Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Diretor executivo da Netflix promete série controversa sobre a Lava-Jato, mas "sem tomar partido"
    Por Bruno Carmelo — 7 de fev. de 2017 às 15:35
    facebook Tweet

    Reed Hastings também fala sobre impostos, Trump e Amazon Prime.

    Terça-feira, dia 7 de fevereiro, foi dia de os jornalistas brasileiros conversarem com Reed Hastings, diretor executivo da Netflix internacional. O principal anúncio à imprensa foi o lançamento de uma nova série brasileira, a comédia Samantha, ainda em fase de produção.

    Mas Hastings respondeu a todo tipo de perguntas. Sobre a série baseada na operação Lava-Jato, confirmou que o resultado vai ser polêmico, algo "inevitável" por ser obra do diretor José Padilha (Tropa de Elite). Mesmo assim, promete que a obra não vai apoiar nenhum lado da história: "Entretenimento não toma partido, ele conta uma história".

    Questionado sobre a concorrência com outras plataformas de VoD, como a Amazon Prime, explicou que a concorrência é muito mais ampla, algo que tende a se acentuar já que séries e filmes estão cada vez mais fáceis de fazer hoje em dia. Além disso, "a Amazon é um concorrente menos forte, se comparada com a Globo ou o YouTube".

    3%, primeira série brasileira da Netflix

    Sem surpresas, Hastings também teve que dar sua opinião pessoal sobre as políticas xenofóbicas de Donald Trump. Sem mencionar o nome do novo presidente, o diretor da Netflix ressaltou que a força de sua empresa provém dos inúmeros imigrantes que contribuem à criação e produção de conteúdo. Ainda sobre política, não se disse surpreso com a tentativa do governo brasileiro em sobretaxar os serviços de streaming, nem com a tentativa de limitar a banda larga da população, mas acredita na capacidade de o povo se unir e fazer pressão contra essas iniciativas.

    Por fim, descreveu a Netflix como uma revolução indispensável, comparável ao telefone celular em relação ao telefone fixo. Sugeriu que o futuro está nos serviços personalizados, on demand, e que as próximas gerações devem achar absurdo descobrir que os antepassados ainda esperavam um horário específico para poder assistir ao seu programa preferido.

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top