Meu AdoroCinema
    Good Omens: Crítica da temporada
    Por Laysa Zanetti — 03/06/2019 às 19:35
    facebook Tweet

    Michael Sheen e David Tennant roubam a cena como Aziraphale e Crowley.

    Nota: 4,0 / 5,0

    Good Omens seria interessante logo de cara simplesmente pela quantidade enorme de talento que reúne na frente e por trás das telas — Neil Gaiman escreve todos os episódios, e Douglas Mackinnon (Doctor Who, Sherlock) os dirige. O elenco encabeçado por Michael SheenDavid Tennant abre as portas para uma leva de participações menores que vão de Jon Hamm como o Arcanjo Gabriel, Frances McDormand na voz de Deus e Benedict Cumberbatch emprestando sua voz a Satã. Mas a nova série limitada do Amazon Prime Video, que adapta uma das obras de fantasia mais celebradas das últimas três décadas, oferece uma gama tão variada de nuances e reflexões que defini-la por um único elemento ultrapassa o limite do reducionismo.

    Good Omens adapta o livro de Terry Pratchett e Neil Gaiman, “Belas Maldições: As justas e precisas profecias de Agnes Nutter, Bruxa”, e acompanha o demônio Crowley (Tennant) e o anjo Aziraphale (Sheen), que vivem na Terra há milênios e, por isso, acabaram se apegando ao local e tornando-se amigos. Quando eles percebem que suas missões consistem em basicamente “um tentar cancelar o outro”, decidem “não trabalhar” em dupla, até que são encarregados da missão de conduzirem o apocalipse. Mas não apenas eles não estão muito empolgados com a ideia, já que gostam do estilo de vida na Terra, como acabam perdendo o Anticristo quando uma confusão humana faz com que ele seja mandado para a família errada. Portanto, ao invés de ser criado como o filho do embaixador norte-americano, acaba vivendo como Adam Young (Sam Taylor Buck), um garotinho muito bem cuidado e sem a tormenta de demônios, levando uma vida pacífica no interior da Inglaterra.

    Amazon Studios

    A ideia de um anjo e um demônio trabalhando juntos para impedir o fim do mundo poderia de imediato transmitir a ideia de cenário apocalíptico, remetendo a um background distópico e tomado pelo caos. Mas isso é exatamente o contrário do que a série entrega. Em seis episódios, Good Omens mostra que a obra se trata de uma reflexão não exatamente sobre o fim do mundo, mas sobre o que acontece no seu entorno, da burocracia divina às vontades humanas que entram no caminho de qualquer ordem pré-determinada. O envolvimento direto de Gaiman com o roteiro garante que a adaptação (um último desejo que Pratchett confessou ao amigo em 2015, antes de seu falecimento) mantenha os traços fiéis que prometem agradar aos fãs da obra literária, mas faz também com que todos os demais personagens secundários apenas girem na órbita de Crowley e Aziraphale. Por isso, as cenas em que eles não estão presentes acabam sendo um dos pontos fracos da série. Ainda que ancorados por excelentes atuações (a diretora de elenco Suzanne Smith fez um dos trabalhos mais impressionantes do ano reunindo este time), os personagens não são muito ajudados pelo roteiro, que os utiliza apenas como impulsionadores da história. Miranda RichardsonMichael McKean — que vivem respectivamente Madame Tracy e Shadwell — até tentam, mas seus personagens arranham apenas a superfície do que poderiam ser. Eles fazem o que o roteiro precisa que eles façam, porque é assim e pronto.

    Amazon Studios

    Mas David Tennant e Michael Sheen são verdadeiramente o coração da história, seja porque se encaixam de maneira muito fiel aos personagens ou porque têm uma das dinâmicas mais interessantes do ano na TV. Tennant é vibrante e ousado em sua interpretação do demônio que, apesar de carregar uma senhora reputação no inferno, está sempre disposto a salvar o amigo e aceitar viver nesta zona cinza; Sheen, por outro lado, compõe um Aziraphale que é a perfeita harmonia entre a inocência, a delicadeza e a sensibilidade inerentes ao personagem — mesmo que a suposta rebeldia ou canalhice que Crowley vê nele jamais fique exatamente à mostra. A justaposição dos dois e de suas características opostas é o verdadeiro fio condutor da história, já que determina o tom leve e divertido essencial para a história.

    Mesmo quando o CGI é extremamente exagerado e artificial, ou quando as perucas de Tennant não fazem o melhor trabalho em proporcionar a imersão na trama, o jogo entre os dois e o flerte que fica no meio do caminho entre um romance queer (idealizado pelos fãs dos livros há décadas) e uma forte amizade faz os episódios voarem. Mesmo quando está apagada sem Crowley ou Aziraphale em cena, Good Omens tem um grande debate a apresentar, seja porque atualiza as figuras dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse (dois dos quais são mulheres) e transforma a Peste em Poluição, seja porque mostra Adam aos poucos descobrindo os seus poderes e não sucubindo ao determinismo. Acima de qualquer outra coisa, aliás, o estudo sobre o determinismo é exatamente o motor da adaptação Trata-se de uma obra recheada de filosofia e de notas de rodapé complexas e passíveis de debate, e talvez seja justamente pelo esvaziamento destas notas que a série pode soar incompleta ou anticlimática para uma parcela do público.

    Amazon Studios

    Ainda assim, o principal objetivo de Good Omens enquanto série é ser uma obra divertida. Em nenhum momento está em xeque a questão se Adam vai ou não sucumbir ao que estava pré-determinado, mas a todo momento é testado o limite da relação entre Crowley e Aziraphale — o subtexto gay é tão bem trabalhado e tão orgânico que ganha o primeiro plano sem nem mesmo tentar. O humor está sempre nas entrelinhas, na interpretação dos conceitos elaborados em torno da descendência de Agnes Nutter, de suas profecias e do comportamento errático de Gabriel, Shadwell e dos seres do inferno, e isso faz um contraponto exatamente com a direção de arte que deixa sempre às claras o que é bom, o que é ruim e o que se deve sentir em cada cena.

    No que se propõe a fazer, Good Omens se excede mesmo com as falhas em relação aos coadjuvantes, porque se calca em ótimas atuações, um roteiro que atende aos fãs mais apegados a detalhes e em protagonistas que dominam a cena com facilidade e ofuscam eventuais problemas. E, é claro, Fantasma que nos desculpe, mas Cão é um grande concorrente ao título de bom garoto do ano.

    facebook Tweet
    Pela web
    Comentários
    • Carmmando Alves
      a segunda temp de Deuses Americanos foi uma porcaria jogando tudo na lata do lixo o que foi a fantástica Primeira Temporada.
    • Tim Meme
      A obra em questão é muito inteligente, engraçada, irreverente, todos esbanjando simpatia e talento
    • Arthur Oliveira Souza
      Faz Sandman Neil Gaiman.Nunca te pedi nada,agora é a hora de FINALMENTE adaptar sua magnum opus,sua obra prima e obra mais famosa. Sempre durmo imaginando uma série de Sandman.Ninguem menos que o próprio Gaiman para adaptar Sandman..
    • Arthur Oliveira Souza
      Também a 2º temporada de American Gods teve vários problemas de bastidores,houve discordâncias entre o Neil Gaiman e o novo showrunner e os antigos showrunners abandonaram a série antes de ser filmada a segunda temporada.
    • Krauser Hellclown
      Série bem divertida. Acho que o diferencial foi o envolvimento do Neil no roteiro do seriado, um suprassumo de qualidade em relação a segunda temp de American Gods.
    Mostrar comentários
    Siga o AdoroCinema
    Séries novas mais esperadas
    The Witcher
    1
    The Witcher
    Elenco: Henry Cavill, Freya Allan, Anya Chalotra
    Aventura, Fantasia
    Estreia
    20 de dezembro de 2019 em Netflix
    Todos os vídeos
    V-Wars
    2
    V-Wars
    Elenco: Ian Somerhalder, Adrian Holmes, Jacky Lai
    Terror, Fantasia
    Estreia
    5 de dezembro de 2019 em Netflix
    Harley Quinn
    3
    Harley Quinn
    Elenco: Kaley Cuoco, Lake Bell, Alan Tudyk
    Animação
    Estreia
    29 de novembro de 2019 em
    Todos os vídeos
    Servant
    4
    Servant
    Elenco: Lauren Ambrose, Toby Kebbell, Nell Tiger Free
    Terror, Suspense
    Estreia
    28 de novembro de 2019 em
    Todos os vídeos
    Novas séries mais esperadas
    Últimas notícias de séries
    Ford vs Ferrari: Dois vencedores do Oscar e um desafio impossível baseado numa história real
    NOTÍCIAS - Visto na Web
    segunda-feira, 4 de novembro de 2019
    Ford vs Ferrari: Dois vencedores do Oscar e um desafio impossível baseado numa história real
    Patrocinado
    Lucifer: Protagonista recebe visita no Inferno em nova imagem da temporada final
    NOTÍCIAS - Produção
    terça-feira, 12 de novembro de 2019
    Lucifer: Protagonista recebe visita no Inferno em nova imagem da temporada final
    Harley Quinn: Série animada da Arlequina ganha novo trailer
    NOTÍCIAS - Visto na web
    terça-feira, 12 de novembro de 2019
    Harley Quinn: Série animada da Arlequina ganha novo trailer
    Batwoman: Série escala filha de Alfred Pennyworth
    NOTÍCIAS - Visto na web
    terça-feira, 12 de novembro de 2019
    Batwoman: Série escala filha de Alfred Pennyworth
    The Mandalorian: Reveladas duas cenas da série ambientada no universo Star Wars
    NOTÍCIAS - Produção
    terça-feira, 12 de novembro de 2019
    The Mandalorian: Reveladas duas cenas da série ambientada no universo Star Wars
    Netflix revela primeiro teaser de série sobre a cantora Selena Quintanilla
    NOTÍCIAS - Produção
    terça-feira, 12 de novembro de 2019
    Netflix revela primeiro teaser de série sobre a cantora Selena Quintanilla
    Notícias de séries
    Back to Top