Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Carmen Sandiego: Crítica da 1ª temporada
    Por Barbara Demerov — 18 de jan. de 2019 às 16:36
    facebook Tweet

    Quando a pergunta deixa de ser "Onde está Carmen?" para se tornar "Quem é Carmen?".

    Nota: 4,0 / 5,0

    Além de tomar conta dos videogames e da televisão nas décadas de 80 e 90, a obstinada e talentosa ladra Carmen Sandiego acaba de ganhar seu devido espaço também via streaming. A primeira temporada da nova série da Netflix é uma mistura de investigação, ação e drama que não tarda em convencer e entreter o espectador – principalmente pelo vasto background apresentado através desta protagonista tão marcante da cultura pop.

    Diferente dos games, nos quais o jogador aprendia bastante sobre geografia e encontrava diversas referências sobre países ao longo das fases, a série toma um rumo bem interessante ao inverter as prioridades da história: ao contrário de apenas apresentar informações sobre diversas cidades, o enfoque principal é o espectador conhecer Carmen Sandiego de forma mais completa, ganhando uma noção que vai muito além do visual vermelho e estiloso e da personalidade forte.

    Ao focar na humanização de Carmen como argumento principal, a série entrega uma imagem bem coesa com relação a que já é conhecida. O mais interessante, no entanto, não é a primeira vez em que vemos a protagonista vestir seu look completo (que logicamente acaba por ser umas das passagens mais marcantes da temporada); o mais divertido é acompanhar seu caminho até aquela escolha de vestir a roupa e encontrar sua identidade na cor vermelha. Neste caso, não precisamos mais saber onde está Carmen Sandiego: a curiosidade que toma conta é a de sabermos quem é ela. As respostas são dadas aos poucos e sua origem, contada desde a infância, vai pavimentando um caminho humano e cativante – e a dublagem de Gina Rodriguez só ajuda nesse quesito.

    Encontrada em Buenos Aires por um dos professores da escola de vilões VILE, Carmen cresceu em meio ao conhecimento e a lições relacionadas a roubos. Nos dois primeiros episódios (80% do tempo compostos por flashbacks) vemos Carmen crescer nas Ilhas Canárias com sua "família" diferenciada, enquanto sonha em ser uma ladra profissional e viajar pelo mundo. As informações que vai guardando ao longo do tempo sobre inúmeros locais aguça ainda mais sua curiosidade – tanto que ela chega a entrar secretamente em uma missão de alunos mais velhos a fim de entender como tudo funciona na prática. O ponto de virada é quando Carmen vê que os métodos dos ladrões da escola não condizem com o que acha certo, e até o nome da instituição mostra outro significado (Vilões da Liga Internacional do Mal). A partir daí, a ingenuidade da protagonista vai dando lugar a uma consciência de que roubos podem ser mais que a busca por valores altíssimos como pagamento.

    Alterando seu ponto de vista sobre os crimes que ontem acreditava serem legítimos, Carmen (antes conhecida como Ovelha Negra pelos alunos e professores) se vê como fugitiva da VILE e dona de seu próprio futuro. A partir do 3º episódio e após todos os flashbacks serem vistos, Carmen Sandiego apresenta pela primeira vez a intro completa da série. Uma ótima sacada com relação à identidade da protagonista e de como ela finalmente se encontra preparada e dentro de seu inusitado padrão: uma ladra que rouba ladrões.

    De Casablanca às névoas de São Francisco, Carmen aos poucos vai se libertando do passado para focar cada vez mais em suas missões, que são bem divididas nos 9 episódios. Além da VILE, somos apresentados também a uma dupla de detetives da Interpol que, pouco a pouco, vão montando as peças do quebra-cabeças; aos irmãos Ivy e Zack; ao jovem Player, ajudante de Carmen que está sempre no computador (uma ótima referência aos jogos clássicos); e, enfim, a outra corporação chamada ACME, que sempre tentou encontrar e entender o que é a VILE. Com uma investigação atrás de outra investigação, o ritmo de Carmen Sandiego raramente perde fôlego, ganhando um gancho interessante a cada episódio.

    O visual da série é outro ponto a ser destacado de maneira bem positiva. Não só as cores como também o estilo do desenho criam uma atmosfera noir e ao mesmo tempo moderna graças aos diversos instrumentos que Carmen usa em ação (como o clássico batom que de batom não tem nada). Há também algumas semelhanças com outra animação protagonizada por uma jovem corajosa, Kim Possible, por conta da estrutura de "bem contra o mal" – apesar de Carmen ser um pouco mais complexa do que uma simples definição.

    Por estar entre os heróis e os vilões, é muito divertido acompanhar Carmen nos pequenos roubos dentro de grandes missões enquanto ainda tem de se preocupar com a VILE e a Interpol ao mesmo tempo. A dificuldade de se comunicar com o mundo afora é um pouco diminuída pelas conversas com Player (dublado por Finn Wolfhard), que foi seu primeiro contato fora da ilha que passou grande parte da vida. Apesar da falta de palavras em momentos-chave, Carmen é extremamente segura de si e é assim que seu impacto em cena é garantido.

    Carmen Sandiego deixa diversas perguntas sem respostas na finalização do primeiro ano da série, mas tais perguntas com certeza já são suficientes para manter a atenção de quem assistiu às novas aventuras da jovem ao redor do globo. Ao contar sua história de origem e ainda conseguir a proeza de deixar algumas páginas em branco para atiçar a curiosidade, a série certamente possui artifícios de sobra para garantir uma nova temporada sem cair no convencional.

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top