Meu AdoroCinema
    O Físico
    Críticas AdoroCinema
    1,5
    Ruim
    O Físico

    Nas trevas

    por Francisco Russo
    Existe uma polêmica acerca de O Físico, que passa ao largo da qualidade do filme: a tradução brasileira de seu título original. The Physician, o título original, seria O Médico ao ser traduzido para o português. Entretanto, é este também o título do livro de Noah Gordon no Brasil, o que levanta a questão da fidelidade ao material original. Mais ainda: há quem defenda esta tradução, já que na época apresentada pela história não existiam médicos de fato e as pessoas que se dedicavam a cuidar das doenças eram, na verdade, chamadas de physicist, ou seja, físico. Questões linguísticas a parte, fato é que o longa-metragem dirigido por Philipp Stölzl traz uma interessante abordagem sobre um tema pouco visto nas telas de cinema, mas que fracassa devido aos exageros e clichês presentes no decorrer da trama.

    O Físico - FotoO início de O Físico até anima. Em plena Inglaterra do século XI, os poucos que se dedicam à arte da cura enfrentam as mais diversas dificuldades, seja pelo desconhecimento do próprio corpo humano ou pela crendice da população acerca de seus remédios e métodos. Este cenário, típico da Idade das Trevas, reflete bem o momento em que a igreja detinha tanto poder na vida das pessoas que prejudicava a própria evolução da sociedade, já que aqueles que abriam e dissecavam corpos humanos eram considerados hereges e condenados à morte. Este trecho, que dura em torno de 20 minutos, chama a atenção justamente pelo tom realista e até histórico, bem caracterizado e atuado. O problema vem logo a seguir.

    Como o personagem principal, Rob Cole (Tom Payne, burocrático), deseja aprender mais sobre a (quase inexistente) medicina, ele topa viajar para o outro lado do mundo conhecido, a Pérsia, onde pode estudar com um consagrado médico chamado Ibn Sina (Ben Kingsley, apático e se repetindo em mais um personagem asiático), que fazia algo revolucionário: cuidar de um hospital. É a partir de então que o filme passa a apelar para todo tipo de clichê dramatúrgico: apresenta as dificuldades da travessia, cria um triângulo amoroso mal desenvolvido, traz colegas de turma que logo batem de frente com o novato bem intencionado, um xá bem egoísta e arrogante e ainda uma doença perigosa à espreita, a peste negra. Quer mais? Rob ainda tem o poder de antever quando as pessoas estão prestes a morrer, o que lhe dá a oportunidade de tentar desvendar a enfermidade antes que ela seja fatal – um dom que o dr. House adoraria ter em mãos.

    O Físico - FotoDiante de tantos estereótipos, não há qualidade que resista. Ainda mais quando a representação da Pérsia é tão pobre visualmente, especialmente a direção de arte, o que alimenta ainda mais a sensação constante de filme B. Isto sem falar de certos diálogos sofríveis e dos cortes abruptos presentes no longa-metragem, decorrentes da diminuição da duração do filme em 36 minutos pela distribuidora brasileira. É fácil notar de onde tais cenas foram retiradas, especialmente no período em que a travessia rumo à Pérsia é apresentado – há um grande salto entre a saída de Londres e a chegada ao Egito.

    Ao optar pela história fácil do triângulo amoroso em detrimento de uma possível crítica ao ideal reinante que impedia uma maior investigação sobre o corpo humano, e consequentemente o aprofundamento do conhecimento, O Físico se apequena bastante e fica bem longe do que seu início insinuava. Ainda mais porque teima em deixar de lado o fundo realista para investir em um lado metafísico, como se Rob fosse um mutante com poderes que o ajuda a seguir seu dom natural em curar as pessoas. Soou piegas? É por aí mesmo.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Elton Luz
      O filme pode ser ate um bom filme se for pra ver com a famíla (pré adolescentes) numa domingueira. Longe de estar ao nível do livro... uma pena! Fiquei tão decepcionado, quase nem consegui ver até o fim, que por sinal ficou bem ao novel do filme.
    • Elton Luz
      Obrigado pela dica!
    • Eric Colares
      Se alguém gostou desse livro, procure ler O Décimo Primeiro Mandamento. Foi escrito por um médico, Abraham Verghese. Cia das Letras. Você não vai querer que o livro acabe.Daria um filme e tanto...
    • Leandro Tavares Pagan
      Então deve ser bom né?!
    • Rogério Moraes
      Eu queria achar um filme que conta a história de um rapaz que era estudante de medicina e inventou uma história e acabou ficando noivo de uma moça muçulmana... parecia ser um filme bom, mas não lembro o nome
    • Rogério Moraes
      Eu gostei do filme recomendo.
    • Braulino Sabino Do Amparo Neto
      Sem contar, que o filme relata a história de Simbad, acontecida quase 700 anos depois.Realmente, perdi meu tempo vendo esse filme.
    • Braulino Sabino Do Amparo Neto
      Sem contar, que o filme relatya a história de Simbad, acontecida quase 700 anos depois.Realmente, perdi meu tempo vendo esse filme.
    • Charles Lyell
      Você se chama Adauto e diz obrigada? Hum, sei não.
    • Carlos Mello
      Também achei ótimo.Vi um “entendido” dizer que não é igual ao livro. Logico que não é, pois é um filme.É a mesma coisa que dizer que o livro não é igual ao filme, ou seja, dizem NADA.Pois se gosta do livro que o leia e pronto.O filme é ótimo, esse espaço do “adorocinema” devia pegar “críticos” mais bem preparados.
    • Carlos Mello
      Só que não gosta do termo idade das trevas são os ainda existentes seres que acreditam em crendices religiosas em pleno século 21 e os monarquistas. Sim ainda existem bobos da corte em pleno seculo 21.E também os igualmente atrasado “professores esquerdistas” que na verdade nunca foram professores e sim ativistas da escória da humanidade.
    • Carlos Mello
      Comentário nota 10.
    Mostrar comentários
    Back to Top