Meu AdoroCinema
Corações Sujos
Sessões Vídeos Créditos Críticas dos usuários Críticas da imprensa Críticas do AdoroCinema Fotos
Filmes Online Curiosidades Bilheterias Filmes similares Notícias
Críticas AdoroCinema
3,0 Legal
Corações Sujos

Passado a limpo

por Roberto Cunha
Pouca gente sabe, mas tão logo o Estados Unidos encerrava a guerra com o Japão, aqui, no Brasil, uma outra batalha, de dimensões menores, começava a ser travada entre os imigrantes japoneses. Esse conflito interno foi tratado no livro campeão de vendas "Corações Sujos", de Fernando Morais, e um filme inspirado nessa história é o que o cineasta Vicente Amorim traz para o cinema. Misturando ficção e realidade, o roteiro buscou explorar também outras possibilidades e uma pista é a narração feminina, acompanhada de bonita trilha oriental, criando um clima épico.

Espalhados em colônias, os japoneses encaravam os brasileiros como inimigos. E quando a notícia de que o Japão tinha se rendido chegou nas ondas do rádio, a primeira reação de boa parte deles foi negar o fato. Ainda mais porque essa notícia tinha um acréscimo: o Imperador assumiu ser um mortal e não um Deus, destruindo todas as crenças milenares. Em uma dessas colônias, um coronel da reserva desafia a lei, faz uma reunião e hasteia a bandeira japonesa. Um militar de baixa patente brasileiro reprime o ato e ainda limpa a bota com o símbolo que antes flamulava no mastro. Durante a noite, esse mesmo grupo acaba sendo preso, interrogado e o uso de um patrício para ajudar acabou servindo para que os revoltados cunhassem o termo Coração Sujo, marcando aqueles que traíram a sua pátria ao aceitar a derrota e ajudar o inimigo.

Dentro desse contexto, o roteiro explora a ideia de um homem comum tornar-se um assassino para honrar o império, abrindo mão de sua vida e de seu amor. Para dar mais veracidade a trama, a maior parte dos diálogos é em japonês. Por essa razão, o espectador verá um filme nacional legendado e isso, acredite, pode ser ruim para uma camada da sociedade que não curte legendas. É o fantasma da TV dublada. Entre os destaques do elenco, o protagonista Tsuyoshi Ihara, que fez Cartas de Iwo Jima e, entre os brasileiros, Eduardo Moscovis, que interpreta um militar com um pouco mais de sensibilidade que os outros. A participação, no entanto, é pequena.

Segundo os produtores, a estreia no Japão foi ótima, o que é animador para o cinema nacional. Por aqui, sua trajetória começa neste fim de semana. Longe do estereótipo da ação, existem algumas sequências com pequenas doses de violência, mas o filme passa longe da seita Shindo Renmei, que deu origem aos tais atos. Corações Sujos é, acima de tudo, uma história de dor, sofrimentos e perdas. No entanto, a aposta nos poucos diálogos e nos muitos silêncios, mesmo que acompanhados de (boas) imagens, pode significar frieza para muita gente. Afinal, brasileiro ouve, como mostram sua relações com o rádio no passado e, atualmente, com a televisão. Assim, fica a dúvida se esse "passado a limpo", vai conquistar o coração dos espectadores, que podem sentir falta de um mergulho um pouco mais evidente nos conflitos pessoais mostrados.
Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

  • Roberto G.

    Uma historia tão chocante como toda verdade deve ser. 

  • M?rcio A.

    Deve ser ótimo!
     

  • IvanN Sousa

    Corações Sujos,talvez seja um dos mais difíceis filmes já produzidos no Brasil.Porque une uma história agradável e real.E ainda junta o elenco de nacionalidade diferentes pra tentar viver em harmonia.Brasileiros e japoneses passam a chamar atenção com comportamentos totalmente diferentes.Ambos com o máximo de patriotismo.O diretor austríaco Vicente Amorim,já viveu bons momentos na direção.Indo e vindo em países e gêneros.Dirigiu aqui também,O Caminho da Nuvens ,e logo após se arriscou a dirigir Vigo Mortensen e companhia,em Um Homem Bom.É claro que em Corações Sujos,ele aposta mas em conflitos internos mesmo,e valoriza o elenco,com gestos e atitudes que mudam o filme constantemente.

Mostrar comentários