Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Star Trek - Discovery: Crítica da 2ª temporada
    Por Vitória Pratini — 27 de abr. de 2019 às 09:05
    facebook Tweet

    Série entrega temporada repleta de referências clássicas, e coloca pontos nos i's.

    Nota: 4,0 / 5,0

    Star Trek: Discovery retornou para uma segunda temporada concisa, repleta de referências à série clássica e um prato cheio tanto para fãs novos quanto antigos. Com 14 episódios, desta vez sem midseason (ou seja, sem quebras no meio da temporada, dando maior continuidade), e quatro curtas-metragens que fazem a ligação do primeiro com o segundo ano da série, a nova temporada trouxe como pano de fundo o mistério sobre os sinais misteriosos e sobre o Anjo Vermelho, uma suposta entidade que indicava o caminho a seguir.

    No geral, esses elementos agiram como migalhas de pão para a investigação da tripulação da Discovery, gerando o que pareciam ser episódios procedurais — um caso por semana, por vezes independente do restante da temporada, como sempre foi o padrão de Jornada nas Estrelas. Entretanto, nos episódios finais da temporada, veio a grata surpresa de cada um desses planetas visitados e povos ajudados seria parte de um plano maior, dando um desfecho satisfatório para o segundo ano da produção.

    CBS

    Em meio a viagens no tempo, batalhas muito bem executadas, um vilão megalomaníaco e divergências da nave em relação à unidade independente da Frota Estelar Seção 31, Star Trek: Discovery consegue dar voz à temáticas importantes e complexas como refugiados, guerras e inteligência artificial. Nesse sentido, levantou a recorrente questão no universo de Star Trek: se a Frota Estelar deveria ou não interferir com o desenvolvimento de outras culturas e civilizações. É interessante notar como cada série da franquia lida com isso de forma diferente. Enquanto Kirk (William Shatner) certamente colocava o pé na porta; Picard (Patrick Stewart) tinha longas conversas existenciais com Data, antes de tomar uma atitude não menos drástica que Kirk.

    Ainda assim, a produção trouxe uma temporada focada em personagens. "Família" foi um enredo bastante explorado, mergulhando nas histórias passadas de Michael Burnham (Sonequa Martin-Green) e seu relacionamento com Spock (Ethan Peck), Saru (Doug Jones) e sua irmã Siranna (Hannah Spear), e o que o conceito significava também para Paul Stamets (Anthony Rapp) e Hugh Culber (Wilson Cruz). Além disso, fica bastante claro que a dinâmica entre a tripulação da Discovery, especialmente na emocionante cena entre Michael e Saru, no quarto episódio.

    CBS

    Discovery, inclusive, conseguiu continuar com a excelência de seu elenco. Não só Martin-Green e Jones brilham em suas atuações, como também Mary Wiseman segue gerando identificação com o público ao interpretar Tilly; Anthony Rapp consegue fazer o público sentir suas emoções, ainda que tímidas; e Michelle Yeoh aparece primorosa como Phillipa Georgiou, não à tão ganhando as melhores frases de efeito da temporada.

    CBS

    As novas adições do elenco também não ficam para trás. Ethan Peck aparece excelente, entregando uma versão inédita de Spock, barbudo e menos seguro de si. Entretanto, ele não consegue fugir da sombra do icônico Leonard Nimoy (mas, sejamos sinceros, ninguém consegue). Já Anson Mount entrega um Capitão Christopher Pike íntegro e praticamente perfeito em relação às iterações anteriores do personagem. Ousamos dizer que ele merece sua própria série de TV, comandando a Enterprise. Falando na famosa nave, ela aparece como um tributo à Jornada nas Estrelas clássica, sem deixar de modernizar alguns detalhes que jamais poderiam ter sido feitos em uma produção dos anos 60.

    CBS

    Com um início de temporada lento — demorando a apresentar seu chamariz (Spock) —, Star Trek: Discovery conseguiu costurar a trama de toda a temporada, e empolgar em sua metade final. Entregou um episódio final duplo memorável e com muitas portas para o futuro. Para os fãs que estavam preocupados com a inserção de Discovery no canon da franquia e de Burnham como irmã de Spock, a série encontrou um desfecho satisfatório.

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    • Djan K.
      A 2ª temporada conseguiu o que parecia ser impossível, ser pior que a 1ª! Roteiros bizonhos, sem pé nem cabeça, o que acontece em um episódio é contra dito no próximo, a história dos sinais e do ano vermelho não faz o menor sentido. Não conseguem dar motivo para correria final, e fazem um confusão tremenda com a história dos personagens, enfim um desastre.
    • Hidalgo D.
      Que bola fora do Adoro Cinema
    • Marcus Fabio Copetti
      Pra começar, isso acima não é crítica !! Só tem elogios ?? Acho que não viu a mesma coisa que os outros milhões de espectadores. Afinal, titulo de 3* Temporada, enquanto nós só conseguimos assistir a SEGUNDA temporada do STD...... Se não prestou atenção nem a chamada, será que olhou mesmo a série ??
    Mostrar comentários
    Back to Top