Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Yesterday
    Média
    3,8
    336 notas e 42 críticas
    distribuição de 42 críticas por nota
    6 críticas
    14 críticas
    15 críticas
    5 críticas
    1 crítica
    1 crítica
    Você assistiu Yesterday ?

    42 críticas do leitor

    Jonas Furtado Bittencourt
    Jonas Furtado Bittencourt

    Segui-los 1209 seguidores Ler as 546 críticas deles

    2,0
    Enviada em 30 de setembro de 2019
    Yesterday é aquele tipo de filme que tem como principal conceito uma ideia interessante, criativa, e (quase) original, em um set up que deixa aberto infinitas possibilidades para se fantasiar, mas que na maior parte do tempo fica refém da própria ambição de sua ideia e não consegue ir muito além da premissa divertida. É um filme naturalmente leve e cativante dado à sua temática, tem um elenco carismático que funciona bem junto na maior parte do tempo. O problema é que o romance pano de fundo da trama central é muito pouco ou quase nada convincente, os personagens nunca conseguem de fato convencer o público do que eles sentem um pelo outro, e outra coisa que distrai bastante é o humor pra lá de fraquinho, apenas uma personagem no filme tem piadas que funcionam. No lugar de explorar com mais profundidade a sua ideia conceitual, como as variadas implicações da inexistência do maior fenômeno popular do século passado, Yesterday opta por fazer uma jornada esquemática de auto descoberta de um aspirante a músico, coisa que já vimos várias vezes no cinema. O filme parece não querer ir além do "Ah olha só aconteceu uma magia muito louca que fez com que os Beatles sumissem e esse cantor fracassado é o único que sabe as letras das músicas e agora ele vai passar por loucas aventuras", ao mesmo tempo em que passa mais da metade de sua duração tentando nos fazer simpatizar por um casal sem a menor química. Lily James está ótima como sempre, mas o seu talento não é bastante para preencher o vácuo de expressão Himesh Patel, que como ator é um ótimo cantor...Enfim, apesar de falhar na maioria das suas pretensões criativas, Yesterday ainda sim é um filme leve e cativante que apresenta um conceito surpreendentemente pouco explorado no cinema. E Beatles faz qualquer coisa valer apena mesmo. NOTA : 6.5 / 10
    Juan M
    Juan M

    Segui-los 55 seguidores Ler as 16 críticas deles

    3,0
    Enviada em 21 de setembro de 2019
    Se for um fã dos Beatles (como é meu caso), vá sem esperar muito. Vai gostar. A ideia é original. O único ponto que me incomodou, e já li críticos falando isso, é que muita coisa, mas muita coisa mesmo, no mundo da música/arte seria diferente sem os Beatles. Isso o filme não conseguiu trazer. Seria muito complicado, lógico, mas renderia muita fantasia boa. Fui assistir já pensando na responsabilidade que deveria ser fazer um filme com um roteiro tão ousado, pelo menos na premissa. É como imaginar um mundo sem algum personagem que influenciou profundamente a sociedade. Caramba, é barra pesada. Mas, fora isso, diverte. Essa é a ideia. Veja de mãos dadas. Vale o ingresso. Como classificou a crítica de cinema Bárbara Demerov: "legal". É isso.
    Nelson J
    Nelson J

    Segui-los 20309 seguidores Ler as 1 225 críticas deles

    4,5
    Enviada em 30 de agosto de 2019
    Ideia e roteiro geniais. Como seria o mundo sem os Beatles. Há uma perspicaz propaganda da Coca Cola e uma participação especial do Ed Sheeran. Não perca e deixe-se levar. Não é perfeito pelo final ser um clichê master.
    Luiz Antônio N.
    Luiz Antônio N.

    Segui-los 12392 seguidores Ler as 1 229 críticas deles

    4,0
    Enviada em 12 de setembro de 2019
    Após sofrer um acidente, um cantor-compositor (Himesh Patel) acorda numa estranha realidade, onde ele é a única pessoa que lembra dos Beatles. Com as músicas de seus ídolos, o protagonista se torna um sucesso gigante, mas a fama tem seu preço. Estava muito ansioso para assistir esse filme desde a primeira vez que fiquei sabendo dele primeiramente por ser muito fã dos Beatles e saber que teria trilha sonora deles mas o filme foi muito legal só de imaginar o mundo sem os Beatles seria surreal mas o filme vale muito a pena fora que a trilha sonora é fantástica e ainda com a participação do Ed Sheeran⭐⭐⭐⭐
    Jackson A L
    Jackson A L

    Segui-los 3181 seguidores Ler as 629 críticas deles

    3,0
    Enviada em 26 de novembro de 2019
    Filme leve e despretensioso que você já imagina como termina. Himesh Patel (apesar do sobrenome e descendência indiana não é parente de Dev Patel) interpreta muito bem as canções, porém não acredito que tenha sido a melhor opção. Ed Sheeran interpretando ele mesmo kkk um tanto abobado. Lily James abrilhanta as cenas. Obs. Se você não conhece tanto a banda Beatles, talvez algumas coisas não falam sentido, mas no geral, pelo repertório, vale a pena sim!
    Gerson R.
    Gerson R.

    Segui-los 38 seguidores Ler as 98 críticas deles

    3,0
    Enviada em 3 de setembro de 2019
    Partindo de uma premissa bastante curiosa, o diretor Danny Boyle (Trainsporting, Quem Quer ser um Milionário?) imagina um mundo onde fatores culturais e populares estabelecidos em nossas vidas não existem – e, consequentemente, o choque que isso causa ao redor das pessoas. Pois não deixa de ser inusitado, para quem conhece um mínimo de história da música dos últimos 50, idealizar o cotidiano da população sem a existência dos Beatles – a banda que mais vendeu discos na história, vinda da cidade de Liverpool, Inglaterra, com seus quatro lendários artistas – que revolucionaram a música com sua sonoridade, letras e um “algo mais” que só eles conseguiam – o encanto que causaram no mundo todo, através de todas as suas canções, mensagens e uma poesia musical que nunca o mundo tinha escutado – e sentido. Mais do que merecido, um filme que aponte sua importância cultural no planeta é facilmente bem-vindo – mas, infelizmente, este novo trabalho de Boyle acaba sendo recheado de clichês e personagens vazios, que soam terrivelmente ingênuos, em comparação com o legado da banda que mudou a música para sempre. Yesterday conta a história do funcionário de um supermercado de uma pequena cidade inglesa, o cantor e compositor Jack Malik (Patel), que almeja o sucesso de suas músicas; tendo apenas o suporte de sua melhor amiga Ellie (James) e alguns poucos amigos, ele se sente frustrado pela falta de reconhecimento como artista. Até que um dia ele é atropelado por um ônibus, após um enorme apagão (com proporções mundiais) acontecer. Quando acorda, nota que todas as pessoas ao seu redor (e no resto do mundo) simplesmente não conhecem os Beatles e suas músicas – assustado com isso a principio, ele logo tem a ideia de utilizar as músicas da banda mais famosa de todas como se fossem suas próprias composições – e, rapidamente, atinge um sucesso enorme – mas o peso na consciência por se achar um farsante e a distância que acaba tendo de Ellie, por causa dos constantes shows ao redor do mundo, faz com que Jack olhe sua vida de outra maneira – notando como não aproveitou a companhia de sua amiga da melhor forma – além de perceber o lado perigoso do sucesso musical. Se por um lado Danny Boyle e o roteirista Richard Curtis sabem impor facilmente o impacto cultural dos Beatles, é lamentável notar que tudo é comparado a uma história de amor simplista, envolta de personagens com atitudes infantis e situações infundadas – mesclados com mensagens obvias sobre o desgaste e oportunismo dos produtores musicais de hoje – além de criar estereótipos para cada individuo da trama – existe aquele para ser alivio cômico ou aquela para ser um tipo de vilã para a história – ambos irritantes e desnecessários – e, sim, eu estou falando do amigo ajudante de Jack, vivido por Joel Fry, e da empresária Debra de Kate McKinnon, que parece uma criação tão enfadonha e simplificada, que só está ali para expor os defeitos de Jack e humilha-lo, como se isso fosse algo engraçado – acaba sendo uma composição que apenas irrita por ser fraca, e não pela ainda forçada intensão de transforma-la em inimiga de tudo e todos – mesmo que represente o lado inescrupuloso e manipulador dos empresários musicais. Tal enfoque raso também pode ser visto na inexpressiva participação do cantor pop Ed Sheeran, interpretando ele mesmo – de maneira bastante unidimensional, onde o roteiro o mostra como um cara bondoso demais – difícil engolir que um artista tão famoso como ele queira ajudar de livre e espontânea vontade (sem querer lucro) um anônimo que ele viu na TV – algo que soa forçado, mesmo que a natureza da trama seja concebida com uma certa “licença poética” – afinal, o tal “apagão” que tirou da memória da população as músicas dos Beatles não tem nenhuma explicação – e, creio eu, deixar isso sem explicar é uma boa decisão, a fim de cair em razões forçadas que não ajudariam em nada na intenção final do longa. O que nos traz ao alicerce principal do filme, que, mesmo sendo ingênuo, como disse lá no começo, ainda é capaz de fazer Yesterday ser um filme assistível e minimamente divertido: a relação entre Ellie e Jack, mostrando a transformação de uma grande amizade em paixão – sustentado aqui pelas atuações corretas dos dois atores – tirando o fato de conviverem juntos tão próximos e nada ter rolado, é convincente o sentimento que se cria entre os dois – a composição de Lily James para sua Ellie é adequada porque foge bem de caras de “perdidamente apaixonados” – o olhar da atriz, quando vê Jack, por exemplo, é de alguém que reprime seu sentimento – e, nesse aspecto, o Jack de Himesh Patel também acerta, ao não apelar para choros ou expressões exageradas – mesmo que o roteiro não saiba demonstrar vários traços da personalidade de Jack, como sua vontade ou paixão pela música, antes da fama; mas acerte em demonstrar sua frustração por ser taxado apenas de “funcionário do mercado” – ainda assim, o ator merece elogios pela maioria das músicas que canta – sim, ele cantou, não foi dublado – creio que apenas desliza quando interpreta a clássica “Help”, em um tom bem exagerado e querendo exprimir um óbvio sentimento de pedido de “socorro”, pela situação em que vai ficando. Mas, em contra partida, o diretor se sai muito bem em usar outras canções com funções especificas para a narrativa; o uso de “Back in the U.S.S.R” quando ele faz uma apresentação na Rússia; a forma como apresenta “Let It Be” para sua família; o modo como Ed Sheeran pensa em deixar mais pop o refrão de “Hey Jude” – representando a mudança cultural das gerações atuais; e, talvez o melhor momento do filme, quando Jack apresenta para seus amigos a canção que dá titulo ao filme – a emoção que Boyle transmite à cena é evidente na condução exata dos atores, onde eles transparecem a emoção pelo impacto da letra da canção – e, para o espectador, não deixa de ser curioso imaginar como se fosse a primeira vez que estivesse escutando esta obra-prima em formato de música – a letra da canção se encaixa de forma natural a história dos dois personagens principais – e a forma como Jack tenta se inspirar para continuar lembrando das letras das músicas (afinal, ele não tem nenhum lugar para ouvi-las, na realidade em que se encontra) é curiosa, especialmente para quem conhece a história da banda – como quando ele precisa ir até a rua “Penny Lane” ou quando visita o tumulo de Eleanor Rigby – o diretor também faz discretas amostras de como o mundo da música é diferente hoje, principalmente, nos bastidores – como quando os marqueteiros da gravadora de Jack consideram o álbum “White Album” como algo que induziria ao racismo – embora apresente falhas em sua construção, o roteiro se mostra respeitoso quando introduz mais três personagens no terceiro ato, para ressaltar o vazio cultural que sentiríamos sem os Beatles – sendo que em um deles, o resultado lembra um pouco a abordagem de Quentin Tarantino em Era Uma Vez... em Hollywood – em uma cena especifica que surpreende e pode emocionar os fãs. Enfim, Yesterday é um filme divertido e respeitoso ao legado da banda mais famosa de todos os tempos – mas, infelizmente, está bem longe da complexidade de pensamentos e sentimentos que Paul, John, George e Ringo transmitiram para o nosso mundo. Os Beatles, ao contrário do filme, tinham grandes ideias e sabiam transmiti-las da melhor forma possível – infelizmente, Danny Boyle expõe uma boa ideia com pouco brilho, se comparado com os garotos de Liverpool.
    Alvaro Triano
    Alvaro Triano

    Segui-los 57 seguidores Ler as 91 críticas deles

    5,0
    Enviada em 30 de agosto de 2019
    No embalo dos filmes musicais e cinebiografias de grandes artistas da música (Bohemian Rhapsody e Rocketman), "Yesterday", novo filme do grande diretor - de quem curto muito - Danny Boyle (Quem quer ser um milionário, Trainspotting, Extermínio, 127 horas, Cova Rasa) consegue ser totalmente inspirador e emotivo para os dias atuais. Assim como Bohemian Rhapsody, Yesterday tem em sua trilha uma das melhores bandas, se não a melhor, de todos os tempos (The Beatles) que transmite uma leveza, um certo clima agridoce ao enredo do longa, escrito por Richard Curtis, só o cara que dirigiu "Um lugar chamado Notting Hill", "Simplesmente Amor", e o melhor filme de romance dos últimos anos "Questão de Tempo". Essa dupla consegue entregar um filme gostoso, bem adocicado, aquele tipo de filme que você sai do cinema com uma vibe boa, feliz e cheio de amor. Tá certo que não se compara aos filmes do mestre John Carney (Apenas uma vez, Mesmo se nada der certo, Sing Street), um exímio diretor de filmes com temática musical, mas é muito bom. Apesar de ser um roteiro original, o longa sabe se beneficiar das músicas e usá-las a seu favor na narrativa. A trama conta a história de Jack Malik (Himesh Patel), um músico fracassado que ganha a vida com o trabalho em um supermercado e de pequenos shows em bares com o auxílio de Ellie Appleton (Lily James). Uma noite, ao retornar para casa, Jack é atropelado por um ônibus em meio a um apagão (Bug) que aconteceu no mundo inteiro. O acidente serve como um restart no planeta, onde ninguém mais lembra dos Beatles, apenas ele. A premissa é simples, mas bem desenvolvida com os recursos de Boyle, muitos ângulos inusitados, montagem magnífica e efeitos textuais ao longo da produção, fora o fato de ser elevado com canções magistrais como "I Want To Hold Your Hand", "Help!", "Let It Be", "Girl", "Hey Jude", "Strawberry Fields Forever", "All you need is love" e a linda música título "Yesterday". Yesterday é um dos melhores filmes que assisti nesse ano. Quem é fã da banda vai curtir, e quem não é vai adorar o romance fofinho. Apaixonante!
    Felipetaiar
    Felipetaiar

    Segui-los Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 5 de setembro de 2019
    Filme muito bom. Com boa interpretação por parte dos atores, roteiro muito bem escrito e com muito mais comédia do que eu esperava o filme ganhou meu coração e trouxe grandes versões na voz do protagonista.
    Bkoury
    Bkoury

    Segui-los Ler as 2 críticas deles

    2,0
    Enviada em 12 de setembro de 2019
    Ideia surreal mas, poderia ter sido melhor explorada. Falta total de "quimica" entre o par romântico do filme. Roteiro fraco. Só as músicas dos Beatles ainda permitem perder o tempo com esse filme. Veja se for fã ardoroso dos Beatles ou não ter nenhum outro filme para assistir.
    Kamila A.
    Kamila A.

    Segui-los 3341 seguidores Ler as 558 críticas deles

    4,0
    Enviada em 26 de setembro de 2019
    Yesterday, filme dirigido por Danny Boyle, se vale de um recurso narrativo já utilizado pelo cinema em obras como Sexta-Feira Muito Louca, dirigido por Mark Waters: quando temos um fenômeno raro sendo responsável por alterações significativas na vida das personagens. No caso do longa de Boyle, uma queda de energia a nível mundial faz com que Jack Malik (Himesh Patel) seja atropelado por um ônibus. Ao acordar, ele descobre que está vivendo em um mundo que não conhece os Beatles, nem as suas músicas e nem como eles revolucionaram a história do rock ‘n roll. O lado musical é importante para Yesterday, pois Jack é um músico amador, que, no momento anterior ao do acidente, tinha acabado por decidir pela desistência de sua carreira, pois não via possibilidades de sair da rotina de apresentações em locais pequenos. Quando ele se depara com um mundo sem Beatles, ele toma para si a missão de apresentar essas canções para as pessoas, de forma a que elas se tornassem conhecidas e pudessem ocasionar as transformações vistas no mundo “normal”. Em meio ao turbilhão em que se transforma a vida de Jack Malik, o roteiro escrito por Richard Curtis encontra tempo também para trabalhar as questões éticas que envolvem a apropriação de uma obra tão consolidada quanto a dos Beatles por uma outra pessoa (e se alguém descobrisse que Jack é uma farsa?), bem como os conflitos pessoais da personagem, que envolvem principalmente uma relação mal resolvida com sua melhor amiga e ex-empresária, Ellie Appleton (Lily James). Se pudéssemos definir Yesterday com uma expressão, diríamos que este é o chamado feel good movie, aquela obra leve, descompromissada e que tem o simples objetivo de entreter e de fazer com que, durante aqueles minutos e horas, você se abstraia um pouco da realidade em que vive. O filme tem um senso de humor muito agradável, cenas deliciosas e se apoia, acertadamente, no carisma de Himesh Patel, que está perfeito em toda a montanha russa emocional pela qual Jack Malik passa no decorrer da obra.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top