Meu AdoroCinema
A Teoria de Tudo
Críticas AdoroCinema
4,5
Ótimo
A Teoria de Tudo

Sem muletas

por Renato Hermsdorff
Assim como O Jogo da Imitação, A Teoria de Tudo é a cinebiografia de um gênio cientista britânico que não teve uma vida fácil (no caso, o físico Stephen Hawking). Da mesma forma, o(s) filme(s) traz(em) elementos que costumam agradar as academias responsáveis pelas premiações. A ver: baseia-se de uma história real (Capote, Erin Brockovich - Uma Mulher de Talento); o retratado é do tipo “problemático” (o fator “não teve uma vida fácil”, sabe?, como Uma Lição de Amor, Meu Pé Esquerdo); um papel que exige uma transformação física do ator protagonista (Clube de Compras Dallas, Monster - Desejo Assassino); deixar correr, em paralelo, as histórias profissional e amorosa do personagem central (Pollock, Forrest Gump - O Contador de Histórias).

A Teoria de Tudo - FotoO problema é que seguir uma determinada cartilha, na maioria das vezes, resulta em uma produção burocrática (Uma Mente Brilhante, O Discurso do Rei). Mas, diferente de O Jogo da Imitação, esse não é o caso deste A Teoria de Tudo.

O filme narra a vida do cientista Stephen Hawking, responsável pela teoria sobre buracos negros e portador de esclerose lateral amiotrófica, que o confinou a uma cadeira de rodas e a uma expectativa de vida de dois anos, quando ainda era jovem. Pois o ator Eddie Redmayne (Os Miseráveis) está absolutamente impecável no papel do protagonista. Ele passa a maior parte do filme mudo, por conta da evolução da doença do personagem, mas adota um repertório de trejeitos e postura (a maneira como ele - não - sustenta o ombro torto, por exemplo) incrivelmente semelhantes aos de Hawking – o resultado é um registro quase que documental sobre o biografado.
 
A Teoria de Tudo - FotoJames Marsh (vencedor do Oscar de melhor documentário com O Equilibrista) soube aproveitar com sensibilidade o extenso material da vida do estudioso, baseado nas memórias da própria (primeira) esposa de Stephen Hawking, Jane Hawking – interpretada com sutileza por Felicity Jones (O Espetacular Homem-Aranha 2 - A Ameaça de Electro), que passa da excitação do início da relação ao visível cansaço (humano) decorrente dos cuidados com o marido.

O roteiro (de Anthony McCarten) tinha tudo para ser um dramalhão daqueles (afinal, estamos falando de Hollywood), mas se converte em um retrato que, para além de fiel, é poético e (surpresa!) bem-humorado. Ao mesmo tempo em que A Teoria de Tudo é apresentando com leveza, o filme também não foge de polêmicas que poderiam chocar a audiência mais conservadora, a principal delas envolvendo um triângulo amoroso. Em um dado momento, um terceiro elemento, Jonathan Hellyer Jones (Charlie Cox) entra para a vida do casal. Cada um dos personagens tem consciência das suas limitações e, por isso, a iminente mudança na relação é abordada de maneira natural e madura. Não deixa de ser arriscado (afinal, estamos falando de Hollywood).

A Teoria de Tudo - FotoA fotografia de Benoît Delhomme também chama a atenção: é exuberante, com destaque para a cena do “baile de maio”, quando Stephen joga todo seu charme para Jane, sob as luzes de um carrossel e, em seguida, de fogos de artifício; ou no filtro usado para dar uma cara de caseiro para as cenas do casamento dos dois.

É bem verdade que o contexto geral da trama que envolve as descobertas profissionais – bem como o conhecido ateísmo de Hawking – é deixado de lado para privilegiar a história de amor do casal. Mas é uma opção que, como tal, foi bem executada. E sem a necessidade de muletas (ou cadeira de rodas).

Filme visto no 39º Festival Internacional de Cinema de Toronto, em setembro de 2014.
Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

  • bjames

    Tô ansiosa para ver, e essa crítica me animou, deve ser mto bom mesmo!

  • Ericka O.

    Filme sensacional!!!

  • Vieira N.

    Achei o filme maravilho. Uma bela história de vida! Lindo, inspirador.
    Afinal, ela traiu ou não ele naquele acampamento? Isso ficou muito subjetivo no filme.

  • J?ssica S.

    Simplesmente amei!

  • crismika

    SENSACIONAL... O que mais dizer sobre um filme que tinha tudo para ser um dramalhão piegas, mas com a impecável atuação de Eddie Redmayne, que levou a estatueta de melhor ator no Oscar, atuando através de gestos e olhares, passando toda mensagem do filme e ainda por cima com toques bem-humorados. No mais, o roteiro muito bem escrito e amarrado juntamente com uma fotografia excelente deixa um filme gostoso de se ver, podendo-se captar a pura mensagem de uma vida cheia de desencantos. A TEORIA DE TUDO nos leva a vida de Stephen Hawking ao longo de 2 horas de forma sensível, tocante e com imagens que não saem da nossa cabeça.
    Destaque também para Felicity Jones que atua brilhantemente e nos mostra o cansaço de segurar tudo sozinha com os cuidados com o marido e a criação dos filhos, sem ter tempo para si mesma. SUPER RECOMENDADO A QUALQUER PESSOA QUE GOSTA DA ARTE DO CINEMA.

Mostrar comentários
Back to Top