Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Millennium - Os Homens Que Não Amavam as Mulheres
    Média
    4,5
    2071 notas e 98 críticas
    distribuição de 98 críticas por nota
    32 críticas
    53 críticas
    8 críticas
    4 críticas
    0 crítica
    1 crítica
    Você assistiu Millennium - Os Homens Que Não Amavam as Mulheres ?

    98 críticas do leitor

    anônimo
    Um visitante
    4,0
    Enviada em 27 de abril de 2020
    Fincher aproveita ao máximo os superlativos do material de origem e cria um thriller de jornalismo investigativo que não se vê com muita frequência, e ainda apresenta uma atuação marcante de Rooney Mara, que cai como uma luva na personagem. Pena que estas qualidades são postas à prova na maior parte do tempo pela repetição de lugares comuns e uma edição arrastadíssima, que parece não querer que a trama decole, quase nos forçando a desviar o foco tamanha a chateação de algumas cenas. Relevando estes problemas, ainda é melhor que as três versões suecas juntas. Daniel Craig fora da casinha, até que fim.
    Estevan Magno
    Estevan Magno

    Segui-los 3694 seguidores Ler as 490 críticas deles

    5,0
    Enviada em 20 de janeiro de 2013
    Fascinante...... Surpreendente......Brilhante ..... só isso mais nada!!! Agora assista o filme e veja porque é O FILME.
    Miguel Neto
    Miguel Neto

    Segui-los 50 seguidores Ler as 98 críticas deles

    4,0
    Enviada em 23 de outubro de 2014
    Excelente filme de suspense, as atuações são excelentes e o desenrolar surpreendente.
    Leandro N.
    Leandro N.

    Segui-los 16 seguidores Ler as 47 críticas deles

    4,0
    Enviada em 15 de junho de 2013
    Filme interessantissimo, quando vi o titulo em portugues, achei que fosse um filme mais voltado pra romance, puro engano. Uma trama policial bastante envolvente que desperta a curiosidade, me fez com vontade de acompanhar os livros. Super recomendado.
    Isa B.
    Isa B.

    Segui-los 5 seguidores Ler as 9 críticas deles

    2,0
    Enviada em 23 de novembro de 2013
    Uma releitura que podia muito bem não ter sido feita. O mundo não ia perder nada. Em tempo, é bem diferente da versão sueca, para nossa alegria e para nossa tristeza. São filmes essencialmente diferentes, mas para quem se apaixonou por Lisbeth Salander vendo o original, vai se decepcionar muito com esse filme que simplesmente acaba com a personagem transformando-a numa delinquente bobinha e emocionalmente imatura. O filme perde sua essência para virar mais uma superprodução com explosões e efeitos especiais estapafúrdios. Típico do cinema americano.
    Júnior S.
    Júnior S.

    Segui-los 793 seguidores Ler as 269 críticas deles

    4,0
    Enviada em 31 de dezembro de 2017
    Fincher aproveita ao máximo os superlativos do material de origem e cria um thriller de jornalismo investigativo que não se vê com muita frequência, e ainda apresenta uma atuação marcante de Rooney Mara, que cai como uma luva na personagem. Pena que estas qualidades são postas à prova na maior parte do tempo pela repetição de lugares comuns e uma edição arrastadíssima, que parece não querer que a trama decole, quase nos forçando a desviar o foco tamanha a chateação de algumas cenas. Relevando estes problemas, ainda é melhor que as três versões suecas juntas. Daniel Craige fora da casinha, até que fim.
    Anderson  G.
    Anderson G.

    Segui-los 808 seguidores Ler as 281 críticas deles

    4,0
    Enviada em 31 de janeiro de 2017
    “Millenium- Os Homens que não amavam as mulheres”, pois é, que nome forte, tal como o filme também é forte, com uma carinha de seven e uma pintada de zoadico, o suspense investigativo de fincher acerta de novo. Temos aqui um roteiro muito bem trabalhado, não apenas na construção e imersão ao que está sendo investigado, mas sim na construção de um ambiente como um todo, seus dois protagonistas são espetacularmente apresentados e desenvolvidos, todas suas nuanças e diques são mostrado, nem sempre jogado na cara do telespectador, mas para quem está prestando atenção percebera tudo que roteia nossos protagonistas, tal como a família Vanger, todo seu ódio de herança, suas rixas e desencontros são extremamente imersivos, culpa deste ótimo roteiro de fincher que conta a historia de Mikael Bomkvist (Daniel Craig) e Lisbeth Salander (Rooney Mara), um homem que vive dentro dos padrões sociais mas desacreditado profissionalmente e uma mulher que vive fora dos padrões sociais muito creditada profissionalmente, os dois se unem para investigar um caso em uma família, a onde ocorreu um desaparecimento a mais de 30 anos. O filme fala sobre invasão a privacidade, e violência domestica e abuso de uma maneira áspera, é como um soco no estomago, a personagem de Lisbeth Salander (Rooney Mara) é incrível, uma gótica, com um visual completamente oposto do que é descrito nas convenções sociais que luta contra si mesma numa busca por algo real. Tecnicamente, o filme é muito bom, primeiro a fotografia, não temos nada de outro mundo, mas a fotografia é sempre sóbria, cinza, com tons mais escuros, muito tradicional dos filmes de Fincher, a não ser nos momentos de flashbacks, ai o tons mais claros tomam conta, a película fica clara e com uma paleta de cores mais amarelada, podemos observar um cuidado nesse quesito em todo filme, e a trilha sonora é sempre sagaz, nada memorável, mas ela está ali, sempre. Rooney Mara, acostumada a papeis bonitinhos está aqui completamente descaracterizada, e faz uma atuação muito sóbria, tal como seu parceiro. Por fim, “Millenium- Os Homens que não amavam as mulheres” é um filme que agrada.
    Yanko Rodrigues
    Yanko Rodrigues

    Segui-los 158 seguidores Ler as 249 críticas deles

    4,0
    Enviada em 19 de fevereiro de 2020
    Esse filme faz você querer acompanhar os outros livros dessa franquia. As atuações são excelentes, o filme consegue segurar você do começo ao fim. Me segue no Adorocinema para não perder nenhuma crítica minha.
    Paty M.
    Paty M.

    Segui-los Ler a crítica deles

    2,0
    Enviada em 26 de dezembro de 2015
    A verão sueca é mais interessante que a americana devido a profundidade dos seus personagens. São dois filmes distintos, apesar do roteiro ser o mesmo. Na versão americana, o Daniel Craig levou o James Bond pra trabalhar. Na versão sueca, a Noomi Rapace dá show de interpretação ao contário da Rooney Mara cujo personagem não tem expressão, nem olhar perdido no horizonte ela tem. Infelizmente essa interpretação lhe deu uma indicação ao Oscar. Definitivamente, a versão sueca.
    Neto S.
    Neto S.

    Segui-los 18338 seguidores Ler as 773 críticas deles

    3,0
    Enviada em 20 de janeiro de 2014
    Harriet Vanger (Moa Garpendal) desapareceu há 36 anos, sem deixar pistas, em uma ilha no norte da Suécia. O local é de propriedade exclusiva da família Vanger, que o torna inacessível para a grande maioria das pessoas. A polícia jamais conseguiu descobrir o que aconteceu com a jovem, que tinha 16 anos na época do sumiço. Mesmo após tanto tempo, seu tio Henrik Vanger (Christopher Plummer) ainda está à procura e decide contratar Mikael Bomkvist (Daniel Craig), um jornalista investigativo que trabalha na revista Millennium. Bomkvist, que não está em um bom momento por enfrentar um processo por calúnia e difamação, resolve aceita a proposta e começa a trabalhar no caso. Para isso, ele vai contar com a ajuda de Lisbeth Salander (Rooney Mara), uma investigadora particular incontrolável e anti social. Filme Bem Interresante , Com Boa Direçao de David Fincher e Otimas Atuaçoes de Rooney Mara e Daniel Craig Recomendo Nota 7.0
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top