Minha conta
    No Intenso Agora
    Nota média
    4,3
    publicações
    • Ccine10
    • Cinema em Cena
    • Estado de São Paulo
    • O Globo
    • Cineweb
    • Papo de Cinema
    • Preview
    • Variety
    • Folha de São Paulo

    Cada revista ou jornal tem seu próprio sistema de avaliação, que será adaptado ao sistema AdoroCinema, de 0.5 a 5 estrelas.

    críticas da imprensa

    Ccine10

    por Kadu Silva

    Ao mesmo tempo que é ousado o projeto de um filme baseado no registro alheio, seu olhar pessoal sobre tudo ali analisando em detalhes nas cenas, torna a obra um comovente e melancólico pensamento interior (pessoal), sua visão sobre cada registro é precisa e em alguns momentos genias.

    A crítica completa está disponível no site Ccine10

    Cinema em Cena

    por Pablo Villaça

    [...] O documentário é hábil ao sugerir a ligação entre o suicídio de vários estudantes nos anos seguintes às suas revoltas e a frustração e o desapontamento que provavelmente os dominaram em suas vidas adultas.

    A crítica completa está disponível no site Cinema em Cena

    Estado de São Paulo

    por Luiz Carlos Merten

    João aprendeu a desconfiar das imagens. Em "No Intenso Agora", ele faz cinema de arquivo para escavar na memória, mas também para refletir sobre outra coisa. Quem viveu a euforia dos revolucionários de Mao, das três semanas em que Paris ardeu em 1968, como se sobrevive à ressaca da paixão?

    A crítica completa está disponível no site Estado de São Paulo

    O Globo

    por André Miranda

    É impossível assistir ao documentário sem pensar no mundo de hoje. É impossível não ser afetado pela lembrança de jovens que buscavam mudar o mundo, independentemente de saberem o que queriam pôr no lugar.

    A crítica completa está disponível no site O Globo

    Cineweb

    por Neusa Barbosa

    De forma aguda, João faz o contraponto dessa energia vital das ruas, ocupadas por estudantes e greves operárias, com os discursos de Charles De Gaulle, o presidente contestado que, tanto como os líderes da revolta, sabe organizar-se midiaticamente para mover a opinião pública.

    A crítica completa está disponível no site Cineweb

    Papo de Cinema

    por Marcelo Müller

    João Moreira Salles expõe os contrassensos desse levante revolucionário que reafirmava em suas bases, inconscientemente, a permanência do protagonismo do homem branco e letrado, legando aos negros, às mulheres e aos operários a coadjuvância, quando não a mera figuração.

    A crítica completa está disponível no site Papo de Cinema

    Preview

    por Mariane Morisawa

    Novamente, ele usa o pessoal – o encantamento com a vida que ela demonstrava naquela jornada, por aquele mundo tão diferente do seu, que se perdeu com a passagem dos anos – ela cometeu suicídio.

    A crítica completa está disponível no site Preview

    Variety

    por Owen Gleiberman

    A filmagem encontrada de João Moreira Salles, que aborda de três cataclismos do final da década de 1960, é um histórico assustador de história poética. [...] É um filme imersivo e altamente pessoal que entrelaça três cataclismos políticos de meio século atrás...

    A crítica completa está disponível no site Variety

    Folha de São Paulo

    por Sérgio Alpendre

    Salles que, como o filósofo Jean-Paul Sartre, parece não ver razão para a rebeldia destrutiva e nada propositiva do estudante Daniel Cohn-Bendit, um dos líderes do Maio de 1968, parece nos dizer que é inútil ir às ruas e protestar, porque o sistema vencerá sempre.

    A crítica completa está disponível no site Folha de São Paulo
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    • Melhores filmes
    • Melhores filmes de acordo a imprensa
    Back to Top