Minha conta
    Meu Ano em Nova York
    Críticas AdoroCinema
    3,0
    Legal
    Meu Ano em Nova York

    Leve e inofensivo

    por Barbara Demerov

    Quem já é familiarizado com a obra de J. D. Salinger inevitavelmente vai notar o clima bucólico que permeia a história de My Salinger Year do início ao fim. Mesmo quando os problemas existem, eles estão ali puramente para serem resolvidos sem muita dificuldade. É o tom otimista e confiante que dita este determinado tipo de coming of age da personagem Joanna (), quase sempre beirando algo mais profundo, mas contentando-se com a leveza dos sonhos e a preservação do otimismo. O filme que abre a 70ª edição da Berlinale está longe de ser um filme problemático, mas ainda assim oscila bastante entre a vida real e aquela vida que apenas existe em livros. É uma mistura que cabe aqui - ainda mais se tratando de um dos autores mais conhecidos da literatura no século XX. Mas, para quem não conhece O Apanhador no Campo de Centeio, parte do brilho se esvai, pois a essência de My Salinger Year e a principal mensagem contida na história está ligada ao autor, que chegou a se isolar completamente de seus fãs e parou de escrever por décadas (ou, pelo menos, publicar seus livros). Joanna é uma aspirante a poeta que passa a maior parte de seu tempo lendo o que os outros escrevem. Seja o manuscrito do namorado ou as cartas de fãs originalmente endereçadas à Salinger, a jovem aceita um emprego que vai na contra-mão do que mais almeja: atuando como assistente numa agência literária. O maior cliente de lá é o adorado e pouco visto Salinger, mas Joanna sequer leu seu maior sucesso. É como se a protagonista conhecesse um novo planeta dentro de um universo que já a faz se sentir em casa.

    Porém, os acontecimentos (ou, pensando melhor, o postergar deles) se expandem de modo a dificultar o verdadeiro foco da história. Enquanto mensagem, há diversas opções: a dificuldade em encarar o novo, visto que a chefe de Joanna, Margaret (), não aceita o uso de computadores mesmo já sendo 1995; a passagem por contrariedades a fim de encontrar a si mesmo; ou simplesmente a nostalgia de uma época que podemos nem ter presenciado, mas é tão vívida que é fácil se deixar enganar. Há muito mais momentos de leveza (vide um que remete diretamente a ) do que momentos de confronto ou indecisão. As boas performances da dupla principal, sobretudo de Weaver, sustentam a progressão de suas personagens, mas não seguram a indefinição do próprio roteiro ao não saber o que priorizar com atenção. Um dos personagens secundários, inclusive, sempre aparece na tela como se fosse um personagem de Salinger (Holden Caulfield, para ser mais exata) - e isso não é necessariamente um elogio quando notamos que, na verdade, o filme se aproxima aos poucos da simplicidade e ilusão que o protagonista de O Apanhador no Campo de Centeio tanto critica. Ao invés de um mergulho na mente de personagens eficientes, temos um verdadeiro passeio à uma Nova York indo de encontro com a modernidade, uma visita a conflitos que transitam entre gerações e uma atmosfera que se aproxima de sonho e devaneios. Esta é uma combinação curiosa e, sobretudo, encantadora, pois traz à tona discussões pertinentes. Contudo, é exatamente esta escolha que impede My Salinger Year de atingir níveis poéticos e reflexivos mais profundos; características essas que preenchiam a obra do autor que está no título. Filme visto no 70º Festival Internacional de Cinema de Berlim, em fevereiro de 2020.

    Quer ver mais críticas?

    Comentários

    Mostrar comentários
    Back to Top