralmente projetamos nossas esperanças no cinema e nos sentimos recompensados com os finais felizes dos filmes. Porém, Irreversível, de Gaspar Nóe, lançado em 2002 é um filme que vai contra tudo isso. É uma historia recheada de tragédias, angústias, traumas e a violência que estamos sujeito em nossas vidas. O filme narra em ordem inversa a história de dois homens pelo submundo de Paris, em busca de vingança, à procura do homem que teria estuprado e espancado a namorada de um deles. Filme ambientado em Paris, mostra o lado sujo da cidade, o lado sombrio do homem e nos deixa nauseados com os ângulos e rotações que a câmera faz, como se entrássemos na mente perturbada dos personagens e através de cada cena violenta, crua e real tomássemos um choque ao perceber quanto terror pode haver na vida.
    Nanda D.
    Nanda D.

    Seguir usuário 8 seguidores Ler as 3 críticas

    5,0
    Enviada em 21 de abril de 2013
    spoiler:
    Muito bom. Pena que é muita jogadinha de marketing! Não achei violento/perturbado/nojento e outras coisas que as pessoas falam do filme. Só a cêmra girando no começo e o zunido nas cenas do bar gay que me deixam tonta! hahaha Reparem que lá pelos 45 minutos e 45 segundos do filme, na cena em que ela já esta sendo atacada no corredor, um homem aparece ao fundo, entra no corredo, vê que tem merda acontecendo, olha e foge. Na minha opinião, esse filme deveria ser exibido pra juventude pra eles terem noção de quantos crimes poderiam ser facilmente evitados. Nada justifica a violência, mas o que tem na cabeça uma pessoa que passa por um metrô abandonado? Um lugar que só dá gente esquisita! Segundo: porra, ela viu o cara espancando o travesti, e ao invés de sair louca correndo dali ainda tenta passar pelos cara! Devia ter feito como o rapaz que corre durante a cena do estupro! Foge minha filha! O que mais gosto desse filme é o lance de mostrar que às vezes facilitamos pra que crimes aconteçam!
    Isis Lourenço
    Isis Lourenço

    Seguir usuário 5.644 seguidores Ler as 753 críticas

    3,5
    Enviada em 24 de março de 2020
    O filme é claustrofóbico,se percebe logo no começo(no final) e tem vários artifícios para te fazer ficar incomodado,pra mim não fez efeito,tirando a tremedeira da câmera,mas li que várias pessoas sentiram náuseas e outras coisas.
    Parece ser chato e sem sentido,mas depois que assistimos um pouco mais,vai ficando mais fácil de se entender.
    Achei válido a cena da violência contra a Alex,justamente pra que tenhamos uma noção de quão horrível,verdadeiramente ela é (e a mesma foi filmada pela própria Monica.)
    Realmente,não temos poder sobre o destino e o que foi feito,não podemos mudar.
    "O tempo destrói tudo"
    Jéssica F.
    Jéssica F.

    Seguir usuário 26 seguidores Ler as 58 críticas

    3,0
    Enviada em 9 de fevereiro de 2012
    O filme é muito interessante. Especialmente na parte técnica, a narrativa invertida, a fotografia em geral. O filme vai mudando os tons, pro pesado e escuro da violência inicial,pro final (que eh o começo) onde tudo é mais claro e leve. Sem contar a câmera em movimento que me causou sensações horriveis e um desconforto enorme. Assim como as cenas que vão sendo filmadas por essa câmera.
    O maior ponto negativo,porém, que chega a quase comprometer o filme são os personagens. Tudo choca mto,pela violência empregada, mas a parte dramática msm falta, o que é até estranho por se tratar de um filme francês.
    Em geral eu gostei. A cena que o casal está junto quase no final é muito boa. Mto natural. Recomendo a poucos.
    Julli C.
    Julli C.

    Seguir usuário 10 seguidores Ler as 20 críticas

    3,5
    Enviada em 21 de janeiro de 2015
    Perturbador.
    A única violência "incomum" para o cinema é a psicológica... É preciso PENSAR: o filme nos força a fazer inúmeras reflexões sobre ação/reação. Apesar de inútil, todos nós exercitamos retroceder no tempo após um fato "irreversível".
    O filme tem qualidade, pois, segue o seu propósito. A câmera, a luz, o som, fotografia, diálogos... tudo nos prende/apreende.
    Enfim, NOÉ!
    Back to Top