Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Black Mirror: Diretor deseja transformar episódio 'USS Callister' em spin-off
    Por Katiúscia Vianna — 2 de jan. de 2018 às 12:31
    facebook Tweet

    Toby Haynes também revela referências de Star Wars no badalado episódio.

    Atenção: esta notícia contém SPOILERS sobre a 4ª temporada de Black Mirror! Leia por sua conta e risco!

    Nerds de todo o mundo ficaram animados com "USS Callister", episódio da nova temporada de Black Mirror, recheado de referências sobre Star Trek. Escrito por Charlie Brooker e William Bridges, ele começa como uma paródia do famoso show, onde o Capitão Daly (Jesse Plemons) lídera sua equipe numa vitoriosa batalha. A surpresa é que tal nave trata-se de uma realidade virtual do protagonista, que usa o DNA de seus colegas de trabalho para recriá-los no mundo online, a fim de humilhá-los constantemente por "algo errado" que tenham feito no mundo real. É somente com a chegada da novata Nanette Cole (Cristin Milioti) que o grupo tem a chance de se rebeliar contra o tirano.

    Mas será que tal trama, que encontra um final satisfatório, teria força para gerar sua própria série? Diante de um show cujos "episódios independentes" estão cada vez mais conectados, o diretor responsável por USS Callister, Toby Haynes, revelou que vê potencial para um spin-off:

    "Eu estava conversando com Louise Sutton [produtora deste episódio de de "Metalhead"] e ela veio com a incrível ideia de transformar numa série de TV. Eu adoraria fazer isso, pois esse é, provavelmente, um dos melhores pilotos de um show espacial. [...] Acredito que Charlie possa revisitá-lo em Black Mirror. Não sei se faria parte. Sou fã do show e adoraria trabalhar com toda a equipe novamente. Foi um presente!", contou em entrevista para o THR.

    Toby Haynes também explicou como determinadas cenas (inclusive a retratada acima) foram inspiradas em Star Wars.

    O diretor - que já trabalhou em episódios de SherlockDoctor Who - revelou que já sabe até como manter o personagem de Plemons na narrativa: "Existe essa ideia que ele ainda está vivo e uma pessoa seria incriminada por sua tentativa de homicídio. Quais impressões digitais podem ser encontradas naquele apartamento? Há tantas coisas que podemos fazer com isso. Cruzem os dedos, nunca se sabe!"

    Por fim, Haynes aproveitou para mostrar como "USS Callister" ainda apresenta referências sobre outra franquia bem famosa: Star Wars. O momento quando Nanette acorda na nave é uma alusão ao trailer de Rogue One (uma cena com Felicity Jones que acabou excluída do corte final nas telonas), enquanto a cena que traz Walton (Jimmi Simpson) tentando restaurar a nave teve inspiração na Cidade das Nuvens de Império Contra Ataca. Por fim, quando Daly transforma Shania (Michaela Coel) em monstro e diz "Take that thing to the bridge", essa é uma fala presente no original Guerra Nas Estrelas.

    Será que "USS Callister" tem potencial para ganhar seu próprio spin-off ou será apenas um sonho? Seja lá como for, já fica a dica: essa é a chance de dar mais espaço para as participações especiais de Kirsten DunstAaron Paul na história, não?

    Confira a crítica do AdoroCinema sobre os 6 episódios novos de Black Mirror!

     

     

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    • Cético Kaiba
      Complicado! Ao mesmo tempo é uma ideia interessante, mas eu gostei do final feliz dos tripulantes que venceram o tirano Daly. O Daly é um cara fechado que vai acumulando mágoa e finge que está tudo bem na frente dos colegas de trabalho. Com isso, ele externa os seus ressentimentos da pior possível através de jogo de realidade virtual que ele mesmo criou.Se existisse um jogo exatamente como o da série, quantas pessoas com a mesma característica do Daly não fariam o mesmo?É por isso que esta série é legal, porque nos leva à reflexão sobre o avanço e o uso da tecnologia e o impacto que ela pode causar nas nossas vidas. Muitas vezes as novas tecnologias são vendidas como se fosse melhorar as nossas vidas, mas nem sempre isso é verdade. Às vezes eles causam mais ônus do que bônus.
    Mostrar comentários
    Back to Top