Meu AdoroCinema
A Grande Beleza
Sessões Vídeos Créditos Críticas dos usuários Críticas da imprensa Críticas do AdoroCinema Fotos
Filmes Online Curiosidades Bilheterias Filmes similares Notícias
Críticas AdoroCinema
5,0 Obra-prima
A Grande Beleza

Uma absurda e boa viagem

por Roberto Cunha

"Viajar é util, exercita a imaginação. [...] Aliás, à primeira vista todos podem fazer o mesmo. Basta fechar os olhos. É do outro lado da vida." É assim, citando um pequeno trecho de "Viagem ao Fim da Noite", do escritor maldito Louis-Ferdinand Céline, que A Grande Beleza começa, entregando ao espectador um passaporte especial para um cinema provocante, divertido e de grande impacto visual. Tanto, que as linhas a seguir serão poucas, mas (tomara) suficientes para dar um norte ao leitor.

A Grande Beleza - FotoLogo nos primeiros minutos, com um canto gregoriano ao fundo, o espectador passeia com a câmera (e olhos) pela beleza de um lugar, e se "integra" um grupo de turistas. Você está em Roma e, curiosamente, um turista desgarrado, desmaia, depois de fazer um registro fotográfico da bela paisagem. Metáfora para um deslumbre? Sem perder tempo, a música religiosa dá lugar para a batida eletrônica de uma balada. Celebridades (instantâneas ou não) e interesseiros fazem parte da fauna presente na festa estranha com gente esquisita, proporcionada por Jep (um ótimo Toni Servillo), escritor refém de um único sucesso e, agora, vivendo de fazer entrevistas fúteis para sua editora anã. Estranho? Esse é apenas um aperitivo do que está por vir nessa produção, que flerta sem vergonha - e com atualidade - pelo universo de Federico Fellini, não só confrontando realidade e fantasia, mas inserindo as bizarrices tão familiares ao cineasta de A Doce Vida, entre outros títulos igualmente cultuados.

A Grande Beleza - FotoO protagonista é rico, bem sucedido, não é feliz com sua escolha e, incrível, a descoberta de que não deve perder tempo fazendo coisas que não quer, veio somente aos 65 anos. É quando sua frieza inicial vai sumindo, potencializando a capacidade de envolver você naquela história, a partir das constantes observações e intervenções, que ele faz nas pessoas que o rodeiam. A visão de dois jovens apaixonados e a lembrança de uma antiga paixão, por exemplo, acendem o estopim para uma série de momentos de reflexão (e provocação), que o roteiro vai destilando. Escrito e dirigido pelo cineasta Paolo Sorrentino, o sarcasmo é constante e não sobra pedra sobre pedra. Da religião à literatura, passando pelas artes, a afirmativa é de que a beleza não é tudo e a verdade sucumbe a ilusão. A sociedade (não só a italiana) é massacrada por críticas ácidas, detonando o culto ao belo, explorando os estereótipos e desafiando a intelectualidade, ao mostrar uma pintura, fruto da ira infantil, ser condiderada obra de arte. No filme cheio de imagens pra lá de interessantes, os diálogos também são muitos, intensos e deliciosos. E a própria cidade homenageada não é perdoada, quando alguém diz que o melhor de Roma são os turistas, enquanto outro complementa que a Itália "existe" para o mundo por causa da moda e da pizza.

A Grande Beleza - FotoCitando Dostoiévski, Breton e Flaubert, entre outros autores, o conflito de ser ou "continuar sendo" percorre toda a obra até o último segundo, rendendo muitas curiosidades. Entre elas, carreiras de cocaína no céu ou um mar no teto de um quarto, se revezam com o naufrágio do Concordia, Fanny Ardant solitária na noite ou ainda o agressivo merchandising de Martini. Seria esse último um paralelo (crítico, bem humorado e remunerado) com o mesmo Fellini, que fez publicidade de Campari no passado? Premiado e com várias indicações, entre elas uma eventual participação no Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, se A Grande Beleza tem um defeito, ser menor o tornaria ainda melhor. Mas em uma obra que vai fundo na desilusão, seria ilusão alguém imaginar que isso o torna "menor" na qualidade. É filme com conteúdo contundente no verbo e na imagem (do premiado Luca Bigazzi), brindando o pessoal da poltrona com um cinema raro, mas ao mesmo tempo fácil de entender, bem longe das propostas cabeçudas demais, que insistem em não dialogar com o público. Imperdível.

Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

  • Murilo V.

    O melhor filme que assisti nesse ano, melhor até que 12 Anos de Escravidão.

  • Renata A.

    O título remete a todo o filme, pois a única coisa que vale a pena são as belas paisagens e locais de gravação, no mais o filme tem conteúdo desconectado, personagens que entram e saem sem função ou explicação, enfim, mesmo que assista sem nenhuma pretensão o que vai ver é só beleza e beleza, nenhuma discussão.

Mostrar comentários