Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Frozen - Uma Aventura Congelante
    Média
    4,6
    5839 notas e 348 críticas
    distribuição de 348 críticas por nota
    199 críticas
    86 críticas
    38 críticas
    20 críticas
    2 críticas
    3 críticas
    Você assistiu Frozen - Uma Aventura Congelante ?

    348 críticas do leitor

    Natália M.
    Natália M.

    Segui-los 15 seguidores Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 8 de janeiro de 2014
    Desde o lançamento de A Princesa e o Sapo (2009), é possível perceber de forma clara uma alteração que vem acontecendo gradualmente no perfil das princesas Disney. Cada vez mais elas abandonam o padrão de moças inocentes que sofrem por ações dos antagonistas dos filmes e são ajudadas por fadas e/ou animais até que estejam plenamente felizes e casadas com príncipes e ganham cada vez mais personalidade e autonomia. As princesas ganham voz e fazem suas próprias escolhas ao invés de simplesmente serem submetidas aos poderes de feitiços bons e maus ou à acontecimentos do acaso. Passando por esta evolução, tivemos Enrolados (que estreou no Brasil em 2011) e Valente (2012) e finalmente chagamos a Frozen. Frozen valeria a pena ser visto simplesmente pela estética primorosa, mas, além disso, nos mostra duas princesas simplesmente fantásticas. Anna, a irmã mais nova, é divertida, alegre, as vezes boba, desastrada e frívola mas no fundo cultiva um grande amor pela irmã mais velha, por quem se sente abandonada e se angustia por não compreender a retirada súbita do afeto que a irmã mais velha nutria por ela quando eram crianças pequenas. Como toda jovem princesa, Anna sonha em conhecer um príncipe, apaixonar-se e casar, mas durante o desenvolvimento do filme ela acaba descobrindo que não é exatamente assim que as coisas funcionam. Elsa, a irmã mais velha, realmente encanta por sua complexidade. Nascida com poderes muito especiais, ela se vê obrigada e escondê-los e, consequentemente, esconder-se de tudo e de todos após um acidente ocorrido na infância. Seus poderes, apesar de belos, podem ser muito perigosos se não forem precisamente controlados. Assim como Anna, passamos parte do filme ser saber o que realmente acontece com Elsa. Só começamos a descobrir melhor a personagem a partir do momento de sua coroação como rainha de Arendelle (o reino onde vivem). Elsa, após tanto tempo isolada de tudo, por vezes vê seus poderes como uma desgraça e apresenta sentimentos e pensamentos confusos e contraditórios apesar da calma e do autocontrole que aparenta ter. Após uma breve discussão com Anna, Elsa acaba provocando um novo acidente por conta de seus poderes; desesperada, completamente perdida e sem saber o que fazer, Elsa foge. A partir daí, ela passa por um processo de autodescoberta bastante complexo, em busca não somente do controle e seus poderes, mas também do controle de suas emoções e sentimentos. Outros personagens que também merecem destaque são Olaf, um boneco de neve criado por Elsa, e Kristoff, um camponês que vive nas montanhas e ganha a vida vendendo gelo. Olaf é um presente para os espectadores; mostra a todos que um personagem pode ser divertido sem ser necessariamente irritante ou idiota: sua graça está exatamente em sua pureza. Já Kristoff, que de uma maneira simples e sem exibicionismos não mede esforços para ajudar Anna a encontrar a irmã, acaba tendo papel fundamental no desenrolar da história. Apenas acredito que a história pessoal de Kristoff poderia ter sido mais bem desenvolvida durante o filme. O filme conta ainda com uma trilha sonora repleta de canções. Para quem não gosta de músicas no meio do filme, isso pode ser um tanto inconveniente. No entanto, não acredito que isso interfira no bom andamento do filme, pelo contrário, seria impossível compreender satisfatoriamente os personagens e o que se passa com eles sem as canções. São especialmente importantes para o enredo as canções "Quer brincar na neve?" e "Livre Estou". Um filme realmente encantador!
    Bruno K.
    Bruno K.

    Segui-los 18 seguidores Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 10 de janeiro de 2014
    Disney voltou as Raizes Longa Músical com uma historia envolvente, eu considero o melhor desenho desde Mulan
    alberlia
    alberlia

    Segui-los 10 seguidores Ler as 70 críticas deles

    5,0
    Enviada em 28 de dezembro de 2013
    Filme excepcional. Fala do lindo amor entre duas irmãs. Ri muito, mas também me emocionei. Maravilhoso.
    Mario Lojo
    Mario Lojo

    Segui-los 1 seguidor Ler as 5 críticas deles

    4,5
    Enviada em 26 de janeiro de 2014
    Foi o melhor das férias escolares. A Disney recuperou nesse filme a magia dos clássicos. Sucesso garantido com as crianças.
    Jaynne P.
    Jaynne P.

    Segui-los 1 seguidor Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 27 de dezembro de 2013
    Filme simplesmente perfeito, a história se desenrola rápido e o final é surpreendente, espetacular,pois spoiler: foge do clichê que o mocinho beija a mocinha e tem aquele romance chato, nesse filme não, mostra o amor de duas irmãs ao invés de romance! , além da trilha sonora ser perfeita, amei a música "let it go"tanto que já ouvi umas 10 vezes hehehe conclusão: se você quer um filme cheio de surpresas, que tem drama, ação, suspense e humor, esse é o filme certo, com certeza!
    Estevan Magno
    Estevan Magno

    Segui-los 578 seguidores Ler as 490 críticas deles

    4,0
    Enviada em 28 de julho de 2014
    O clima congelante do filme e o ar condicionado do cinema fazem com que esse filme seja em 4D. A animação é realmente uma aventura congelante, assim como outros sucessos no gelo; Happy Feet e Expresso Polar. E Frozen além de contar com um desenho muito bem feito e lindíssimo, conta também com uma gama de produtores de sucesso, as expressões das personagens nos lembram muito Detona Ralph e Enrolados, principalmente os lindos olhos. Nessa aventura muito aguardada, duas princesas do reino de Arendel vivem separadas desde um grave incidente na neve, não se conhecem e nem tem a oportunidade de crescerem juntas. Apenas quando Elsa (a irmã mais velha) será coroada rainha, Anna (a mais nova) tem o prazer de sua companhia, e no baile a revelação de que Elsa é capaz de congelar tudo, e de fazer nevar, deixa a todos do reino preocupados, e a rainha foge para as montanhas; é no clima de descoberta e apreensão que Anna vai em busca de sua irmã nas montanhas congeladas. Nesse meio tempo, as personagens mais empolgantes do filme entram em cena, Sven, Christoph e o divertidíssimo boneco de neve Olaf (destaque para a dublagem memorável de estreia de Fabio Porchat). Com muito humor e emoção essa aventura vai congelar o coração de muita gente, mas também pode abrasar um coração angustiado. Com um final arrebatador e com uma surpresa para muitos que pensam que amor, é só entre namorados e apaixonados, o filme além de lição é alegria. E para um gran finale temos a música indicada ao Oscar de 2014 (Melhor Canção Original), "Let It Go" muito bem composta por Robert Lopez (lindo trabalho também em Winnie The Poo) e Kristen Lopez. Frozen além de uma aventura é um conforto de que os Clássicos Disney podem estar de volta, e merecidamente (indicada á inúmeros prêmios de Melhor Animação no ano de 2014) com esta linda e gelada animação.
    Heber W.
    Heber W.

    Segui-los 22 seguidores Ler as 7 críticas deles

    4,5
    Enviada em 13 de fevereiro de 2014
    Ainda não assisti mais me parece muito bom, mais tem uma personagem que em varias partes do trailer ela me lembrou a rapunzel pela aparencia e pelo jeito de recomendo
    Pedro D.
    Pedro D.

    Segui-los 26 seguidores Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 6 de janeiro de 2014
    Grandes obras acabam criando uma mitologia própria. Isso é inegável. Com as dos Estúdios Disney não poderia ter sido diferente, sendo o seu principal mito aquele envolvendo as Princesas, criaturas jovens, belas, adoráveis, amorosas, aventureiras e verdadeiros poços de virtude, normalmente incomodadas com o status quo que ocupam, buscando o novo, normalmente apresentado na figura de um Príncipe Encantado que a compreende. Esse foi o mito basilar, a primeira pedra que levaram o velho Walt Disney a criar o primeiro longa de animação com Branca de Neve, e, no início da década de 1990, reassumir o trono de grande estúdio de animação com a chamada "Disney Renaissance", cuja Magnum Opus foi outro filme com a mesma temática, A Bela e a Fera. Ora, tal mito ,por raras vezes, nos mais de 70 anos de produção de longas dos estúdios, chegou a sofrer modificações em suas estruturas. No já citado a Bela e a Fera temos a construção de um relacionamento amoroso substituindo a paixão a primeira vista; no recente e excelente A Princesa e o Sapo o virtuoso Príncipe é substituído por um boêmio irresponsável. Outras modificações pontuais surgiram aqui e acolá, mas o cerne, a estrutura, se manteve inalterada: por mais aventureira e valente que fosse a personagem principal sua contraparte romântica e perfeita sempre a salvava e levava ao "e foram felizes até agora". Até agora. Coube a Frozen revisar o mito. Ao narrar a historia das princesas Elsa, portadora do poder de controlar o gelo e a neve, extremamente insegura devido ao mal que tal dom (ou maldição) podem trazer; e sua irmã Anna, uma personagem com todos os traços clássicos e românticos do gênero; a película flerta com o clichê para que, ao fim, este seja desconstruído. Anna quer tudo que todas as princesas deseja: viver uma vida recheada de aventuras e, claro um grande amor. Porém, seu romantismo e inocência exacerbados podem ser também sua maior falha. Além disso ela não deixa de ser corajosa e proativa, tomando para si a missão de encontrar sua irmã e reverter o feitiço que colocou o reino sob o gelo eterno. Já Elsa se torna talvez a personagem feminina mais complexa do universo Disney, acreditando que a solidão é o único caminho para ser quem realmente é, sendo uma mistura de medos e de uma criação super-protetora e fria desenvolvida por seus pais. Ou seja, uma princesa (ou rainha) que não se encaixa no clássico arquétipo perpetuado nas obras do estúdio de animação. No mais, a ação se desenvolve sem a presença de um personagem masculino extremamente forte ou marcante, cabendo aos homens da película, inclusive, um antagonismo , salvo no que tange ao protagonista Kristoff, que, mesmo assim, salvo no ultimo ato de filme, pouco se aproxima dos padrões clássicos do herói disneyano. Nesse ínterim, vários elementos clássicos dos contos de fada acabam por ser desvirtuados: o amor a primeira vista vira piada, o a dependência frente aos homens, anulada; e até mesmo o ato de amor verdadeiro, talvez o maior clichê do gênero, não acaba sendo aquilo que todos esperavam. Por momentos a trama se aproxima a do primeiro Shrek, que ridicularizou os contos de fada, dando um passo a mais em suas conclusões. No entanto, não perde o filme elementos clássicos da obra do estúdio, o que o torna ainda melhor. É o retorno da Disney ao musical, com músicas de primeira linha, comparáveis a grandes clássicos, como Rei Leão. Do You Want to Build a Snowman e Let It Go são incluídas em contextos lindíssimos e exemplificam a beleza do trabalho musical da obra. Personagens secundários com grande carisma, como o boneco de neve mágico Olaf e a rena Sven, roubam muitas vezes a cena e engrandecem a obra. Além disso, a história continua com tons edificantes, recheada de metáforas e excelentes lições de moral. Por fim o apuro técnico na animação garantem um visual arrebatador e belíssimo, com predominância do branco e cinza da neve e do gelo em uma verdadeiro espetáculo. A cena inicial do filme nos faz esquecee que se trata de uma animação; o numero musical solo de Elsa que representa sua libertação é pura poesia visual. Disney mais uma vez demonstrou seu imenso potencial para se reinventar. Ao questionar sua base filosófica mais forte e, ao mesmo tempo mais rentável, os diretores Jennifer Lee e Chris Buck acabaram por criar uma obra prima da animação; um clássico instantâneo por sua bela e edificante mensagem e uma ruptura com o antigo em vários outros elementos. Se o estúdio vai continuar essa nova e progressista linha dramática, não se pode saber. Mas que um marco foi criado isso sim. Um novo Magnum opus surgiu, frio em tese, um banho quente para os sentidos e o coração.
    Matthew McConaughey
    Matthew McConaughey

    Segui-los 10 seguidores Ler as 10 críticas deles

    5,0
    Enviada em 7 de janeiro de 2014
    Filme com Roteiro magnífico, personagens extremamente que combina com o filme. Parabéns Disney, evoluiu muito e pra MELHOR!
    Sofia G.
    Sofia G.

    Segui-los Ler as 6 críticas deles

    3,0
    Enviada em 4 de janeiro de 2015
    Eh legalzinho, mas a Disney ja fez filmes muuuito melhores!!! Músicas que ficam na cabeça e são impossíveis de tirar, cuidado!! kkk
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top