Minha conta
    Malcolm & Marie
    Média
    3,3
    60 notas
    Você assistiu Malcolm & Marie ?

    11 Críticas do usuário

    5
    0 crítica
    4
    3 críticas
    3
    1 crítica
    2
    2 críticas
    1
    3 críticas
    0
    2 críticas
    Kamila A.
    Kamila A.

    Seguir usuário 6.025 seguidores Ler as 728 críticas

    2,5
    Enviada em 7 de fevereiro de 2021
    O que assistimos em "Malcolm & Marie", filme dirigido e escrito por Sam Levinson (escritor e produtor por trás da série "Euphoria", da HBO), deveria ser a noite/madrugada de comemoração pela estreia do primeiro filme escrito e dirigido por Malcolm (John David Washington), porém o que iremos conferir é a discussão da relação entre ele e sua namorada/parceira Marie (Zendaya, que trabalha com o diretor e roteirista Levinson na série "Euphoria").

    No decorrer dos 106 minutos de "Malcolm & Marie" e, à medida em que a discussão entre o casal progride, iremos perceber alguns sinais importantes sobre o relacionamento deles. Em primeiro lugar, trata-se de um relacionamento tóxico, com constantes trocas de agressões verbais.

    Em segundo lugar, está claro que o ego é um fator determinante na personalidade de cada um deles. Tanto Malcolm como Marie possuem um ego forte. E, quando isso acontece, fica difícil encontrar um caminho em comum a seguir.

    Também está claro que cada um deles tinha expectativas diferentes no relacionamento. Marie via Malcolm como alguém com quem crescer junto. Já ele, que, de acordo com ela, não tem vícios, podemos dizer que é viciado na personalidade e nas imperfeições de Marie.

    Sam Levinson tem alguns acertos, no decorrer de "Malcolm & Marie". A começar pela sua dupla principal: tanto Zendaya, quanto John David Washington, estão ótimos como os protagonistas. A decisão pela fotografia em preto e branco também foi muito feliz, no sentido de que não temos distrações de outros elementos presentes em tela. O foco está 100% nos dois personagens principais e nas suas discussões.

    Apesar disso, a sensação é a de que o filme é mais pretensioso do que aquilo que ele efetivamente nos entrega. A verborragia incomoda. A dinâmica da relação entre Malcolm e Marie, por não ser saudável, também incomoda demais.
    Luti
    Luti

    Seguir usuário 8 seguidores Ler as 74 críticas

    0,5
    Enviada em 27 de fevereiro de 2022
    Um dos filmes mais chatos que tive o desprazer de ver. Um casal discutindo a relação durante 2 horas. Que tédio.
    Fábio R.
    Fábio R.

    Seguir usuário 7 seguidores Ler as 33 críticas

    4,0
    Enviada em 8 de fevereiro de 2021
    Uma verdadeira poesia visual.
    Uma valsa de discórdias, entre dois atores que dão suas melhores performances já vistas.
    O elenco resume-se aos dois, e o preto-e-branco sintetiza visualmente a dicotomia em que vive o casal, num jogo de xadrez verbal em que não há vencedores.
    A proposta do filme está longe de ser inédita, mas com excelentes diálogos e boas performances, além de uma trama consistente, não tem como dar errado.
    Ele remete, pela sua estética e estilo, a um brilhante clássico, "Quem Tem Medo de Virginia Woolf?" (1966), e a dinâmica do casal lembra a de Tom Cruise e Nicole Kidman em "De Olhos Bem Fechados" (1999). A metalinguagem da narrativa e sua relação com o ofício cinematográfico lembra "Birdman (ou a Inesperada Virtude da Ignorância)".
    Apesar deste filme ser bem mais verborrágico e menos versátil do que outros filmes que são apoiados em uma interminável conversa, como o próprio "Quem Tem Medo de Virginia Woolf?", "Deus da Carnificina" e o recente "A Voz Suprema do Blues", ele consegue trazer comentários pertinentes sobre inspiração artística, empatia humana e cumplicidade conjugal.
    Apesar de não ser perfeito, um belíssimo filme.
    Ricardo L.
    Ricardo L.

    Seguir usuário 46.564 seguidores Ler as 2.301 críticas

    4,5
    Enviada em 18 de fevereiro de 2022
    John David Washington e Zendaya em suas melhores performances até hoje, num filme forte e cheio de diálogos fortes e bem colocados elevando esse filme a um nível top. Ótimo.
    Mari Grespan
    Mari Grespan

    Seguir usuário Ler as 6 críticas

    1,0
    Enviada em 27 de fevereiro de 2021
    Filme chato pra caramba,,falam demais,,sem sal...nao prende atenção aff não consegui assistir até final😠😠 não recomendo,
    Cleibsom Carlos
    Cleibsom Carlos

    Seguir usuário 5 seguidores Ler as 73 críticas

    2,5
    Enviada em 16 de junho de 2021
    Quanta afetação!!!No fim a conclusão que se chega é que o casal se merece, pois ambos são chatos demais!!!Em termos técnicos não há mal para falar do filme e tudo está em seu devido lugar, mas falta alma a MALCOLM & MARIE. E é uma pena que ao seu final nos lembremos apenas de sua magistral trilha sonora...
    @cinemacrica
    @cinemacrica

    Seguir usuário 12 seguidores Ler as 107 críticas

    3,0
    Enviada em 7 de fevereiro de 2021
    (Insta: @cinemacrica): Malcolm e Marie. Simples assim. O espectro do novo lançamento da Netflix se molda exclusivamente ao diálogo íntimo desse casal. O que poderia ser uma noite de celebração, pois a ação se inicia com o retorno à casa após a estréia do filme do cineasta Malcolm, se converte numa discussão profunda da relação.
    A proposta é exatamente essa. Tão enxuta quanto o elenco de dois personagens, também o é a sua proposta de representação. Ambientado em alguns cômodos de uma casa luxuosa, homem e mulher amplificam o debate conjugal tendo como ponto de partida o comportamento do cineasta na noite de apresentação da sua obra ao público. Apesar de não pleitear de forma explícita o formato teatral, dada a execução, a associação é cabível. O foco estreito é eficiente em inserir o espectador como terceiro elemento daquela circunstância, diálogos não dispersos e estética objetiva colaboram para esse fim.
    Apesar de ser uma opção válida, algumas responsabilidades como a qualidade do texto têm a importância amplificada. Por boa parte do embate verbal, segue-se uma esquematização que se torna artificial por se basear na lógica do debate formal. Uma parte apresenta argumentos, a outra oferece a réplica e em seguida vemos a tréplica. A naturalidade da erupção de ideias e emoções, comuns a diálogos abertos, submete-se ao capricho de um roteiro que busca organização em momentos onde o caos é bem-vindo.
    As transições dos temas debatidos são volumosas. A factibilidade dessa sinuosidade argumentativa é tolerável se considerar que o filme se propõe a abraçar, mesmo que com timidez, a estética teatral. Nessa mesma direção, a verborragia do protagonista em alguns momentos de adversidades são exageradas. Fora isso, pode-se considerar que a dupla entrega um bom trabalho.
    pelandaboy
    pelandaboy

    Seguir usuário 10 seguidores Ler as 10 críticas

    0,5
    Enviada em 18 de novembro de 2022
    Pense num filme ruim. É de infartar monge. 2 horas um casal discutindo a relação, pavoroso. Não leva a lugar nenhum, fuja deste lixo.
    Vislei
    Vislei

    Seguir usuário Ler as 3 críticas

    1,5
    Enviada em 14 de setembro de 2022
    Achei muito chato. Mais de uma hora e meia de revezamento de uma cara reclamando da crítica do filme dele e discutindo com a namorada. Não recomendo.
    anônimo
    Um visitante
    4,0
    Enviada em 29 de abril de 2021
    O filme tem muita metalinguagem sobre cinema, muita mesmo. Para quem não gosta pode ser cansativo.

    O ponto forte do longa é o casal protagonista e suas atuações. Tudo é baseado na conturbada relação entre ambos, relação que não vem só daquela noite.

    Os momentos de alternância entre calmaria e brigas do casal ajudam a "descansar" quem assiste, pois existem instantes que a discussão se intensifica muito e fica difícil acompanhar.

    A fotografia em preto e branco deixa o filme mais bonito esteticamente.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    • Melhores filmes
    • Melhores filmes de acordo a imprensa
    Back to Top