Meu AdoroCinema
O Exterminador do Futuro: Gênesis
Média
4,2
1497 notas e 163 críticas
29% (48 críticas)
27% (44 críticas)
23% (38 críticas)
13% (21 críticas)
5% (8 críticas)
2% (4 críticas)
Você assistiu O Exterminador do Futuro: Gênesis ?

163 críticas do leitor

Fernando C.
Fernando C.

Segui-los Ler a crítica deles

0,5Horrível
Enviada em 14/08/15

De todas as críticas que eu li, pelo jeito eu fui o único que simplesmente achou um absurdo terem feito o Spoiler: símbolo da resistência (John Connor) se corromper absurdamente fácil e batalhar a favor da skynet, simplesmente mataram toda a essência da história com isso.. Conseguiram destruir os 4 filmes anteriores em apenas um filme, uma vez que o Genesys anula todos os filmes anteriores e reescreve a história do zero da forma mais porca e irracional possível.

Ana Augusta
Ana Augusta

Segui-los 11 seguidores Ler as 37 críticas deles

2,5Regular
Enviada em 18/10/15

Em 1984, o diretor James Cameron apresentou o primeiro filme da franquia Terminator. A série conquistou os seus fãs e teve o seu ápice em 1991 com o lançamento de Exterminador do Futuro 2 – O Julgamento Final. Mais de 30 anos depois do primeiro filme, nós somos reintroduzidos ao universo do exterminador. Exterminado de Futuro – Genesis é uma introdução da franquia para uma nova geração sem, necessariamente, ser um reboot. O filme é cheio de autorreferência e frases de efeito que já se tornaram clichês para as pessoas que cresceram vendo os filmes anteriores, repetições de situações no mesmo universo pode incomodar, pois nada é acrescentado no que já é conhecido e acaba se tornando uma versão genérica do original. A reconstrução de cenas da versão de 1984 é interessante do ponto de vista cenográfico, transportar 2015 para a década de 1980 não é fácil, reproduzir detalhes de uma época que passou é um trabalho complexo. Kyle Reese é o guia do público em Gênesis, ele nos apresenta ao mundo apocalíptico após o ataque da Skynet, algo que não é visto no primeiro filme e que serve para percebemos como o mundo tal como conhecemos nunca fará parte da realidade do personagem. Enquanto no filme de 1984 Reese era franzino, desesperado para propagar sobre o futuro da humanidade e extremamente protetor da Sarah Connor, na versão atual nos deparamos com um soldado capacitado e com um porte físico mais imponente, no entanto, o desespero e traumas, consequências de um futuro condenado, são insignificantes, a missão central perde o propósito por conta do rumo que o roteiro dá à trama. A inevitável comparação fica por conta de Sarah Connor. Ela passa de uma jovem mulher que precisa ser protegida no filme de 1984 para quase uma máquina de combate em O Julgamento Final, talvez, se tornando uma dos ícones pioneiros do Girl Power. Em 2015, Sarah Connor se tornou uma jovem adulta com ares infantil, abordando dilemas que todo adolescente aparentemente enfrenta e perdendo a essência da personagem original. A tentativa de torná-la uma combatente desde o início não funciona, pois o biótipo da Emilia Clarke não se encaixa com os personagens típicos de filmes de ação, não tornando as cenas que exigem mais fisicamente críveis. John Connor outra vez é o X da questão. Ao invés de ser a solução mais uma vez ele é o problema e, desta vez, não para as máquinas. Antes do lançamento do filme nos cinemas o destino de John Connor já estava traçado, os trailers e cartazes de divulgação não fizeram questão de esconder o rumo do personagem, a escalação do ator Jason Clarke pode ter sido o primeiro indício, o seu rosto já entrega um ar de maus presságios. Toda a estrutura do personagem, o figurino e as cicatrizes são os maiores indicadores do seu destino. O problema não é tornar Connor um dos vilões, mas a toda a crença desenvolvida para torná-lo o salvador desde o início perde todo o sentido, sendo mais uma pista de que o rumo da franquia será outro. O retorno de Arnold Schwarzenegger como Exterminador é o trunfo do filme, a nostalgia de vê-lo confortável no seu maior papel é gratificante. A introdução de emoções no cyborgue é um reflexo de como o ator se sente a vontade no personagem. Apesar de não ser a primeira vez que o Exterminado transmitir emoções, esta é mais escrachada, a todo momento há um resquício de humanidade na androide. A tentativa de transformar o Exterminador, Sarah Connor e Kyle Reese em uma família disfuncional é o grande exemplo disso. A tecnologia está muito mais presente neste quinto filme, a atual realidade que vivemos foi uma grande oportunidade de explorar o termo atualização, pois tudo se torna obsoleto em uma velocidade muito grande mesmo que esteja apto para uso, mas para a sobrevivência é necessário a novidade mais recente. E em uma tentativa de conquistar novos fãs, O Exterminado do Futuro – Gênesis acaba deixando de lado as gerações anteriores que acompanharam o surgimento e ascensão da franquia, talvez seja a hora de um reboot oficial para reconquistar ambos os espectadores.

Sérgio C.
Sérgio C.

Segui-los 1 seguidor Ler as 7 críticas deles

5,0Obra-prima
Enviada em 02/07/15

[spoiler][/spoiler] Gostei muito do filme, principalmente por ter muito do primeiro, tem toques cômicos mesclados com ação;, bem no estilo Arnold, cenas de ação muito bem feitas e deixam claramente um ensejo de uma sequência

B.Boy Jc
B.Boy Jc

Segui-los 16 seguidores Ler as 335 críticas deles

5,0Obra-prima
Enviada em 29/09/15

Sou muito fã da franquia, esse foi um dos melhores filmes na minha opinião, além de nos trazer reminiscências dos 2 primeiros, trouxe uma história convincente. Ótimos efeitos especiais, cenas de ação bem feitas... Adorei!

Rafael S.
Rafael S.

Segui-los 1 seguidor Ler as 8 críticas deles

5,0Obra-prima
Enviada em 10/07/15

A critica errou ao julgar esse filme fraco. Ele superou minhas expectativa. primeiro que o filme faz muitas homenagens, mas não se limita a isso. Algumas coisas que não foram explicadas serão resolvidas nos proximos, pois o projeto é uma franquia. O filme é divertido, e o Arnold voltou. esse filme é um clássico terminator. aceitem

Leandro C.
Leandro C.

Segui-los Ler as 8 críticas deles

0,5Horrível
Enviada em 15/11/15

A franquia realmente só existiu até o segundo que é o melhor de todos, depois foi só fiasco. Um filme confuso cheio de referência ao os dois primeiros, as doses de humor bem forçadas e sem graça, Jonh Connor ainda se torna vilão, como pode isso? T-800 é destruido e logo retorna como T-1000 putz quanta merda em um filme só. Já tinha um certa ideia sobre esse longa, essa tentativa de reviver grandes sucessos é sempre assim. Só assistir pelo o fato de que é sempre bom ver o astro Arnold em ação mas não recomendo este filme a ninguem.

Bruno A.
Bruno A.

Segui-los 1 seguidor Ler as 2 críticas deles

5,0Obra-prima
Enviada em 28/08/15

O filme é ótimo, simplesmente uma mega produção, com um roteiro de tirar o folego e cenas, e efeitos especiais super bem feitos o filme prende a atenção e faz pensar muito do começo ao fim.

Pedro C.
Pedro C.

Segui-los 19 seguidores Ler as 72 críticas deles

2,0Fraco
Enviada em 20/01/17

Fraco. Adoro Emilia Clarke em GOT. Porém, ficou uma Sarah Connor descontextualizada e frágil. Não chegou aos pés do trabalho de Linda Hamilton. Para quem viu os outros e gostou - principalmente do 2 - vai se decepcionar com este aqui.

J.Junior
J.Junior

Segui-los Ler as 2 críticas deles

1,0Muito ruim
Enviada em 26/07/16

filme fraco, personagens ridículos, textos medíocres, estória patética, vergonha alheia pelo Arnold estar nessa tranqueira de filme ruim . efeitos especiais não salvam filmes ordinários .

Vivi V.
Vivi V.

Segui-los 1 seguidor Ler as 3 críticas deles

4,0Muito bom
Enviada em 07/07/15

Produção bem feita, bastante efeitos especiais, muitas partes bem fantasioso, mas valeu a pena.

Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema
Back to Top