Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Hanna: Critica da 1ª temporada
    Por Katiúscia Vianna — 29/03/2019 às 09:36
    facebook Tweet

    Mesmo com boas performances de Esme Creed-Miles, Joel Kinnaman e Mireille Enos; a série não consegue chegar aos pés do filme original.

    Nota: 2,5/5,0

    Virou moda transformar filmes em séries de TV. Só para citar uns exemplos, basta lembrar de Fargo, Westworld, Máquina Mortífera, O Exorcista... Alguns deram certo. Outros deram errado. Agora, a Amazon entra nessa mania com Hanna, adaptação do elogiado filme homônimo de Joe Wright, lançado em 2011. A premissa é a mesma: uma adolescente é treinada por seu pai para se tornar uma habilidosa assassina, enquanto ambos são caçados pela CIA. Um dos responsáveis pelo roteiro da obra original, David Farr assume o comando da atração, a fim de expandir o universo que cerca a jovem.

    Os primeiros episódios da série prometem seguir os passos do longa, até que a nova trama começa a apresentar diferenças bem drásticas, tentando aprofundar o relacionamento entre Hanna (Esme Creed-Miles) e seu pai, Erik (Joel Kinnaman). Paralelamente, o público passa mais tempo no outro lado da disputa, acompanhando a agência governamental numa narrativa centrada na agente Marissa (Mireille Enos), diretamente ligada com a protagonista.

    Se os fãs ficarão contentes em ver a recriação de algumas cenas marcantes do filme, é interessante ver a vontade de trazer algo novo. O problema é que as escolhas tomadas pelo roteiro são bem clichês — tanto nos relacionamentos pessoais, como na expansão da ficção científica. Logo, o público se vê diante de uma jornada de herói bem genérica, onde as reviravoltas perdem função, pois já foram vistas em diversos filmes e programas de TV. Mesmo usufruindo de mais tempo para contar a história, é triste perceber como quase nenhum personagem apresenta desenvolvimento ou tem espaço para demonstrar profundidade, além de Hanna e Marissa.

    Para completar, os relacionamentos são construídos com uma velocidade rápida demais para causar algum tipo de conexão com o espectador. São inseridos diversos arcos emocionais que nunca alcançam seu potencial completo, sendo apenas conectados por eficientes sequências de ação, que salvam certos episódios com ritmos irregulares. Felizmente, o trabalho de fotografia é caprichado, de tal forma que acrescenta um toque especial para os diferentes mundos visitados por Hanna, convidando o público a mergulhar em cada novo local com a jovem.

    Dentre as três figuras centrais, são as mulheres que apresentam melhores histórias, mesmo que estas também se percam em conclusões súbitas e aleatórias. Inclusive, boa parte delas parecem surgir apenas para complicar a história e preencher tempo de tela. Por exemplo, Esme Creed-Miles não tem um trabalho fácil em substituir uma performance do gabarito de Saoirse Ronan, mas consegue fazer seu trabalho, mesmo que o roteiro a prejudique diversas vezes, girando em círculos. Crível, a jovem carrega bem as sequências de luta, mas brilha mesmo quando é capaz de derrubar os muros emocionais de Hanna, explorando a personagem num mundo que não conhece. A ingenuidade da garota e a interação com a nova amiga, Sophie (Rhianne Barreto, cheia de simpatia), trazem frescor para uma narrativa tão seca e sombria. Pena que esse arco culmina em um clichê digno de novela.

    Por outro lado, Mireille Enos apresenta uma versão de Marissa bem diferente da postura feroz de Cate Blanchett no filme original. A personagem até tem seu lado poderoso, mas os destaques surgem nas sutilezas que a atriz constrói no papel, equilibrando tal façada com a vulnerabilidade que ela tenta esconder, desesperadamente. Retomando a parceria com sua coprotagonista de The Killing, Joel Kinnaman é eficiente, mas ainda não consegue diferenciar essa performance de outros heróis de ação que já interpretou anteriormente, como Altered Carbon. Dentre o restante do elenco coadjuvante, quem chama a atenção é a habilidosa Yasmin Monet Prince, que aparece nos episódios finais e deve ganhar espaço numa possível segunda temporada.

    Se o filme Hanna surpreendeu ao trazer decisões ousadas para o gênero, a série inspirada em tal obra peca na falta de criatividade, ao optar por caminhos mais fáceis, justamente na hora de desenvolver esse universo. Não é uma obra ofensiva, mas desperdiça grande parte de seu potencial. As cenas de ação vão agradar os fãs do estilo, mas falta emoção. Curiosamente, a trama apresenta o mesmo defeito que sua protagonista, ao ser jogada na sociedade: Cadê a conexão humana?

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    • awliies
      Muito boa serie ate o erik heller morrer no final da primeira temporada, pra mim que terminasse a serie ai mesmo.
    • Edivaldo Machado
      Série boa pra quem tem insônia.
    • Guti Oliveira
      gostei tbm tanto hanna marissa e erik sao personagens bem melhores na serie
    • Guti Oliveira
      pode ter gostado mais do file mais dizer que a serie nao aos pes do filme?porra nao fode final emocionante,...cliches nao sao ruins se sao bem usados
    • AtilaandJessica Silva
      essa serie é toooop dispensa qualquer critica..
    • Cristiane De Toni
      Falou muito, e falou bosta. Ameeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeei a série ela é muito melhor q o filme.
    • Everton Gomes
      Concordo!!!
    • Wilson de Oliveira Junior
      Concordo!
    • Matheus F
      Não é questão de moda Katiúscia é só uma forma de poder explorar como poderias ser o depois de determinados filmes afinal Hollywood esquece que nós cansamos de ficar esperando 2 anos pra ver uma continuação de 1he30min a 2h de filmes ou pior ainda nem saber o que virias depois.
    • Matheus F
      Concordo plenamente com você. Eles corrigiram falhas dos filmes como por exemplo o desempenho do pai de Hanna, na minha opinião eles conseguiram trazer uma boa serie com uma excelente trama que pode ser explorada ainda mais.
    • Guilherme B
      eu curti de mais a série, bem melhor que o filme.
    • Ghost
      Começa top, ai colocam um monte de cena nada a ver do episodio 3 pra frente, é muita ideologia também, achei que só a Netflix ia fazer isso, mas Amazon começou vacilar também, osso!
    Mostrar comentários
    Siga o AdoroCinema
    Séries mais esperadas
    Vis a Vis: El Oasis
    1
    Vis a Vis: El Oasis
    Elenco: Maggie Civantos, Najwa Nimri, Alba Flores
    Drama, Suspense
    Estreia
    20 de abril de 2020 em
    Todos os vídeos
    Defending Jacob
    2
    Defending Jacob
    Elenco: Chris Evans, Michelle Dockery, Jaeden Martell
    Drama, Suspense
    Estreia
    24 de abril de 2020 em Apple TV+
    Todos os vídeos
    Penny Dreadful: City Of Angels
    3
    Penny Dreadful: City Of Angels
    Elenco: Daniel Zovatto, Natalie Dormer, Nathan Lane
    Drama, Terror
    Estreia
    26 de abril de 2020 em Showtime
    Todos os vídeos
    Stargirl
    4
    Stargirl
    Elenco: Brec Bassinger, Joel McHale, Henry Thomas
    Ficção científica, Ação
    Estreia
    18 de maio de 2020 em DC Universe
    Todos os vídeos
    Novas séries mais esperadas
    Últimas notícias de séries
    Sexta Série: Mônica de Friends é a cura do coronavírus?
    NOTÍCIAS - Produção
    sexta-feira, 10 de abril de 2020
    Sexta Série: Mônica de Friends é a cura do coronavírus?
    La Casa de Papel: 5 cenas musicais que amamos
    NOTÍCIAS - Visto na web
    sexta-feira, 10 de abril de 2020
    La Casa de Papel: 5 cenas musicais que amamos
    La Casa de Papel: Pós-créditos podem ter revelado informações da Parte 5
    NOTÍCIAS - Visto na web
    sexta-feira, 10 de abril de 2020
    La Casa de Papel: Pós-créditos podem ter revelado informações da Parte 5
    La Casa de Papel: Personagens que amamos odiar
    NOTÍCIAS - Visto na web
    sexta-feira, 10 de abril de 2020
    La Casa de Papel: Personagens que amamos odiar
    Netflix confirma novo episódio de A Máfia dos Tigres
    NOTÍCIAS - Visto na web
    sexta-feira, 10 de abril de 2020
    Netflix confirma novo episódio de A Máfia dos Tigres
    Apple TV+: Conheça as principais produções originais do streaming
    NOTÍCIAS - Visto na web
    sexta-feira, 10 de abril de 2020
    Apple TV+: Conheça as principais produções originais do streaming
    Notícias de séries
    Back to Top