Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    The Crown: Crítica da 4ª temporada da série da Netflix
    Por Katiúscia Vianna — 14 de nov. de 2020 às 08:05
    facebook Tweet

    A Rainha Elizabeth (Olivia Colman) passa a dividir os holofotes com a Princesa Diana (Emma Corrin) e Margaret Tatcher (Gillian Anderson).

    Nota: 4,0/5,0

    The Crown sempre se beneficiou com a bizarra curiosidade do público sobre a família real britânica, mas talvez os holofotes nunca estiveram tão voltados para a série da Netflix como agora. Afinal, a quarta temporada aborda duas figuras importantíssimas para a história do Reino Unido e, consequentemente, do mundo: a amada Princesa Diana (Emma Corrin) e a polêmica Margaret Thatcher (Gillian Anderson).

    The Crown: O que podemos esperar da 4ª temporada?

    A Rainha Elizabeth (Olivia Colman) pode até ser a protagonista da história, afinal a coroa está sobre sua cabeça. Mas precisa dividir o espaço com duas mulheres que tiveram suas marcas na história, para o melhor e para o pior. Ambas representam mudanças que o país passou nos anos 80, batendo de frente com a visão tradicional da monarca. E o criador Peter Morgan conhece muito bem o poder que tais nomes despertam na audiência.

    Personagens que já acompanhamos durante anos, como Princípe Philip (Tobias Menzies) e Princesa Anne (uma ótima Erin Doherty) são deixados de lado, para dar o espaço que Diana e Thatcher dominaram. Princesa Margaret até tem um episódio para chamar de seu, já que não se deve desperdiçar uma atriz do calibre de Helena Bonham Carter — mas assim como os próprios membros da realeza se sentiram ofuscados diante do brilho de Diana, isso também acontece na ficção.

    Emma Corrin é uma revelação como Princesa Diana

    A novata Emma Corrin tinha uma responsabilidade muito pesada sob seus ombros. Como interpretar uma pessoa tão idolatrada de maneira complexa e humana, mas que ainda carregue a simpatia que a princesa transmitia para o público? Sem falar que foram muitas as vezes que Hollywood falhou em tentar contar a história de Diana... Que o diga Naomi Watts!

    A primeira vista, a performance de Corrin parece simplista e meio imatura. Mas, na realidade, ela representa como conhecemos Diana na série: 12 anos mais nova que seu futuro marido, Charles (Josh O'Connor), deslumbrada pelo mundo da realeza e ainda inocente para vários dos dramas que surgem junto com os títulos. A cada episódio, a atriz cresce em seu brilhantismo — da mesma forma que Diana vai construindo seu caráter, seja sofrendo com o desprezo da família real, ou assumindo seu papel de mãe, ou abraçando sua popularidade com graça.

    Kristen Stewart será Princesa Diana em cinebiografia

    O roteiro nem sempre a ajuda, com uma série de repetições na hora de retratar os problemas relacionamento entre Diana e Charles. Numa situação que lembra um hamster girando numa gaiola, parece que Peter Morgan está guardando o melhor para a próxima temporada, onde Elizabeth Debicki e Dominic West assumirão os personagens. O que seria um absurdo por conta das performances incríveis de Corrin e O'Connor. Se ela é uma revelação, seu companheiro de cena também apresenta um passional desenvolvimento de personagem. Você sentia pena dele, nos episódios anteriores? Pois saiba que a situação não será a mesma neste ano.

    Gillian Anderson rouba a cena como Margaret Tatcher

    Na vertente política de The Crown, surge os 11 (e controversos) anos de mandato da Primeira-Ministra Margaret Thatcher. Gillian Anderson surge com uma peruca chamativa e trejeitos já vistos em Meryl Streep em A Dama de Ferro. Porém, existe algo especial em sua performance: ela encarna o porte da política. E não estou falando apenas de postura. É algo presente em seu olhar. Expressões que mostram uma mulher poderosa e determinada, mesmo que tome decisões insensíveis. O roteiro exagera na hora de tentar humanizá-la? Completamente. Mas Anderson entrega um trabalho sólido, que foge da caricatura.

    25 atores que ficaram irreconhecíveis interpretando pessoas reais em filmes

    Alguns dos melhores momentos da temporada estão nos encontros entre Thatcher e a rainha. E dá para ver que Olivia Colman está bem mais confortável no papel de Elizabeth. Afinal, todo mundo sabe que ela atua bem — basta ver A FavoritaBroadchurch ou Fleabag e sejam felizes. Só que, dessa vez, se apresenta mais solta na personagem, seja aproveitando suas falas ácidas ou os tocantes momentos de fraqueza onde ela quebra sua compostura. Fica aqui o destaque especial para seu trabalho no episódio "Fagan", sobre a ocasião em que um homem invadiu o palácio.

    The Crown virou uma novela na 4ª temporada

    Assim como aconteceu com a primeira geração de atores, é um sentimento agridoce ter que se despedir dos atuais protagonistas, pois são seus trabalhos comoventes que elevam o roteiro de Morgan. Junto com o fabuloso trabalho de design de produção, é claro. Sem falar que a equipe de figurinistas fez algo sensacional na missão de apresentar os incríveis figurinos de Diana...

    Curiosamente, o grande defeito da série fica em seu texto, por vezes partidário demais. Na quarta temporada de The Crown, a sutileza se perde (ainda mais) para adotar um drama estilo dramático, focando em reviravoltas, mocinhas e escandâlos. Bem estilo novela das 8... A única diferença é que vem numa embalagem muito bonita. Logo, irá chamar a atenção daqueles curiosos que citei no início do texto e funciona como entretenimento. O que não é ruim, necessariamente. Mas o brilho de algo superfícial não se compara ao resplendor de uma coroa real, não é mesmo?

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    • MayB
      Você sentia pena dele, nos episódios anteriores? Pois saiba que a situação não será a mesma neste ano. Vc transcreveu o que eu senti, a partir do 3º episódio até o final da temporada eu queria voar no pescoço do Charles e da Camila. Eu amo a Claire Foy (4x08 ai meu coração) como Elizabeth, mas a Olívia Colman arrebentou nessa temporada. Gente e o rato? hahahahahaToda vez que a Emma Corrin aparecia eu ficava boquiaberta de tanto que ela se parece com a Diana. Aliás todas as cenas que a Diana aparecia eu abria um sorrisão, e ver o que ela passou me deixou muito triste, depois eu fui ver o documentário da Netflix com a entrevista dela e chorei horrores, só quero ver como vou estar no 5º ano da sérieÚnica coisa que eu senti falta foi tratarem da filantropia que ela fazia ainda casada com o Charles, essa mulher trabalhou e fez muito mais coisa em nome da família real que o próprio príncipe e sozinha!!!
    Mostrar comentários
    Back to Top