Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Renascida do Inferno
    Críticas AdoroCinema
    2,5
    Regular
    Renascida do Inferno

    Com religião e ciência não se brinca

    por Bruno Carmelo

    Um grupo de pesquisadores coordena um projeto ambicioso, buscando ressuscitar pessoas logo após a morte. Espera-se que um experimento deste nível seja efetuado por grandes cientistas, em um laboratório equipado, mas no caso deste filme de terror, o grupo é composto por quatro jovens, visivelmente amadores e imaturos, que passam o dia presos em um micro laboratório enquanto fumam, bebem, fazem piadas e deixam uma adolescente anônima entrar no local e filmar os testes secretos. Logo, o grupo cria um soro milagroso, capaz de trazer animais de volta à vida.


    Renascida do Inferno - FotoOu seja, o ponto de partida de Renascida do Inferno não é nada plausível. Apesar da premissa forçada, o começo da história tem os seus méritos: o principal deles é a discussão sobre os pontos de vista da ciência e da religião no que diz respeito à morte. Frank (Mark Duplass) e Zoe (Olivia Wilde) formam um casal exemplar neste sentido: ele é cético e racional, ela acredita que a ciência não é incompatível com o conceito de alma. Felizmente, nenhum deles é particularmente malvado ou arrogante, ou seja, a trama consegue tratar os dois pontos de vista como complementares.

     

    Começam então diversos experimentos para ressuscitar porcos e cachorros. Esta ideia já foi retratada em muitos filmes, e o roteiro tem consciência disso, fazendo referências explícitas a outras obras como Cujo (1983) e Frankenstein (1931). A trama encontra uma maneira de transpor a experiência em animais à experiência em humanos, construindo progressivamente o clima de tensão decorrente do perigo de se “brincar de Deus”. O suspense também é ajudado pela unidade de espaço: a trama se concentra quase unicamente dentro do laboratório, permitindo ao espectador conhecer o ambiente e construir a importante sensação de confinamento.

     

    Renascida do Inferno - FotoQuando Zoe é ressuscitada, e passa a ter comportamentos estranhos, o filme se perde completamente. Não seria justo cobrar inovação de cada história de terror, mas espera-se um mínimo de coerência. Ora, Renascida do Inferno não sabe muito bem quais poderes a garota morta-viva passa a desenvolver: primeiro ela é capaz de ouvir pensamentos alheios, depois projeta os seus sonhos nas cabeças dos outros, em seguida torna-se hiper sexualizada, levita, desaparece, controla objetos com a força do pensamento...

     

    O roteiro é incapaz de dizer se Zoe está possuída, ou se as consequências são científicas, devido à injeção do soro inapropriado a humanos. A discussão fé x ciência perde-se em uma soma desastrada das duas: Zoe torna-se uma vilã onipresente e onipotente, uma combinação inesperada de Frankenstein, Carrie, a Estranha, a sexualizada Nell (O Último Exorcismo – Parte II) e uma porção de super-heróis e super-vilões que invadiram o cinema ultimamente. Tudo vale na hora de possuir Zoe: poderes da mente, poderes do corpo, erros da ciência e castigo divino. O diretor David Gelb opera na lógica do excesso, trocando a coesão da história pelo acúmulo de sustos.

     

    Renascida do Inferno - FotoDe fato, o diretor insiste em todos os lugares comuns do gênero: laboratórios inexplicavelmente escuros, eletricidade que para de funcionar em momentos de tensão, efeitos sonoros baratos para criar surpresa, personagens que chegam por trás dos colegas para aplicar sustos. Os símbolos também são evidentes: fogo representando o inferno, traumas de infância para justificar a personalidade da protagonista, bonecas como metáfora da infância perdida. Rumo ao final, a montagem se acelera, as mortes se sucedem, e a trama vira uma verdadeira confusão, transitando entre filme de cientistas loucos, filme de possessão, filme de espionagem...

     

    O elenco se esforça para conferir credibilidade à história, mas a direção de Gelb e a direção de arte não contribuem para a empreitada. Renascida do Inferno é um filme enxuto, com noção de ritmo e de progressão, mas munido de um roteiro preguiçoso e ilógico. Quando os espectadores não conseguem acreditar ou se identificar com os personagens, fica difícil torcer por eles, ou temer por suas vidas.

    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Túlio Franzini Carrara
      eu achei que a zoe não voltou por completo ,também acho que seu cérebro depois da morte foi capaz de usar 100% de sua capacidade foi por isso talvez foi capaz de usar poderes telecinéticos e sua alma ,aquela menina foi seu pecado e ela voltou do inferno sofrendo tudo,mas a menina ficou presa aquilo ,o que voltou não foi zoe ,mas sim a teoria de um trauma que se transformou em seu pecado ,então assim o inferno ,não tem explicação esse filme ,é uma confusão impossível de entender ,mas me arrepiei muito com essa história ,o diretor acho que quis criar algo enigmatico mesmo , mas realista ,uma grande psicose, achei um bom filme bem intrigante e amedrontador ,pois ciencia e religião se misturam num paradoxo existencial ,emfim não vai ter continuação, ou vai n sei mas acho q se houver vai demorar anos luz pra sair é muita coisa pra processar e simplesmente indecifrável....assim como a morte ,então explicar a morte? impossivel....
    Mostrar comentários
    Back to Top