Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Invocação do Mal
    Média
    4,5
    4574 notas e 369 críticas
    distribuição de 369 críticas por nota
    180 críticas
    129 críticas
    30 críticas
    18 críticas
    6 críticas
    6 críticas
    Você assistiu Invocação do Mal ?

    369 críticas do leitor

    Guilherme M.
    Guilherme M.

    Segui-los 23 seguidores Ler as 11 críticas deles

    5,0
    Enviada em 14 de setembro de 2013
    Carente de um filme que honrasse os clássicos do passado, Invocação do Mal (The Conjuring) chega aos cinemas carregado de absolutamente todos os clichês possíveis e pertinentes para um longa de terror, mas que foram usados de forma compentente, transformando a produção independente em um sucesso instantâneo de bilheteria. Dirigido por James Wan (Jogos Mortais, Sobrenatural) e escrito pelos irmãos Carey e Chad Hayes (Terror na Antártida), o longa basea-se na história real da família Perron, assombrada nos anos 70 em uma casa de campo na cidade de Harrisville, Rhode Island. Na trama, Ed e Lorraine Warren, vividos respectivamente por Patrick Wilson e Vera Farmiga, formam um casal de demonologistas, que na casa da “assombrada” família, precisam encarar o caso mais assustador de suas carreiras. Durante todo o tempo, Wan faz questão de detalhar cada cena com um clima de tensão constante – detalhes para cenário, fotografia, edição e closes longos (alguns em um único plano-sequência), dão ao filme um clima intimista e ao mesmo tempo macabro. Bebendo da fonte dos grandes sucessos de outrora, o diretor traça um caminho a ser percorrido não só pelos protagonistas e pela família que está sendo assombrada, mas também através do próprio espectador, tirando aquela inércia vista em produções recentes, onde todas as respostas são facilmente jogadas na tela. Pelo contrário, sustos são recorrentes e por mais que você seja um “machão” para esse tipo de história, os olhos involutariamente piscam algumas vezes mais rápidas que o comum, reafirmando assim os méritos dos roteiristas em propiciar se não o melhor filme de terror dos últimos anos, mas ao menos um que não será facilmente esquecido. No geral, a experiência de A Invocação do Mal pode ser facilmente encarada como um desgosto ou como forma de celebração. Tudo depende do ponto de vista. Se hoje convivemos na era digital e os filmes precisam usar até mesmo de computadores e celulares para passarem “entidades”, que sejam usadas as velhas fórmulas – maquiagem básica, portas batendo e quadros caindo – o importante é compreender cinema como arte, e não somente lucro.
    Rodrigo D.
    Rodrigo D.

    Segui-los 9 seguidores Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 14 de setembro de 2013
    FINALMENTE UM FILME DE TERROR QUE SE PREZE! HISTÓRIA TOTALMENTE COERENTE, ELENCO EXCELENTE E PURA TENSÃO DO INÍCIO AO FIM! VALE RESSALTAR O JOGO DE CÂMERAS DESSE DIRETOR FANTÁSTICO, QUE ATÉ AGORA TEM FEITO FILMES DESSE GÊNERO COM UMA MAESTRIA DE POUCOS. VI HOJE O FILME E ACHEI SIMPLESMENTE SENSACIONAL! E QUE VENHAM AS SEQUÊNCIAS!
    Bia C.
    Bia C.

    Segui-los 5 seguidores Ler as 5 críticas deles

    5,0
    Enviada em 16 de setembro de 2013
    Parabéns para todos envolvidos nesse filme: Ele ficou horrível! Digo isso pelo fato do filme ser de horror. Não recomendo o filme para pessoas sensíveis como eu, mas como amante de filmes achei uma produção bem elaborada.
    Alexander D.
    Alexander D.

    Segui-los 15 seguidores Ler as 2 críticas deles

    4,5
    Enviada em 14 de setembro de 2013
    Bem, acabei de assistir o filme ''Invocação do Mal'', pensei ter visto o melhor longa do gênero terror de 2013, mas posso garantir que vai além disso, trata-se de um dos melhores filmes desse ano. A trama é bem simples, baseado em uma história real, Invocação do Mal narra a investigação empreendida por Ed e Lorraine Warren, mundialmente conhecidos, chamados para ajudar a família Perron, que estava sendo assombrada por fenômenos sobrenaturais. O longa-metragem é baseado nos arquivos de casos do casal de demonologistas. Obrigados a enfrentar uma entidade demoníaca poderosa, os Warrens se viram presos ao caso mais aterrorizante de suas vidas. Tudo funciona muito bem no filme, narrativa inicial bem simplista levando o público a pensar ''Pronto, vai ser mais um filme de terror com um demônio invisível que lança as pessoas na parede, igual Atividade Paranormal'', no entanto a trama mostra uma aplicação nova e bem diferente, ganhando dinâmica com o decorrer do tempo, chegando até a fazer o telespectador ficar vidrado na tela. Cada personagem tem seu espaço e importância no desenvolvimento da história, somado ao dinamicismo elevado e também a tons investigativos, garante uma ótima experiência ao público que está assistindo. Abordar também os preceitos religiosos é uma jogada de mestre que o diretor James Wan soube aplicar. A escolha do elenco é impecável, os cenário são bastante fieis ao local que ocorreu o trabalho de investigação, os efeitos sonoros são excelentes e o desfecho faz jus ao longa. No entanto, ele não é perfeito, apresenta algumas falhas, mesmo que tendo ideias diferenciadas e inovação, ainda peca no quesito sobrenatural. A aposta em sequências rápidas e puristas, prendendo-se demais nas formas de manifestações dos seres sobrenaturais nos meios físicos enquanto que em sua abordagem espiritual passa bastante ''batida'' diante dos olhos do expectador, situação semelhante aos filmes desse gênero com orçamento mais modesto. O diretor James Wan parece ter ganhado mais maturidade e inovação nos seus trabalhos, desde que deu inicio na produção independente que foi ''Jogos Mortais'' vem de uma sequência de filmes mais simplistas do gênero, mas dessa vez, acertou em cheio, tanto que o sucesso de crítica em bilheterias nos diversos países já garantiu uma sequência para o filme. O Longa-metragem estreia no Brasil dia 13 de setembro. sim, é uma sexta-feira 13, perfeito para o clima que a película proporciona. Vale muito a pena assistir não só para os fãs do gênero, mas também para um público interessado em algo bem mais inovador.
    Harisson G.
    Harisson G.

    Segui-los 61 seguidores Ler as 40 críticas deles

    5,0
    Enviada em 28 de dezembro de 2013
    Com um terror psicológico jamais visto Invocação do Mal é simplesmente EXCELENTE. As razões do sucesso são aquelas que faltam à produção atual do gênero: uma boa direção, com movimentos de câmera inspirados nos clássicos do horror e que sabe criar uma mise-en-scène capaz de dar sustos e apavorar a plateia. Há também um bom roteiro, baseado em uma história real, que teve grande repercussão na imprensa norte-americana no início da década de 1970. A trama é narrada pelo casal de médiuns e caçadores de demônios Ed (Patrick Wilson, de Sobrenatural) e Lorraine Warren (Vera Farmiga, de Amor sem Escalas), que ganharam notoriedade à época, fazendo atendimento a casos de famílias assombradas por fenômenos sobrenaturais. Com a parafernália hi-tech da época, eles aferiam e registravam a presença de espíritos do mal em pessoas e lugares para instruir os processos de exorcismos, que precisam ser autorizados pelo Vaticano. Em A Invocação do Mal, os caça-demônios se deparam com o caso que elegeram “como o mais aterrorizante de suas vidas”: uma família assombrada por uma presença maligna, em uma isolada casa de fazenda. Agarre-se bem no sofá pois você com certeza vai se assustar.
    Camilla H.
    Camilla H.

    Segui-los 15 seguidores Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 5 de outubro de 2013
    Filme ótimo , a história do filme é de arrepiar . Cheguei a sair tremendo da sala no cinema Muito bom , recomendo
    Gil N.
    Gil N.

    Segui-los 9 seguidores Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 26 de setembro de 2013
    É bem como disseram: "transforma fórmula desgastada em sustos originais"
    Tarcísio José M.
    Tarcísio José M.

    Segui-los 14 seguidores Ler as 2 críticas deles

    2,5
    Enviada em 15 de setembro de 2013
    Sem querer ser cricri... Invocação do Mal é bom, e ponto. O filme de James Wan não é essa sétima maravilha que todos falam. Wan tem como estratégia um truque barato e, pelo que vejo nas críticas, funcional para conquistar espectadores: copiar artifícios de filmes antigos para que o seu seja, ou pareça, tão assustador quanto. Assim como ele copiou os filmes de terror da década de 80 em Insidious, nesse ele vai mais longe, chega à década de setenta. A fotografia, os enquadramentos e até os figurinos clamam por originalidade - e não a têm. Já foram vistos em semelhante condição em clássicos como O Exorcista, O Bebê de Rosemary e até no televisivo A Casa das Almas Perdidas. Apesar de ser (vide: exagero) baseado em fatos reais, ele tem um roteiro que, quando tenta atacar de original, perde a tensão e cai no modismo sentimental. Essa cópia funciona porque a geração de hoje não viu ou não aplaudiu os clássicos supracitados e outros que marcaram época, por isso se contentam, e muito, com a reciclagem (já que estão alheios a esse processo). Os críticos, que sempre exageram em relação aos filmes do Wan, parecem não terem vergonha de comparar A Invocação com produções fantásticas como o próprio O Exorcista, levam o processo de cópia para o lado da homenagem e soterram a importância de grandes películas do passado. Em relação às atuações, Vera Farmiga é o filme. Ela, que é uma das melhores atrizes da atualidade (basta vê-la no excelente Bates Motel) sustenta o filme com uma maestria que, aí sim, assusta, impressiona, choca de tão perfeita. É ela quem dá o tom de drama ao péssimo e insosso Patrcick Wilson e ela quem traz um realismo que, até mesmo o mais distraído espectador percebe, o filme não dá espaço. Creio que algumas cenas são sim válidas aos sustos, principalmente as do Hide And Clap, mas são sustos momentâneos, regados com a trilha explosiva (vide: insuportável) que o Wan insere nos filmes. Se compararmos com alguns desastres que têm sido lançado, A Invocação é bem acima da média, mas, se era para evocar a atmosfera dos anos setenta num filme, que o fizesse como o ótimo O Exorcismo de Emily Rose o fez: prezando pela originalidade, sem ter medo de ser ou não retaliado entre os críticos.
    anônimo
    Um visitante
    4,0
    Enviada em 14 de outubro de 2013
    James Wan,já está meio que vacinado a filmes de horror.A sua estréia,dirigindo Jogos Mortais,ele já mostrava que bem competente nesse gênero.E na sequência trouxe,Gritos Mortais,e o mas rentável de sua carreira,foi trouxe uma história bem parecida com Invocação do ,esse filme,traz o que todos do gênero gosta de ver,e itens são de impor respeito nesse ro;uma edição de som fantástica,bem sincronizada a cada cena que entra em ação.E segundo;os movimentos das câmeras,que evita cortes ao longo do filme,para passar ainda mas medo em cenas bem produzidas.O filme traz tudo que estamos acostumados a ver em muitos outros títulos sobrenaturais,mas mesmo ue agradar,e meter medo;Ótimas participações de Patrick Wilson e Vera Farmiga,ambos envolvidos novamente no mundo do terror,(Sobrenatural e A Órfã).
    Daniel L.
    Daniel L.

    Segui-los 8 seguidores Ler as 22 críticas deles

    5,0
    Enviada em 29 de setembro de 2013
    Antes de tudo, você quer brincar de esconde-esconde? Invocação do Mal é um dos filmes que vi o trailer e pensei “quero muito, muito mesmo, ver esse filme”. Foi assim com Pain and Gain, por exemplo. E expectativas para mim só servem para acabar com as coisas. Nunca serão como você esperava (aconteceu com Pain and Gain). Felizmente, “maioria das vezes” não é o mesmo de “sempre”. Tudo bem, eu confesso que sou fã de carteirinha de filme de terror. Basta ter um “mal”, um “terror”, um “demoníaco” e coisas do gênero no título que meus olhos brilham. Mas mesmo os críticos mais ferrenhos dos filmes de terror tem que concordar que Invocação do Mal é espetacular. O filme é baseado na história real de Ed e Lorraine Warren, casal famoso na década de 70 por investigar casos sobrenaturais. Por mais que possa parecer jogada de marketing, um filme com esse apelo já começa a chamar a atenção e a mexer com a imaginação antecipadamente. E o tema sobrenatural incita a curiosidade, logo temos um prato cheio para horas de pesquisas na internet sobre a história real na qual se baseia o filme! E falando em marketing, o trabalho da Warner foi primoroso, englobando teasers com os personagens reais (toda a família, assim como Lorraine Warren, estão vivos) bem como padre real em pré-estreia em casarão abandonado. Todos os elementos clichês de um filme de terror clássico estão lá: Casa imensa e cheia de quartos no campo, porões, animais vendo e sentindo coisas. E por mais que isso possa parecer ruim, não é, pois todos os elementos são usados muito bem. O começo do filme com as duas histórias (casal caça-fantasmas e mudança/sofrimento da família) em paralelo funciona muito bem, dando ao espectador um falso sentimento de segurança quando os Warren chegam à casa para tentar resolver o problema (acredite, você já terá passado por tanto medo que não apenas sentirá, como desejará mais do que tudo esse falso alívio). E os sustos continuam a todo o vapor, fazendo a sua espinha gelar e todos os pelos do seu corpo se arrepiarem. O filme apresenta pouca ação em detrimento do terror em si. Mas nem se preocupe, este último é mais do que suficiente para te tirar o fôlego. Não quero revelar nenhum susto (por mais que possa parecer que o trailer mostrou tudo, pode acreditar, não mostrou), assim destaco apenas uma curiosidade: a boneca Anabela. Ela mostrou-se uma ótima oportunidade do diretor James Wan utilizar sua grande paixão: bonecos medonhos (sim, ele é o diretor de Jogos Mortais e seu famigerado Jigsaw). Os atores fazem um trabalho fantástico, principalmente as cinco irmãs. Nada parece encenado ali, nos dando a sensação que os atores viraram os personagens, realmente acreditam em tudo aquilo e que estão amedrontados até os ossos. A trilha sonora também está maravilhosa, mesmo sendo composta por longos períodos de silêncio seguidos por barulhos (ou não), como deve ser em um bom filme de terror, nos fazendo pular da cadeira incontáveis vezes. Dizem que mostrar o monstro acaba com o filme e que isso acontece em Invocação do Mal. Que nada! Só porque Stephen King dividiu o medo em três níveis não quer dizer que o Terror tenha mais efeito do que o Horror ou a Repulsa. Concordo com ele com relação ao primeiro ser mais trabalhoso de ser atingido, precisando de uma elaboração mais refinada. Mas discordo dos que dizem que o Terror é a única e verdadeira forma de assustar. spoiler: Assim, a metade final do filme continua tão assustadora quanto a primeira, com o medo nos atacando de uma forma diferente. Se antes era a tensão, o silêncio seguido do barulho, a insinuação, agora o medo é pelo bizarro, pelo feio, pelo monstruoso. A cena final do exorcismo me tirará algumas noites de sono, tenho certeza. Acabei de escrever aqui e fui dar uma olhada nas críticas de diversos sites sobre cinema. Todas positivas. Nada mais justo. E se você ainda quiser brincar de esconde-esconde, lembre-se que pode bater palma três vezes...
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top