Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Saint Seya - Os Cavaleiros do Zodíaco: Crítica da 1ª temporada
    Por Ygor Palopoli — 20/07/2019 às 17:45
    facebook Tweet

    Ocidentalização do cosmo.

    NOTA: 2,5/5,0

    "Tudo fará sentido no final". De todos os momentos e diálogos minimamente capazes de sintetizar os seis episódios da primeira temporada de Saint Seya: Os Cavaleiros do Zodíaco, a dramática frase de efeito proferida por Marin ao protagonista ainda no início da trama talvez seja a mais significativa. Mas, para explicar a aplicação implícita por trás do momento, é preciso retroceder um pouco.

    Se você faz parte da geração que cresceu assistindo a desenhos animados japoneses na TV, na década de 90, certamente irá se familiarizar com este cenário: é uma tarde chuvosa de domingo, Cavaleiros do Zodíaco, Yu Yu HakushoSailor Moon e Super Campeões estão prestes a ser exibidos na — hoje extinta — TV Manchete, e tudo já está preparado para o que promete ser uma maratona inesquecível. Você não sabe disso ainda, mas esta seria apenas a abertura de um terreno extremamente lucrativo e influente dentre os espectadores brasileiros.

    Pulando algumas décadas e avançando para os dias atuais, a Netflix, maior serviço de streaming do momento, lança uma reimaginação ocidental do clássico mangá criado em 1985 e adaptado apenas um ano depois para um aclamado anime. Toda esta contextualização parece um tanto aleatória neste momento, mas... tudo fará sentido no final. Para começar a falar da nova versão de Cavaleiros do Zodíaco, é preciso compreender que a maior aposta de sua narrativa é, justamente, tentar obter algum tipo de aprovação, ou autorização, dos fãs da série clássica. 

    Netflix

    Por mais que tentemos ao máximo fugir do efeito comparativo, não pensar na fonte primária da animação norte-americana torna-se cada vez mais difícil diante da clara insistência dos criadores desta nova perspectiva em tentar dizer ao público: "nós assistimos ao original". No entanto, Cavaleiros do Zodíaco parece permanecer eternamente em cima do muro, entre transformar todos os traços orientais da história original em arquétipos muito mais palpáveis ao público ocidental, e tentar referenciar os pontos mais marcantes do primeiro anime. Apesar de constantemente prejudicial, a dualidade ajuda a produção em alguns momentos. 

    Para falar sobre o que funciona, a abertura e o encerramento dos episódios são alguns dos pontos mais divertidos. Mesmo em inglês, a clássica "Pegasus Fantasy" — aqui interpretada pela banda The Struts — consegue nos transportar com louvor ao esperado clima de adrenalina e fantasia, enquanto cada episódio é finalizado com o tom melancólico e psicodélico ideal de "Somebody New", dos mesmos intérpretes. Ponto positivo! 

    Provavelmente, o que mais sofre com a tentativa de "americanizar" a trama o máximo possível é o desenvolvimento das narrativas. Tudo é muito mais corrido do que deveria, a passagem de tempo muitas vezes é confusa e detalhes que deveriam ser importantes são ignorados. Nos dez minutos iniciais da série, por exemplo, Seiya vai de um garoto perdido e confuso para um rapaz treinado, pronto para derrotar qualquer um que aparecer em seu caminho. Não há muito contexto do que aconteceu no meio tempo, e precisamos depender de diálogos completamente expositivos que servem apenas para tapar os buracos.

    Netflix

    Outro ponto que chega a incomodar um pouco é a inserção exacerbada de grandes explosões, como uma espécie de tentativa de transformar o enredo em um tipo de blockbuster padrão. Os quatro cavaleiros principais se unem para derrotar helicópteros, tanques de guerra, soldados armados, mísseis... segue por aí. Mas existe uma justificativa plausível para que tudo isso esteja acontecendo, e aqui, ganha-se pontos na mudança, por trazer heróis e vilões mais críveis e menos caricatos. 

    Porém, de todas as questões positivas levantadas, o carisma dos cavaleiros principais talvez seja uma das mais interessantes. Caso o espectador possua receio da falta de exploração dos traços de personalidade de Seiya, Shiryu, Hyoga e Shaun (falaremos mais sobre esta última em breve), não há muitos motivos para preocupação. Os momentos mais divertidos e emocionantes do enredo acontecem através das interações entre eles. Até mesmo as histórias de suas origens, brevemente exploradas, conseguem encantar.

    Destacando um ponto divisor de águas, chegamos até a técnica de animação 3D. Apesar de fazer sentido para o novo tipo de perspectiva que a Netflix deseja empregar, pode-se levantar a interessante inventividade e a infantilização não tão bem-vinda assim. Os golpes clássicos dos guerreiros de Pégasus, Dragão, Andrômeda e Cisne foram muito bem aproveitados nos novos traços, embora as feições e cenas de ação no geral tenham perdido parte de seu charme. Não há sensação de perigo ou urgência quando algum personagem está a beira da morte, já que a nova técnica da Toei Animation não é capaz de imprimir o grau certeiro de seriedade. Perde-se aqui, ganha-se lá.

    Voltando rapidamente na análise dos personagens, é importante salientar a importância da mudança do sexo de Shun (agora, Shaun) de Andrômeda. Justificada pelo roteirista Eugene Son como uma oportunidade de falar mais sobre o poder das mulheres nesta nova versão, a intenção não parece ter sido muito bem cumprida. Shun sempre foi um homem poderoso, com traços femininos e delicados, e personalidade dócil, servindo como afirmativa de que não há problemas nisso, contrariando certos estereótipos da época. Aqui, ele transforma-se em uma mulher que tem sua primeira fala apenas no quarto episódio, recebendo um destaque ligeiramente menor que os outros Cavaleiros. Partindo da argumentativa de Eugene, faria muito mais sentido dar um dos destaques principais a uma mulher já presente na história, ou talvez até mesmo criar uma personagem nova, do zero — o que não seria novidade na nova série.

    Netflix

    Conforme prometido, chegamos, enfim, ao ponto onde "tudo faz sentido no final". Toda a condução da história de Cavaleiros do Zodíaco é um tanto autoexplicativa, o que acaba soando meio condescendente em diversos momentos. Não há espaço para nenhum ponto interprativo, exceto aquilo que não recebe nenhuma atenção. Em suma, ou os eventos são completamente explicados, ou eles são simplesmente esquecidos. No fim das contas, ao se dividir entre replicar a sensação de nostalgia e transformar os fios que conduzem a trama em estereótipos ocidentais, Cavaleiros do Zodíaco só acerta quando se permite ousar de verdade nas mudanças: justamente o que precisamos para futuras temporadas.

    Pensando melhor, nem tudo faz sentido no final.

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    • André Cidre
      Isso de fato me deixou completamente furioso. De todo o resto, o ROTEIRO tem muito menos furo do que o o anime dos cdz. Diferente do manga, que tbm carece de coesao, o anime é furo atras de furo.Eu fiquei triste, pq por mais que nao goste do efeito massinha, se tivessem seguido a cronologia, tivessem adicionados coisas diferentes, e arrumassem os furos de CDZ ai sim eu poderia pular de alegria.Porém esse anime só leva o nome de CDZ, sendo um SPINOFF da saga principal. E tudo que acontecer nesse anime, não se pode levar para o mundo oficial de CDZ.MAS mesmo assim, assisti sem expectativa nenhuma, e superou isso hahaEles precisam remasterizar o anime classico, fui assistir depois de adicionado no NETFLIX e é bem sofrivel assistir rs
    • Lili Reis
      Estranhei demais. CDZ sempre foi um dos animes que mais gostei na vida. Achei que ficou americanizado demais. Não esta de todo ruim mas não chega muito próximo do original em emoção.
    • Rodrigo M
      Eu não achei tão ruim assim não, e antes que falem merda, assisto CDZ desde a manchete.
    • Emanuel Damasceno
      Concordo contigo Felipe , muito boa e sem muita enrolação
    • Felipe
      Eu gostei, assistir com meu filho e trouxe uma boa nostalgia da série original. Creio que muitos não vão gostar por fazer comparações com a original. A história principal é a mesma, mas com algumas modernidades. Se há um ponto favorável nessa versão é que ela é mais curta, enquanto a original enrolava bastante para chegar ao desfecho, essa levou 6 episodios de 20 minutos para retratar toda a saga de fênix. Enfim,espero até que façam mais, pois gostaria de ver a saga das doze casas nessa nova versão.
    • Marcos Ogata
      Tudo da turma da Marta Suplicy e seu clássico Relaxa e Goza
    • Anderson Barcellos
      Só tenho uma palavra para descrever essa versão: LIXO.Se tiver outras temporadas, nem pretendo assistir.
    • Odair Odvedder
      No geral eu gostei desta nova versão, gostei da versão feminina de Shun, todavia concordo com o crítico ao dizer que houve pontos da história que ficaram confusos e outros que foram totalmente ignorados, resumiram mais de 20 episódios em apenas 6 e a parte dos cavaleiros negros foi bem trash. Espero que melhore.
    • Tulio Pereira
      A frase “relaxa e mantém o foco”, dita pelo Shiryu, resume perfeitamente a geração millenial para a qual esse anime foi feito, ou seja, incoerência, inconsistência, insegurança e relações interpessoais fracas, estabelecidas puramente na futilidade, efemeridade e, acima de tudo, na falta de emoção genuína, enfim, Bauman estava certo.
    Mostrar comentários
    Siga o AdoroCinema
    Séries mais esperadas
    Vis a Vis: El Oasis
    1
    Vis a Vis: El Oasis
    Elenco: Maggie Civantos, Najwa Nimri, Alba Flores
    Drama, Suspense
    Estreia
    20 de abril de 2020 em
    Todos os vídeos
    Defending Jacob
    2
    Defending Jacob
    Elenco: Chris Evans, Michelle Dockery, Jaeden Martell
    Drama, Suspense
    Estreia
    24 de abril de 2020 em Apple TV+
    Todos os vídeos
    Penny Dreadful: City Of Angels
    3
    Penny Dreadful: City Of Angels
    Elenco: Daniel Zovatto, Natalie Dormer, Nathan Lane
    Drama, Terror
    Estreia
    26 de abril de 2020 em Showtime
    Todos os vídeos
    Stargirl
    4
    Stargirl
    Elenco: Brec Bassinger, Joel McHale, Henry Thomas
    Ficção científica, Ação
    Estreia
    18 de maio de 2020 em DC Universe
    Todos os vídeos
    Novas séries mais esperadas
    Últimas notícias de séries
    La Casa de Papel: Relembre 10 momentos incríveis das mulheres na série
    NOTÍCIAS - Visto na web
    terça-feira, 7 de abril de 2020
    La Casa de Papel: Relembre 10 momentos incríveis das mulheres na série
    A Máfia dos Tigres pode ganhar continuação não oficial sobre Carole Baskin
    NOTÍCIAS - Visto na web
    terça-feira, 7 de abril de 2020
    A Máfia dos Tigres pode ganhar continuação não oficial sobre Carole Baskin
    Westworld 3X04: Os exilados serão exaltados
    NOTÍCIAS - Produção
    segunda-feira, 6 de abril de 2020
    Westworld 3X04: Os exilados serão exaltados
    Black Mafia Family: Série de máfia do 50 Cent inicia sua produção
    NOTÍCIAS - Visto na web
    segunda-feira, 6 de abril de 2020
    Black Mafia Family: Série de máfia do 50 Cent inicia sua produção
    Manifest: Tudo o que você precisa saber antes de assistir à série
    NOTÍCIAS - Produção
    segunda-feira, 6 de abril de 2020
    Manifest: Tudo o que você precisa saber antes de assistir à série
    Mitos do Pop: O que esconde de verdade o desenho Hora de Aventura?
    NOTÍCIAS - Visto na web
    segunda-feira, 6 de abril de 2020
    Mitos do Pop: O que esconde de verdade o desenho Hora de Aventura?
    Notícias de séries
    Top séries
    La Casa de Papel
    1
    Direção: Álex Pina
    Elenco: Úrsula Corberó, Álvaro Morte, Álvaro Morte
    Drama, Suspense
    Manifest
    2
    Direção: Jeff Rake
    Elenco: Melissa Roxburgh, Josh Dallas, Athena Karkanis
    Drama
    Elite
    3
    Direção: Carlos Montero, Darío Madrona
    Elenco: Georgina Amorós, Itzan Escamilla, Miguel Bernardeau
    Drama
    Soltos em Floripa
    4
    Elenco: Pabllo Vittar, Felipe Titto, Mariano
    Drama, Espetáculo
    Séries mais consultadas
    Back to Top