Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Sintonia: Crítica da 1ª temporada
    Por Ygor Palopoli — 09/08/2019 às 19:00
    facebook Tweet

    Vencer é subjetivo.

    NOTA: 3,0/5,0

    A arte como ferramenta transformadora, a religião como princípio de restauração, e o crime como saída fácil para os problemas. À primeira vista, é comum que haja um certo tipo de reducionismo ao pensar nos principais arquétipos de mudanças presentes dentro das retratações mais comuns da favela dentro das obras do entretenimento, no geral. No entanto, se Sintonia busca passar uma impressão específica, é a de que não existe objetividade no conceito de "vencer na vida".

    Em, praticamente, todas as narrativas ambientadas dentro de uma periferia, você irá encontrar algum personagem assim: destemido e inteligente, direcionando toda a sua trajetória para o ponto em que finalmente conseguirá sair daquele local hostil para dar uma vida melhor a sua família. Aqui, porém, exploram-se as alternativas de ascensão dentro das próprias raízes. E é por elas que nós vamos começar.

    Idealizada por Kondzilla — um dos produtores musicais mais importantes do funk nos últimos anos — em parceria com a LosBragas, Sintonia é conduzida através da perspectiva de três amigos de longa data: Nando (Christian Malheiros), Doni (MC Jottapê) e Rita (Bruna Mascarenhas). Vivendo juntos na periferia paulista desde a infância, cada um deles possui suas próprias aspirações e desejos: desde um futuro na carreira musical até a perigosa escalada no mundo do crime. 

    Assim como deixa implícita a existência de um grande potencial não aproveitado no desenvolvimento de seus protagonistas, a série parece, inicialmente, cair neste mesmo erro em prol de uma condução exageradamente apressada dos acontecimentos. Nos primeiros episódios, há uma tentativa muito clara de transformar o estilismo presente nos clipes de funk em uma linguagem própria — o que seria completamente bem-vindo caso a dinâmica não fosse confundida com a pressa.

    Os incômodos iniciais tendem a melhorar com o tempo, e isto é uma afirmação que pode ser aplicada a praticamente todos os levantamentos negativos sobre a série. Bruna, Jottapê e Christian parecem precisar, ainda, de algum tempo de tela para finalmente "pegarem no tranco" em suas representações, cabendo a este último — que já mostrou sua capacidade para papéis densos e contidos no excelente Sócrates (2018) — a maior carga dramática, por estar na pele de uma pessoa repleta de dualidades e internalizações. 

    Netflix

    Conforme a história avança, os problemas de representação e verossimilhança vão ficando para trás e sentimos os conflitos engrenarem cada vez mais. Antes de passarmos para os acertos da série, um último ponto negativo importante precisa ser considerado: os diálogos expositivos. Raramente apresentando-se para causar uma sensação sólida e palpável de desenvolvimento, as conversas parecem ter como único propósito de existência esclarecer o óbvio. Apesar da exímia preocupação em construir um dialeto mais parecido possível com o da "quebrada", falta esmero em talhar mais humanidade nos encontros e desencontros. É difícil, por exemplo, encontrar um diálogo que não seja interrompido pela montagem frenética ou por algum acontecimento importante. Caso houvesse mais espaço para florear o íntimo de cada personagem, algumas relações poderiam ser melhor compreendidas, como a de Doni com o seu pai. 

    Os principais acertos de Sintonia ocorrem justamente quando não há receio de mostrar o que o sol não toca. Para os residentes de uma periferia, as arestas de possibilidade tornam-se limitadas, porém, todas são quase igualmente exploradas dentro de seus respectivos contextos sociais. Surgindo como uma figura até um tanto inesperada dentro da trama, a Igreja é representada da maneira mais crua possível: uma máquina de dinheiro ou um refúgio para os aflitos. Cabe ao espectador tirar a sua própria conclusão. A escalada de status e poder na "família" do crime organizado também não comete o pecado comum do já supracitado reducionismo, e mostra que é, sim, possível existir espaço para a convivência entre o respeito e a perdição.

    Mas é no arco narrativo de Doni que entendemos o quanto a importância de Konrad Dantas (o Kondzilla) dentro da concepção geral possui uma personalidade própria. Sabendo muito bem que não existe espaço para sentimentalismo os que sonham com o sucesso, Dantas procurou deixar praticamente todas as figuras por trás dos bastidores de grandes artistas do funk sem forma homogênea. O empresário malvado rapidamente se converte em figura conselheira, a MC mais cotada do momento nunca parece revelar suas verdadeiras intenções, e todo o plano de fundo do cenário empresarial que banca a existência do funk ostentação apresenta-se de maneira sutil. Em resumo, fica a sensação de que todos são apenas peças dentro de um sistema muito mais complexo e sintomático. 

    Perto dos episódios finais, os arcos de cada personagem já parecem caminhar com as próprias pernas, sem a necessidade da existência de passagens expositivas, cortes rápidos e frases de efeito. A única questão que não agrada tanto, já nos últimos momentos, é o quanto a história se segura apenas para tentar garantir uma segunda temporada. É totalmente comum que a estratégia de aplicação de deixar o espectador querendo mais seja a principal força motora para causar um ímpeto de aclamação a um segundo arco, mas com as devidas proporções.

    Netflix

    Conforme dito no primeiro parágrafo, não existe acerto maior que a própria sutileza em saber do que está se falando. O que mais cativa em Sintonia é a falta de necessidade de recorrer aos subterfúgios comuns das representações batidas da favela. Aqui, toda a ambientação soa tão congruente com os acontecimentos da trama (um merecidíssimo ponto positivo também à direção de arte e cenografia) que fica fácil sentir-se conduzido. Quem também possui um mérito especial para que isso seja estabelecido é o time de coadjuvantes que, muitas vezes, rouba a cena dos próprios protagonistas, nos levando ao desejo inconsciente de querer conferir como suas próprias trajetórias vão se desenrolar. Até mesmo os personagens que mais servem como alívio cômico são excelentes, como os barbeiros do bairro, por exemplo. Curiosamente, é justamente com todos estes elementos secundários que o roteiro mais funciona, mostrando que a despretensão é a grande chave para replicar um cenário realista.

    No final das contas, Sintonia é uma série sobre a vida daqueles que buscam, dentro de suas próprias concepções, a sensação de vencer em um ambiente programado para a derrota. Indo na contramão de tantos outros produtos que nos vendem a ideia de que o progresso está em ganhar o mundo, a Netflix acerta (com ressalvas) ao entregar uma narrativa subjetivamente brasileira, com suas próprias raízes pessoais.

    A arte transforma, a religião restaura, e o crime não compensa: ou ao menos assim deveria ser.

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    • Paul
      Ah, totalmente compreensível. Brevemente entrarei em contato. 😀
    • Diário Gay do Diego
      Olá, muito obrigado pela atenção! 😊😊 No momento eu não estou usando nenhuma rede social, pq sempre me traz muita ansiedade...
    • Paul
      OFF: Li seu diário. E nossa, vc é bem sincero. HahahaGostaria de conversar mais contigo sobre, se quiser, claro. Procura no Skype ''pcn94''. Se quiser via Instagram é só deixar que eu sigo lá.
    • edivan caldas
      show gostei muito, não vejo a hora de comecar a segunga temporada.
    • Diário Gay do Diego
      Me surpreendi e gostei bastante da série, é sempre bom poder visualizar realidades diferentes da sua... Achei q faltou envolver mais funk e ter mais momentos entre os 3 protagonistas!
    • Eduardo Silvestre
      Piores atores do mundo!
    • Bruno Terra
      O Brasil tem um portfólio gigante de produções com a temática da periferia e na minha opinião parece que essa série ignorou tudo isso e fez mais do mesmo. Cometeu os mesmos erros das produções ruins e não aproveitou pra aprender com as produções boas.A série retratou muito pouco sobre o que é a periferia paulistana e muito menos sobre cena do Funk. Eles poderiam ter mostrado mais como a galera produz os funks no quintal de casa, focado em mostrar como o Funk nasce e porque ele existe. Mas fizeram mais uma série sobre favela bem fraca pra gringo assisti.Sintonia é a Malhação da Netflix!
    • Coe Moraes
      E assim que se fala realmente na quebrada, inclusive paraisopolis , helipa, e exatamente assim, tudo vai pras ideia, e o seguinte, aonde nao existe lei, a lei e feita na bala, a luta e contra o sistema, pjl, esse dialeto e o padrao realmente, interessante mostrar a regionalidade de sao paulo, com suas vielas e becos escuros, aonde negocios escusos sao feitos, quem nao paga meu corre, nao vale a minha organização, um salve a disciplina, pra mim essa serie foi terapeutica, me trouxe a tona que nao respeito as pessoas e os lugares apenas devido a lei, e sim uma moral maior dentro de nos, que comeca na fe em nossos amigos e companheiros, muitos sentirao inveja da parceria que existe entre muitos , aonde a familia de sangue muitas vezes nao pode estar presente na vida dos aliados, primos , irmaos e irmas.
    • Danil BR
      Penso o mesmo. E acrescento que escritores brasileiros têm dificuldade em criar boa fantasia, apesar do primor da ficção brasileira no realismo.
    • Kabum
      Assisti o primeiro episódio e, apesar de poder apenas fazer uma análise rasa, acho que a série conseguiu mostrar inteiramente o ambiente da favela. As pessoas no entorno tiveram atuações magníficas, como foi o caso da mãe que teve a filha presa por causa da maconha. Foi como se eu tivesse vendo uma briga de rua que acontece de verdade em lugares pobres, ou até de classe média. Também conseguiu mostrar o que o crime institucionalizado é capaz de fazer em uma sociedade. É muito mais difícil não participar de um esquema se este mesmo esquema é o que domina. No final, a pessoa tem que fazer parte dele.Houve atuações ótimas e algumas horríveis. Houve também uma forçada de barra nos diálogos. Eu sei que esse tipo de diálogo da quebrada existe, mas não toda hora. Eu paro por aqui mesmo no primeiro episódio. Não é o tipo de série que eu gosto. Busco assistir algo que fuja da realidade habitual brasileira. Como se fosse uma espécie de terapia. E assistir essa série é como se eu não estivesse saindo da minha realidade. É simplesmente uma dose de realidade quando busco uma terapia de fantasia.
    Mostrar comentários
    Siga o AdoroCinema
    Séries mais esperadas
    Reality Z
    1
    Reality Z
    Elenco: Sabrina Sato, Guilherme Weber, Emílio de Mello
    Comédia, Terror
    Estreia
    10 de junho de 2020 em Netflix
    Love, Victor
    2
    Love, Victor
    Elenco: Michael Cimino (II), Ana Ortiz, James Martinez
    Comédia, Drama
    Estreia
    19 de junho de 2020 em Hulu
    Todos os vídeos
    Perry Mason (2020)
    3
    Perry Mason (2020)
    Elenco: Matthew Rhys, John Lithgow, Juliet Rylance
    Drama, Crime
    Estreia
    21 de junho de 2020 em HBO
    Todos os vídeos
    El Presidente
    4
    El Presidente
    Elenco: Andrés Parra, Paulina Gaitán, Karla Souza
    Drama, Crime
    Estreia
    5 de junho de 2020 em Amazon Prime Video
    Todos os vídeos
    Novas séries mais esperadas
    Últimas notícias de séries
    Peaky Blinders: Tommy Shelby seria interpretado por astro de Velozes & Furiosos
    NOTÍCIAS - Visto na web
    quinta-feira, 4 de junho de 2020
    Peaky Blinders: Tommy Shelby seria interpretado por astro de Velozes & Furiosos
    Space Force: Conheça a Força Especial dos Estados Unidos que inspirou a comédia da Netflix
    NOTÍCIAS - Visto na web
    quarta-feira, 3 de junho de 2020
    Space Force: Conheça a Força Especial dos Estados Unidos que inspirou a comédia da Netflix
    Os Simpsons: Animação homenageia George Floyd, vítima de assassinato nos EUA
    NOTÍCIAS - Visto na web
    quarta-feira, 3 de junho de 2020
    Os Simpsons: Animação homenageia George Floyd, vítima de assassinato nos EUA
    Modern Family: Como estão os atores mirins 11 anos depois?
    NOTÍCIAS - Personalidades
    quarta-feira, 3 de junho de 2020
    Modern Family: Como estão os atores mirins 11 anos depois?
    The Flash: Herói pode enfrentar um novo vilão na sétima temporada
    NOTÍCIAS - Visto na web
    quarta-feira, 3 de junho de 2020
    The Flash: Herói pode enfrentar um novo vilão na sétima temporada
    Control Z: Saiba como foi filmada a cena da briga entre Gerry e Luis
    NOTÍCIAS - Visto na web
    quarta-feira, 3 de junho de 2020
    Control Z: Saiba como foi filmada a cena da briga entre Gerry e Luis
    Notícias de séries
    Top séries
    The 100
    1
    Direção: Jason Rothenberg
    Elenco: Eliza Taylor, Paige Turco, Bob Morley
    Aventura, Drama
    The Walking Dead
    2
    The Walking Dead
    Direção: Scott M. Gimple, Glen Mazzara, Robert Kirkman
    Elenco: Norman Reedus, Jeffrey Dean Morgan, Danai Gurira
    Drama, Terror
    Manifest
    3
    Direção: Jeff Rake
    Elenco: Melissa Roxburgh, Josh Dallas, Athena Karkanis
    Drama
    Grey's Anatomy
    4
    Direção: Krista Vernoff, Betsy Beers, Shonda Rhimes
    Elenco: Ellen Pompeo, Ellen Pompeo, Ellen Pompeo
    Drama, Médico
    Séries mais consultadas
    Back to Top