Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    A Morte e Vida de Charlie
    Críticas AdoroCinema
    1,5
    Ruim
    A Morte e Vida de Charlie

    SEM PRESENÇA DE ESPÍRITO

    por Roberto Cunha

    Se você achou o título do filme meio esdrúxulo, não se espante e saiba que estás diante de mais um longa tratando de um tema recorrente nos últimos tempos no cinema nacional e, pelo visto, internacional: o espiritismo.

    Baseado no livro homônimo do jornalista Ben Sherwood (atual presidente da ABC News), a história romântica conta sobre a forte ligação entre dois irmãos, vítimas de um grave acidente, que resultou no falecimento do pequeno Sam (Charlie Tahan) e deu para Charlie (Zac Efron) a capacidade ver os espíritos.

    Contudo, devido ao trauma de abandono dos dois, Charlie promete ao irmão que nunca irá deixá-lo e terá um rotina com ele como se estivesse vivo, enterrando seu futuro promissor nos estudos e a possível vida de campeão na vela. Só que o tempo passou e anos mais tarde, trabalhando como zelador no cemitério da cidade, o jovem recluso acaba se encantando pela velejadora Tess (Amanda Crew), que deve se ausentar por um grande período.

    Tendo como pano de fundo a questão familiar e a dificuldade do encontro dos corações amantes, o conflito do protagonista passa a ser em relação ao mundo material e o espiritual, fazendo com que o filme transite pelo tema vida após a morte de maneira sensível em alguns momentos, mas surreal em muitos outros.

    Se por um lado pode conseguir estabelecer alguma conexão com o público em geral nas horas em que o pequeno Sam está “presente”, em outro, vai até surpreender, mas bota tudo a perder ao carregar demais na tinta, inserindo na trama coisas exageradas e até ridículas, como “uma luz” sinalizadora em alto mar, diante de uma situação limite, ou uma transa num lugar pouco coerente com o tema.

    Com minúsculas pitadas de humor (acredite) capitaneadas por gansos e pequenas participações de atores veteranos como Ray Liotta e Kim Basinger, o filme que cita São Judas Tadeu (das causas perdidas) e aborda com todas as letras a questão da “segunda chance”, tem elenco escorado no ator que ainda não encontrou a sua verdadeira chance de se desvencilhar do estereótipo de galã do High School Musical.

    E assim, o longa de bela fotografia, segunda parceria entre Efron e o diretor Burr Steers (17 Outra Vez), deixou a desejar. Com uma trilha sonora boa (vai de Ramones até uma tradicional e previsível instrumental melosa), A Morte e Vida de Charlie não vai passar de mais um filme água com açúcar e um temperinho existencial para muitos. Para outros, que não vão se sensibilizar com o roteiro sem sal e presença de espírito, poderia vir acompanhado até da Marcha Fúnebre, de Chopin.

    Assista o trailer em A Morte e Vida de Charlie

    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Roberto Cunha
      Thales, obrigado pelo comentário e espero que entenda a resposta tardia, pois não faço mais parte do site há anos. Contudo, sempre afirmei que uma crítica é apenas uma opinião. Sobre ser relevante ou não, fica a critério do leitor e não do autor. Quanto ao questionamento sobre o termo espiritismo, o personagem Charlie, mais do que acreditar na vida fora da matéria, como os espiritualistas, conversa e interage com o espírito do irmão, que vem a ser um dos princípios fundamentais do espiritismo.Você parece ter curtido o filme, o que é ótimo, e se incomodou com o texto e, possivelmente, a cotação em estrelas. Não se chateie com isso. Não reconheci essa nota quebrada com vírgula e o texto não combina com ela. Embora você afirme o contrário, sigo achando minha leitura sobre o filme íntegra e imparcial. Não o considerei sem sal por ser estrelado por um jovem expoente ou o tema estar em franco crescimento na época, mas por ter essa opinião. Muita gente pode ter achando o mesmo. O filme, inclusive, não foi bem nas bilheterias mundiais. Obrigado por sua atenção. ;)
    Mostrar comentários
    Back to Top