Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Cisne Negro
    Média
    4,5
    3509 notas e 226 críticas
    distribuição de 226 críticas por nota
    121 críticas
    66 críticas
    18 críticas
    14 críticas
    0 crítica
    7 críticas
    Você assistiu Cisne Negro ?

    226 críticas do leitor

    Harisson G.
    Harisson G.

    Segui-los 54 seguidores Ler as 40 críticas deles

    5,0
    Enviada em 8 de janeiro de 2014
    Um filme brilhante, perturbador, complexo,instigante e ousado. A tortura psicológica, a busca pela perfeição da protagonista faz de Cisne Negro ser um dos filmes mais emblemáticos e perfeito da história do cinema.O roteiro,a fotografia, o elenco,a música, a direção tudo é impecável. A atuação de Natalie Portman incrível (Oscar merecidíssimo). Essa obra prima é fantástica, assistam.
    Lidiana C.
    Lidiana C.

    Segui-los 21 seguidores Ler as 10 críticas deles

    5,0
    Enviada em 4 de setembro de 2013
    Obra de 2011 dirigida por Darren Aronofsky (Requiem para um Sonho), com Natalie Portman (Nina Sayers), Vincent Cassel (Thomas), Mila Kunis (Lily) e Winona Rider (Beth). O filme conta a história de Nina, uma jovem bailarina de uma companhia de dança que após anos de dedicação, recebe o papel da "rainha do lago" em uma versão do "Lago dos Cisnes". Obcecada com sua perfeição, Nina entra em um universo de alucinações e paranoia, até chegar a um ato extremo. Acredito que para entender um pouco este complexo filme, é preciso conhecer a história "O Lago dos Cisnes" A princesa Odette é mantida em cativeiro por um feiticeiro que lança sobre ela um terrível encanto: durante o dia ela seria cisne, e somente à noite se tornaria humana. Para quebrar o feitiço, Odette deveria encontrar um homem que a amasse por toda a vida. O príncipe Seigfried sai para caçar cisnes no seu 21° aniversário, noite em que também haveria um baile e ele deveria escolher sua esposa dentre as moças do reino. Já estava anoitecendo e o príncipe avista Odette no lago, encantado com sua beleza, ela conta seu segredo e ele jura amor eterno, no entanto, durante sua festa o bruxo von Rothbart aparece com a gêmea má de Odette, o Cisne Negro Odile. Enfeitiçado pela sensualidade de Odile, Seigfried a escolhe, mas o príncipe descobre a farsa e vai atrás de Odette. Já quase amanhecendo, Seigfired pede perdão à sua amada e os dois se jogam no lago fazendo com que o bruxo perdesse todo o seu poder, e os dois amantes pudessem assim encontrar a libertação. Este é um resumo do balé mais famoso do mundo e que inspirou Aronofsky a produzir a obra-prima que é Cisne Negro. Sempre admirei seu trabalho desde quando assisti ao experimental "PI", passando por filmes mais conhecidos como "Requiem para um Sonho", "Fonte da Vida" e "O Lutador". A evolução técnica dos seus trabalhos é algo visível. Desde a escolha do elenco, até o figurino, maquiagem, mas tem pelo menos um aspecto que ele não muda: a câmera. Aronofsky filma os personagens de uma forma que o telespectador entre naquele mundo. Foi assim em todos os seus filmes, e não poderia ser diferente em Cisne Negro. Com uma mega produção, elenco de primeira, Darren Aronofsky posiciona a câmera com esse seu jeito único, e nos faz entrar nas alucinações de Nina. Aliás, quem é Nina? À princípio vemos uma moça pudica, extremamente centrada na dança e superprotegida pela mãe. Uma verdadeira princesinha. Nina não vive, não tem amigos, é a típica pessoa que pede desculpas até por sua existência. Quando é escolhida para interpretar a rainha dos cisnes, ela entra em total estado de obsessão e loucura, pois ela e Thomás sabiam que sua maior dificuldade seria a de interpretar o Cisne Negro. Certa vez li uma crítica à respeito deste filme que dizia o seguinte: "Aronofsky reduziu o trabalho das bailarinas ao sexo." Isso porque Thomas pede que Nina se masturbe, que se deixe levar, que viva! Não entendo de danças, mas discordei completamente desta frase. Ora, Nina interpretaria uma personagem virginal, pura e outra maléfica, sexy, é claro que esse lado precisava ser trabalhado, ou melhor, vivenciado! Tanto na história original do Lago dos Cisnes como no filme Cisne Negro, vejo claramente a eterna luta entre o bem e o mal. O bem e o mal que todos carregamos dentro de nós porque somos humanos e buscamos desesperadamente para que ambos estejam em equilíbrio, caso contrário sucumbimos. Cisne Negro foi genial em mostrar esse embate, até mesmo na polêmica, mas imaginária, cena lésbica entre Nina e Lily em que fica clara a "transformação de Odette para Odile". Outro aspecto que é mostrado é a rivalidade existente nos bastidores das companhias de dança, inveja, a troca de bailarinos como se fossem bonecos, Beth foi trocada por Nina sem o seu consentimento. A luta para manter o peso ideal. No balé e no mercado da moda é onde estão a maior incidência de bulimia e anorexia. Não é preciso ser especialista em saúde mental para saber que Nina sofria de bulimia, tudo pela arte, tudo pela perfeição, tudo para não ser descartada. E quanto a Thomas? Thomas é o professor impiedoso que exige o máximo de Nina. Vincent Cassel ficou muito bem no papel de canastrão sádico. E para quem criticou o Oscar de Natalie Portman só tenho uma coisa a dizer: O Lago dos Cisnes é um dos balés mais difíceis de representar justamente porque a bailarina principal precisa representar Odette/ Odile. É claro que Aronofsky precisava de uma atriz que além de ter estudado balé (Portman não faz todas as cenas, há dublês), ela também teria que ser capaz de representar o bem e o mal. Natalie simplesmente brilhou. Se você ainda não assistiu, confira você mesmo!
    Sílvia Cristina A.
    Sílvia Cristina A.

    Segui-los 83 seguidores Ler as 45 críticas deles

    5,0
    Enviada em 21 de fevereiro de 2013
    Cinema é sonho; é ilusão. Porém, não me refiro às ilusões cor-de rosa e típicas de filmes que pretendem instaurar um falso otimismo no lugar de um otimismo coerente , consistente e possível. Refiro-me ao sonho como mistério; mistério da vida ; mistério da alma. Tudo ou quase tudo é bem misterioso se formos parar para pensar. "Cisne negro"mergulha fundo num mundo de possibilidades múltiplas onde podemos a qualquer momento encontrar o nosso outro eu. O coreógrafo via apenas o cisne branco na jovem e enigmática protagonista ; uma bailarina perfeccionista e aparentemente contida no quesito paixão. Merece destaque a cena em que o personagem de Vincent Cassel , Thomas, afirma para Nina que a bailarina Lilly apesar de não possuir uma técnica muito apurada , dança com liberdade ; o que falta à Nina: se soltar , fluir , descobrir sua sensualidade ; descobrir suas outras possibilidades. Porém, o mais interessante da trama seja perceber que talvez só houvesse o cisne negro em Nina e que seu aspecto de cisne branco foi apenas mais um dos efeitos alucinógenos deste filme que nos arrasta constantemente para uma aura de pesadelo. Em "Cisne negro" tudo é muito tenso: a relação de Nina com sua mãe; sua mania de se machucar; o doloroso processo criativo que vai muito além dos ensaios de dança. Quando finalmente vemos as penas pretas brotarem de seu corpo , juntamente com Nina , sentimos a dolorosa e deliciosa intensidade de atingirmos o nosso clímax; o nosso encontro brutal com nós mesmos ; com nossa genialidade e demência; lucidez e loucura. Nina se mostra o mais genial possível quando já está entregue à demência. Esta é a parte mais tenebrosa e linda do pesadelo. Visualmente é um espetáculo de encher os olhos e arrepiar o coração. Muitos filmes de terror não são capazes de apresentar uma cena tão mórbida. Merece destaque também a sequência em que Nina e Lilly saem juntas e não sabemos ao certo o que realmente aconteceu entre elas ; onde termina a realidade e onde inicia a imaginação de nosso cisne em mutação. "Cisne negro" combina magistralmente sonho e realidade , mostrando que para quem sonha , a imaginação é tão concreta quanto à mais pura realidade. O filme abusa de espelhos ; metáfora meio batida , mas que sempre funciona muito bem quando queremos falar sobre pessoas que olham para dentro de si. Porém, muitas vezes , como diria o escritor Sidney Sheldon, quem se olha no espelho , só vê a um estranho. É o caso de Nina , que é uma estranha para ela mesma. Nina nem ao menos conhece seu corpo e o agride pois é a única forma de relação que consegue estabelecer com ele. "Cisne negro" é visualmente muito instigante, pois os movimentos de câmera nos induzem à subjetividade ; a iluminação escura nos remete às sombras que temos em nós mesmos; o sonho se misturando à realidade é um convite ao desconhecido ; a interpretação dos atores nos conduz à ambiguidade do ser humano. Os personagens são muito ambíguos. A mãe de Nina é extremamente protetora , porém, existe algo de muito tenso e dominador em sua personalidade. A sensual Lilly talvez não seja tão desprendida como aparenta ; o coreógrafo Thomas tem um método de trabalho bem pouco ortodoxo e Nina é o cisne negro. Em resumo: o filme tem os elementos temáticos e de linguagem necessários para conduzir o espectador a aura onírica do cinema e de nossos próprios fantasmas. Talvez , o filme seja pessimista demais. Porém, não deixa de ter mensagens: para ser um bom artista é preciso acima de tudo, viver e sentir. Artistas não se fazem unicamente em estúdios e escolas. Os artistas se fazem também e principalmente no embate do dia a dia; na complexidade da vida. Segunda mensagem: nunca subestime o inimigo que existe dentro de nós.
    Estevan Magno
    Estevan Magno

    Segui-los 1074 seguidores Ler as 490 críticas deles

    4,0
    Enviada em 27 de dezembro de 2013
    O papel da vida de Natalie Portman, além de atuação perfeita de Mila Kunis. Um filme forte e inteligente! Surpreendente o modo em como acaba o filme, mereceu a convocação ao Oscar!
    Barboza Wagner
    Barboza Wagner

    Segui-los 26 seguidores Ler as 58 críticas deles

    5,0
    Enviada em 22 de fevereiro de 2013
    Sem duvidas um dos melhores filmes que eu já vi. Roteiro perfeito e Portman esta na sua melhor atuação. Um filme que nos prende do inicio ao fim, não ha palavras para definir esse filme, por mais que o discurso do rei tenha sido um bom filme, Cisne Negro merecia o Oscar, sem sombre de dúvidas!
    Anderson  G.
    Anderson G.

    Segui-los 226 seguidores Ler as 258 críticas deles

    5,0
    Enviada em 31 de julho de 2016
    Cisne Negro é drama, é suspense, é terror, é sonoro e dançante, é feio e apavorante, é lindo, é sóbrio, Cisne Negro é um filme de cabeceira a todos que gostem de cinema, ele não inventa nada de novo, ele não muda o cenário cinéfilo, talvez eles nem esteja entre os I00 melhores filmes americanos já feito, porque ele é simples, e perfeito em tudo aquilo que faz, toda coreografia em torno do roteiro central é ótima, todo o jogo de espelho que tem em praticamente todas as cenas do filmes brincando com a personalidade de Nina, Brilhantemente incorporada pela Natalie Portman que se perde dentro do seu papel, a trilha sonora, a fotografia e principalmente a direção de arte e as montagens de cena são um absurdo de tão bom, Darren Aronofsky nos explica tudo apenas com suas montagens de cenas, até o figurino dos personagens conversa com o roteiro do filme, roteiro esse que é simples e aos observadores de plantão também pe extremamente complexo, e mesmo depois de um tempo, você entende e até prevê acontecimentos, mas de algum modo ele de surpreende, mesmo você sabendo o que vai acontecer, todos os signos do filme são perfeitos, tudo nas cenas tem um elo de ligação com a trama central, fique atento, Darren de explica o filme ao mesmo tempo que deixa subjetivo ele quer te falar que tem mais coisa do que você está vendo ali, “Cisne Negro” pra mim é nota I0 não porque ele é uma obra que vai mudar o cinema ou uma obra magnifica e tudo mais, ele é I0 porque ele é impecável em tudo aquilo que se propõe a fazer, e seus mínimos erros não me fazem querer descontar de sua nota, assista “Cisne Negro” e mesmo sendo extremamente recente, você vai sentir a inspiração que ele trouxe a outros ótimos filmes como “whiplash “ e “Birdman”. spoiler: Nina tem 28, aparentemente é virgem ou sofreu de alguma violência sexual no passado, e sua mãe a trata como uma criança, colocando-a para dormi, trocando as suas roupas e até maquiando Nina. Durante o filme, o enredo do “Lago dos Cisnes” é contato duas vezes(o que eu achei desnecessário), depois da segunda vez você saca que o lago dos cines tem um relação com a vida de nina, pois ela começa a interpretar o “Lago dos Cisnes”, antes mesmo de entrar no palco, a historia do Lago dos cisnes é sobre uma garota tímida e pura(Nina), e quem um feitiço sobre ela que a impede de ter liberdade(Sua própria psique, repare que aos poucos ela vai mudando isso, como o ato de jogar seus ursos fora), esse feitiço só pode ser quebrado com amor verdadeiro(no caso aqui é uma metáfora, pois esse amor pra ela é o próprio papel no lago dos cisnes), mas esse amor corre perigo, pois o cisne negro o que roubar(no caso aqui o cisne negro é Lilly), Repare que Lilly está sempre de preto e Nina sempre de branco (Com sua transformação isso vai mudando com o tempo), até a beleza da Natalie nesse filme é algo bonito, puro, delicado enquanto a beleza de Mila Kunis é algo sensual e selvagem, até na escolha de elenco Darren nos passa mensagens, repare também na personagem que já foi o cisne negro e o branco, Beth MacIntyre(Winona Ryder), que usa roupas brancas e negras e mostra sinais claros de bipolaridade, por fim Nina “Perde” a pureza, e para quebrar o “Feitiço” ela mesmo vira o cisne negro, numa briga interna de álter egos que é brilhantemente demostrada por Darren, até nas alucinações de Nina a onde ela mesmo se vê se transformando no cisne até o ato final ao qual ela se liberta completamente. Cisne Negro é um filme simbólico, que fala ainda sobre o limite do entretenimento, o obsessão pela perfeição, e sobre a nossa luta diária e nos mantermos bons e honestos a sociedade e coibir os atos de cisne negro dentro de nós. "A perfeição não é apenas controle. É também sobre o desapego. Surpreenda-se para que possa surpreender o público. Transcendência. Poucos têm isso neles."
    David A.
    David A.

    Segui-los Ler as 2 críticas deles

    2,0
    Enviada em 3 de janeiro de 2017
    Percebo que nesse filme houve uma tentativa em deixa-lo exuberante e único, porém o que aconteceu foi um fracasso na lógica dos personagens. Eu sei que ela ganhou o Oscar, isso não quer dizer que a história foi boa. spoiler: Você fica sua atenção na colega má, depois nos abusos do professor, depois na mãe, depois na amiga, depois no lesbianismo, e por último num suicídio medíocre que coroa um filme desconexo e arrogante.
    Neto S.
    Neto S.

    Segui-los 4245 seguidores Ler as 773 críticas deles

    4,5
    Enviada em 29 de novembro de 2013
    Cisne Negro Consegue Ser um Otimo Filme de Drama Com Uma Atuaçao Sencacional De Natalie Portman , Uma Fotografia Incrivel Merecidamente Natalie Portman Ganhou Um Oscar De Melhor Atriz Bem A Historia do Filme e o Seguinte Beth MacIntyre (Winona Ryder), a primeira bailarina de uma companhia, está prestes a se aposentar. O posto fica com Nina (Natalie Portman), mas ela possui sérios problemas pessoais, especialmente com sua mãe (Barbara Hershey). Pressionada por Thomas Leroy (Vincent Cassel), um exigente diretor artístico, ela passa a enxergar uma concorrência desleal vindo de suas colegas, em especial Lilly (Mila Kunis). Em meio a tudo isso, busca a perfeição nos ensaios para o maior desafio de sua carreira: interpretar a Rainha Cisne em uma adaptação de "O Lago dos Cisnes". Pelo Visto Uma Historia Muito Boa Do Nota 9.7
    Lucas M.
    Lucas M.

    Segui-los 24 seguidores Ler as 18 críticas deles

    5,0
    Enviada em 1 de novembro de 2013
    Natalie Portman atuando como uma mulher jovem e instável. Sua mãe, ditadora, isola-a do mundo externo e tratando-a como uma criança. Seu sonho era ser uma bailarina de sucesso, tem essa oportunidade quando a atual protagonista da peça ''Cisne Negro'' é tirada do seu papel, a da Rainha Cisne. O que Nina (Natalie) não espera é a carga emocional e física exigida seria tão grande, uma garota inocente e perfeccionista que daria uma ótimo Cisne Branco mas uma péssima Cisne Negro. Com toda a pressão sofrida por Nina ela acaba entrando em uma crise, como uma luta em o ''bem e o mal'' o ''branco e o negro''. Nesse incrível suspense psicológico embarcamos na visão da Nina do mundo, com todas sua alucinações e disturbios. Depois do meio do filme você já não sabe o que é verdade ou mentira, se sente apreensivo, tenso e confuso, um pouco da experiência vivida pela personagem, ou seja, ele filme exprime todos os seus sentimentos não só nas telas mas em você próprio. Atuação belíssima da Natalie, realmente digna do Oscar. Icone da atualidade. Recomendo! ''I Was Perfect''
    Marize F.
    Marize F.

    Segui-los 11 seguidores Ler as 5 críticas deles

    4,0
    Enviada em 18 de junho de 2013
    Excelente atuação de Natalie Portmann, como em todos os filmes que ela participa (não pelas cenas de balé, que são lindas demais, e se tornou óbvio que a maioria delas foi representada por dublês). É um belo filme de drama, dá pra sentir muita pena e compaixão da personagem, inclusive pela pressão constante e pelos delírios que ela sofre, mas não chegou a me perturbar psicologicamente. O diretor foi inteligente ao misturar as cenas reais com devaneios, além dos vários transtornos mentais sofridos pela personagem (dismorfia, auto-mutilação, anorexia, psicose, dentre outros), mas se a intenção foi causar terror psicológico, não funciona com quem está bem preparado psicologicamente. A insegurança de Nina que se estende até o final cansa um pouco. Não é um filme que eu assistiria de novo. Mas a cena final paga o filme, mostra de maneira emocionante e crua o preço a se pagar pela busca pela perfeição... mostrou de forma espetacular o sentimento de agonia e, ao mesmo tempo, de realização ao alcançá-la em vida. A morte e problema psicológico dela pra mim, evidenciou, perfeitamente, como a perfeição, de fato, é algo inatingível... já que para se alcançá-la, foi necessário não fazer mais parte deste plano... foi necessário abrir mão de muitos aspectos da sua vida pessoal... foi necessário se desfazer de si mesma, o que acaba prejudicando seu equilíbrio psicológico... foi preciso se desvencilhar de sua própria personalidade (uma garota virginal, pura, meiga), pois era a única coisa que a impedia de alcançar a perfeição, como disse o próprio Thomas "a única pessoa no seu caminho é você". O perfeito, no final das contas, foi "imperfeito". Enfim... Quão mais felizes seriam os pais, se eles entendessem que seus filhos nunca serão tudo aquilo que eles não conseguiram ser, a ponto de não cometer a besteira de lançar sobre eles tanta expectativa de perfeição... Me fez perceber o quanto tenho sorte. Recomendo. Filme muito bom mesmo!
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top