Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Trinta
    Críticas AdoroCinema
    4,0
    Muito bom
    Trinta

    Joãosinho Trinta: Origens

    por Renato Hermsdorff

    Diferente de cinebiografias extensas que tencionam traçar o retrato de uma personalidade do (quase) nascimento à (quase) morte e acabam por dispersar o espectador, Trinta toma a parte pelo todo.

    Trinta - FotoA ambição do filme de Paulo Machline (Natimorto) é de outra ordem: mostrar quem é Joãosinho Trinta (a imagem que temos do carnavalesco) a partir de quem foi Joãosinho Trinta (o homem antes do mito). E esse é um dos grandes méritos do filme.

    A produção acompanha o protagonista (vivido por Matheus Nachtergaele) dos anos 1960, quando se muda do Maranhão para o Rio de Janeiro a fim de se tornar bailarino do Theatro Municipal (fato que poucas pessoas conhecem, aliás); até 1974, ano em que ele assume o posto de carnavalesco da Acadêmicos do Salgueiro, tradicional escola de samba do carnaval carioca.

    E daí o filme desfila passando ao largo do lugar comum. A começar pelo recorte no tempo, que exclui a apresentação da agremiação Beija-Flor de 1989, a mais famosa do carnavalesco (vencedor daquele anos com o enredo “Ratos e Urubus, Larguem a Minha Fantasia” – com a imagem do Cristo como mendigo censurada pela Igreja Católica).

    Trinta - FotoAlém disso, Nachtergaele não mimetiza o artista, e/mas constrói uma imagem própria bem convincente.

    E, como estamos falando ainda do erudito João Clemente Jorge Trinta, você vai ouvir mais música clássica do que samba no cinema. Não há como negar a ousadia dessas escolhas de Trinta.

    Há alguns artifícios de roteiro que fazem o filme perder alguns pontos. O Tião (Milhem Cortaz), por exemplo, é um personagem fictício construído claramente para ser o vilão da história. Falta sutileza. Algumas passagens são artificiais.


    Mas, no conjunto, interpretações, direção, roteiro e ambientação (cenografia, figurino, maquiagem) passam em bela harmonia em Trinta. Culminando em um final apoteótico.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Luiz Oliveira
      a apresentação mais famosa do grande artista foi a sua primeira vitória pela beija-flor ... . em 89, mesmo sendo erudito ... esqueceu que o Cristo tem dono - é a Igreja Católica; o Cristo é uma capela da Igreja Católica e não podia ser usado como alegoria. acho que o comentarista puxou este assunto para ofender a Igreja num momento totalmente fora de oportunidade. melhor desfile do João não teve a ver com urubus e bobagens não.
    Mostrar comentários
    Back to Top