Meu AdoroCinema
Resident Evil 5: Retribuição
Vídeos
Créditos
Críticas dos usuários
Críticas da imprensa
Críticas do AdoroCinema
Fotos
Filmes Online
Curiosidades
Bilheterias
Filmes similares
Notícias
Média
4,0
1287 notas e 64 críticas
23% (15 críticas)
14% (9 críticas)
20% (13 críticas)
13% (8 críticas)
13% (8 críticas)
17% (11 críticas)
missing__seriespage.add_review ?

64 críticas do leitor

Jodelle F.
Jodelle F.

Segui-los 3 seguidores Ler as 2 críticas deles

5,0Obra-prima
Enviada em 13/01/15

Ameiiiiii. Recomendo a todos que amam filmes de zumbis e os que amam todos os filmes da franquia ``Rezident Evil´´. Super-iper-mega-recomendado.

Cristiano V.
Cristiano V.

Segui-los 0 seguidor Ler a crítica deles

0,5Horrível
Enviada em 30/12/12

Péssimo filme, uma hora e meia perdidas da minha vida. Não há história a ser seguida, somente tiros e mais tiros. Personagens importantes da série mortos, Wesker bonzinho. Ada Wong parece uma adolescente nos seus 16 anos ao invés de uma Femme Fatale. Leon dizendo para não salvar a menina, o que jamais iria acontecer em qualquer jogo da série. Fracasso total. Lastimável. Fiquei me perguntando durante o filme inteiro, "porque?"

Rafinha M.
Rafinha M.

Segui-los 14 seguidores Ler a crítica deles

1,0Muito ruim
Enviada em 08/06/13

Após assistir todos os filmes anteriores e adiar muito, finalmente assisti, ontem, ao Resident Evil 5 – Retribuição, o último até então (oremos!) da renomada saga. E fiquei surpreso em como o diretor e roteirista Paul W. S. Anderson conseguiu transformar algo bom em lixo descartável e não-reciclável... O filme não tem uma boa história e apresenta cenas de ação mais ridículas do que aquela famosa do Matrix, quando o carinha de óculos abaixa e se desvia da bala. Todas as personagens parecem estar revestidas de pele à prova de balas, pois permanecem de pé sem proteção alguma em meio a tiroteios. Além de tudo isso, o longa-metragem apresenta falhas grotescas no enredo. Em muitas cenas, faltou um ingrediente "bem mínimo" chamado LÓGICA. Isso pôde ser facilmente percebido quando a personagem principal, a agente Alice, encontra uma menina que faz parte de um cenário holográfico. A criança ilusória (afinal, não chegava a ser um humano de fato), devido à manipulação mental, acredita que Alice é sua mãe e a agente surpreendentemente aparenta retribuir o carinho como se realmente fosse sua mão. Pior do que isso, após uns 10 minutos, a criança é capturada por um monstro quadrúpede gigante enviado pela Umbrella Corporation para assassinar Alice e sua equipe. Ele literalmente agarra a menina com a língua e some entre os encanamentos. Quando, sem mais nem menos, a protagonista resolve seguir o rastro do bicho para recuperar sua “filha”, decisão que vai na contramão de sua missão e desagrada sua própria equipe. O que me leva a duas perguntas: Por que diabos ela sentiria amor pela criança sabendo que a mesma não é real? E a dúvida que não quer calar: De onde vem a certeza de que a menina ainda estava viva? Ela foi capturada por um monstro faminto enviado para matar! Para piorar ainda mais, a garota realmente estava viva, dentro de uma espécie de casulo, como se o monstro tivesse guardado o lanchinho para mais tarde!!! Sei que há animais que realmente fazem isso na vida real, mas, veja bem, eles não aparecem com a missão de assassinar pessoas... Entre as milhares de bizarrices, destaco outra cena ridícula: um dos integrantes da equipe de Alice acaba sozinho em um tiroteio e, sob chantagem, é obrigado a sair de tas da pilastra que o protegia das balas. Assim que sai, é metralhado dos pés à cabeça e sua arma é arremessada para o alto enquanto seu corpo cai. Até aí, a cena estava ótima. Mas eis que Paul Anderson resolve “inovar”. Após a arma dele parar de subir e começar a cair, obedecendo as leis de Newton (pelo menos isso, né, Paul?), o rapaz baleado levanta do nada, agarra seu revólver no ar e atira mais uma vez antes de ser alvejado novamente e enfim morrer. Convenhamos que este último ato poderia ter sido evitado no maior clima de “poderia ter ido dormir sem essa”. Como se não bastasse tanta bobagem que fez com que eu e minha namorada sentíssemos vontade de dar STOP com 20 minutos de filme, o enredo em si não faz o menor sentido. Paul fez o vilão das edições anteriores, Wesker, ficar “bonzinho” no quinto filme sem muitas explicações. A justificativa apresentada pelo antagonista é de que a raça humana corria sério risco de extinção. Mas, cá entre nós, tal risco já existia bem antes devido a atitudes do próprio Wesker e nem por isso ele perdeu o sono ou demonstrou algum sinal de preocupação. Isso sem contar o ódio repentino e não explicado da Rainha Vermelha pelos humanos. Preocupado mesmo, estou eu, que sempre curti a história criada pela franquia para jogos de Playstation 1, adorei o primeiro filme e agora presencio sua auto-destruição sem poder fazer algo para impedir. A sequência já vinha demonstrando piora a cada lançamento, mas este quinto filme foi a gota d’água! Nem o subtítulo do encarte, O mal se tornou global, faz jus ao produto final, uma vez que os lugares onde a história se passou não demonstrou importância alguma. E o que dizer dos zumbis, que, neste filme, só apareceram mesmo no comecinho do filme e no final? Eles estão cada vez mais “zoados”, com poderes e mutações que não condizem com a proposta inicial (primeiro filme), tampouco com o histórico de filmes que abordaram o mesmo tema. Eles simplesmente não passam realismo algum e, por isso, não permite que o telespectador “entre na história”, acredite no que está vendo. Em uma rápida pesquisa, encontrei um artigo muito bem escrito por Yuna (a autora se apresenta desta forma) para o site brasileiro do filme ("Adoro Cinema" não permite divulgar links no corpo do texto). E o primeiro parágrafo do texto (transcrito logo abaixo) já resume minha opinião sobre o filme: “A franquia de filmes de Resident Evil chega à sua quinta parte sem perder o fôlego, pelo menos nas bilheterias. RE5: Retribuição usa e abusa de efeitos para impressionar o público: cenas de ação monumentais, belos visuais, um belo time feminino, excelente uso do 3D. No entanto, o deleite é praticamente só visual. Os erros de filmes passados se repetem: roteiro pobre, história corrida, personagens secundários rasos e mal desenvolvidos”. Como Paul Anderson não percebe isso? Uma resposta negativa nas bilheterias poderia tirar o diretor de seus fumos e “viagens mentais”, mas é preciso assistir ao filme primeiramente para odiá-lo depois. Não há como evitar a presença massiva de fãs e admiradores da saga iludidos com a qualidade dos games e dos dois primeiros filmes. Resta a esperança de que Paul costure todas as milhares de pontas soltas de seu roteiro e cale a mim e aos críticos. Mas será que os que tiveram a mesma decepção que eu gastarão seus preciosos dinheiro e tempo em uma nova ilusão? Será que a curiosidade e a esperança superarão a experiência e conseqüente desconfiança? A resposta, só o tempo dirá. De qualquer forma, te agradeço desde já, Paul Anderson, pelas belíssimas primeiras obras de toda a saga Resident Evil. Foi bom enquanto durou...

http://rafinhamoreira.wordpress.com/2013/06/08/mil-motivos-para-nao-assistir-a-resident-evil-5/

Arthur Saturnino
Arthur Saturnino

Segui-los 34 seguidores Ler as 4 críticas deles

0,5Horrível
Enviada em 15/09/12

não assistam em protesto. Muito tosco, Horrivel, o pior filme que eu já vi! a saga tbm foi tosca. Nota 0. Acabou com a imagem dos jogos eletronicos. O Leon ridiculamente fraco, um personagem comum. tosco! So não dei zero porque não tem como!

isKizzitto
isKizzitto

Segui-los 0 seguidor Ler a crítica deles

4,5Ótimo
Enviada em 04/01/13

Particularmente gostei do filme, melhor que o anterior, muito melhor. Gostei da explicação para a volta dos personagens da Michelle Rodriguez(Rain Ocampo), e do Oded Fehr(Todd/Carlos). muito bom. É um ótimo filme, vale a pena assistir. [Offtopic] Para quem fica comparando o filme com o jogo, entendam uma coisa, o filme não segue o que acontece no jogo, o jogo é uma franquia totalmente diferente do filme. Não podem criticar um bom filme porque não está parecido com o jogo. O jogo segue uma história, o filme tem sua própria história completamente diferente, tanto que a protagonista do filme não é Jill e sim a Alice. Mas o pessoal faz questão de assistir o filme para depois criticar por não estar parecido com o jogo. Resident Evil NÂO segue a história do jogo e ponto final.[/Offtopic]

Almir S.
Almir S.

Segui-los 3 seguidores Ler as 214 críticas deles

1,5Ruim
Enviada em 22/01/13

RUIM. O pior dos piores da série. personagens que já morreram nos anteriores voltam sem um bom motivo e personagens que estavam vivos no 4° filme, simplesmente desapareceram do nada. zuado...

Raphael J.
Raphael J.

Segui-los 6 seguidores Ler as 27 críticas deles

4,5Ótimo
Enviada em 18/05/13

é de longe o melhor filme da franquia Resident Evil,muita ação do começo ao fim e um final muito foda,recomendo para quem ainda não viu assista pois é muito bom.

Jonatas M.
Jonatas M.

Segui-los 12 seguidores Ler as 6 críticas deles

0,5Horrível
Enviada em 15/04/13

horrivel esse filme é um lixo se eu conhecesse esse roterista eu o torturava,tem uma pessima direção uma pessima atuação um roteiro lixo,esse filme so consegue se salvar um pouco pelas cenas de lutas e os efeitos especiais de resto esse filme é uma bosta gastei mais de duas horas da minha vida atoa assistindo esse filme

Leandro A.
Leandro A.

Segui-los 7 seguidores Ler as 65 críticas deles

4,5Ótimo
Enviada em 06/07/13

Videogames não rendem bons filmes por culpa dos realizadores ou o problema seria uma incompatibilidade entre as duas mídias? Resident Evil 5 - Retribuição (Resident Evil: Retribution), o melhor filme da cinessérie livremente baseada no jogo de survival horror da Capcom, também é a melhor tradução de um game para o cinema até hoje, justamente por colocar essa transposição em evidência, e em discussão. O roteirista e diretor Paul W.S. Anderson, que faz dessas adaptações seu nicho desde Mortal Kombat (1995), vem cada vez mais dando a seus filmes uma interface de jogo - como já prenunciava Corrida Mortal, com seus enunciados dispostos na tela como se fossem HUD (heads-up display, as informações vitais de energia e munição nos cantos dos jogos). O que não deixa de ser uma inversão curiosa: enquanto a tendência em games, há anos, é eliminar o HUD para deixar a experiência mais próxima do cinema (a própria Capcom fez isso com seus Resident Evil), Anderson deixa no HUD, ou no "extra-filme", por assim dizer, as informações mais básicas que botam a narrativa em movimento. Isso já fica claro no começo de Retribuição. Como a essa altura das reviravoltas ninguém entende mais o que se passa na cruzada de Alice (Milla Jovovich) contra a Corporação Umbrella, a personagem surge em um monitor para fazer um resumão dos quatro filmes anteriores. É a primeira pista dessa tendência de Anderson de realocar no "extra-filme" tudo aquilo - contextualização, exposição - que não se refere à ação em si. Em certa cena, em que Jovovich ensina Michelle Rodriguez a usar uma arma, ela diz que "é como uma câmera, basta apontar e atirar". Essa frase sintetiza a obra de Anderson - uma visão de cinema ao mesmo tempo simples e simplista -, que trata o espaço diegético como o domínio da ação e da ação apenas. Talvez seja pensando nisso que Anderson promove neste quinto filme a volta de uma figura que estava ausente desde o primeiro longa, a inteligência artificial Rainha Vermelha. A menininha sinistra computadorizada (agora interpretada por Megan Charpentier) é não apenas o principal elemento do "extra-filme" em Retribuição, dando informações que situam e movem a trama, como também se comporta como mestre do jogo, acionando cenários e chefes-de-fase a cada missão de Alice e seus amigos. O fato de Retribuição se ambientar inteiro numa instalação de testes da Umbrella, de onde a heroína precisa fugir, obviamente dá ao filme uma cara de game, mas é mais nas escolhas de direção de Anderson do que no argumento em si que esse parentesco se estabelece de fato. Até aqui, nada de muito espetacular, constatações apenas. Já houve filmes que também tentavam emular a fruição dos games (como a tosca cena em primeira-pessoa de Doom - A Porta do Inferno), Gamer continua sendo o mais arrojado deles todos, e essa disposição de Anderson dividir as cenas em mapas e grades tridimensionais talvez seja só uma forma de copiar Tron (a trilha sonora assinada pela dupla tomandandy chupa Daft Punk vergonhosamente). O que diferencia Resident Evil 5 - Retribuição mesmo é que, no meio de toda a mecanização (do universo do filme e da própria narrativa), Milla Jovovich continua sendo singularmente humana, uma presença falha - o corpo magro, o timbre de voz vacilante, o sorriso ainda de adolescente - à prova de automações. Anderson, que afinal de contas é o marido da atriz, sabe perceber as qualidades de sua musa; e a luta da humana para não ser apenas um clone ou um zumbi, no fim, acaba sendo o grande mote de Alice. Muitos fãs torcem o nariz, porque a personagem não existe nos games de Resident Evil (aliás, é dos jogos que sai um dos poucos alívios cômicos deste quinto filme, uma cena sobre a relação de Leon e Ada Wong), mas Milla Jovovich fornece, desde o momento crucial em que surge seminua numa câmara kubrickiana de isolamento, o necessário lastro físico que garante que Retribuição não seja só um exercício de metalinguagem para o espectador médio, um filme onde os personagens dizem que a Máquina é capaz até de fazer nevar - e onde, na cena climática de luta, constatamos que a neve cai de verdade.

Leonardo D.
Leonardo D.

Segui-los 4 seguidores Ler as 2 críticas deles

1,0Muito ruim
Enviada em 02/01/13

Spoiler: Eu não acredito no que essas pessoas estao falando estâo dizendo que resident evil 5 foi um dos melhores da serie, eu jah vi que essas pessoas não entende nada de filme esse foi um dos piores da serie foi uma bosta, o primeiro filme ate o terceiro foram muito bom mas esses dois ultimos filmes não foram bons. Ta na hora de refazer o filme resident evil com um novo personagem principal como leon e uma nova historia bem original al jogos da série. NOTA: LIXO 4/4

Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema
Back to Top