Meu AdoroCinema
American Gods: "Me orgulho da série não ter medo de explorar os limites", diz Ricky Whittle (Entrevista exclusiva)
Por Laysa Zanetti — 18/06/2017 às 09:25
facebook Tweet G+Google

Conversamos com o intérprete de Shadow Moon na grandiosa nova série do Amazon Prime.

Ricky Whittle ganhou o carinho e a fidelidade do público quando deu vida a Lincoln na série The 100, da CW. Três temporadas depois, o britânico ganhou um novo desafio de presente: dar vida a um personagem que já existia há alguns (bons) anos na imaginação dos fãs, mais especificamente de um dos livros mais cultuados de um dos grandes autores da atualidade. E assim, o ator foi apresentado a Shadow Moon, e embarcou em um ambicioso projeto com Bryan Fuller, Michael Green e Neil Gaiman. Que time, hein?

Muitos são os elementos que tornam American Gods um ponto tão unicamente distinto entre o mar de séries que existem em todos os canais imagináveis. Seja a diversidade do elenco ou a intensidade com que aborda cada um de seus muitos assuntos em uma grandiosa alegoria de deuses e adorações, a série tem todo o potencial para ser um grande expoente sócio-político, e talvez já seja a ficção mais relevante na TV neste sentido.

E em meio a tantos personagens incríveis (no sentido mais literal da palavra), Shadow Moon é um homem mortal, que acabou de sair da cadeia e sabe fazer truques com uma moeda. Tudo o que ele deseja é voltar para a esposa, Laura (Emily Browning), mas acaba no epicentro de uma guerra entre novos deuses e deuses antigos. Ele não sabe exatamente o que está acontecendo com sua própria vida, mas nós tentamos chegar na raiz da questão.

O AdoroCinema conversou com Ricky Whittle e ouviu o que o ator tinha a dizer sobre o personagem, sua relação com Mr. Wednesday (Ian McShane) e Laura, as percepções políticas de American Gods e a importância de dar espaço para temas sensíveis na teleficção.

Onde você encontrou a inspiração para construir este personagem? Você já conhecia o livro antes de fazer a série?

Não conhecia Neil Gaiman, "Deuses Americanos" ou Shadow Moon, até os fãs do livro sugerirem meu nome para interpretar o personagem. Os produtores da série e do canal buscaram nas redes sociais pelo ator que os fãs queriam para fazer Shadow e, por sorte, chegaram no meu nome e me enviaram o projeto. Então, conversei com meu agente sobre isso e me colocaram no processo de seleção de elenco. Se não fosse pelos fãs, não conheceria esta série, então sou muito grato a eles. Foi aí que comecei a querer ler o livro. Nas minhas primeiras audições, não sabia muito sobre Shadow. Foi como fazer uma cinebiografia. Este personagem já existe há mais de 16 anos e eu queria entender quem ele era. Li opiniões dos fãs na internet, em blogs e coisas assim. Mas Michael Green e Bryan Fuller me impediram de ler o livro. Eles queriam que eu trouxesse mais carisma, ansiedade e medo para o meu personagem para torná-lo mais real na adaptação. Não terminei de ler o livro até terminarmos as gravações.

Especialmente na primeira temporada, Shadow passa por muitas coisas insanas e tudo é muito novo para ele, assim como é para você. Você recebeu alguma dica de Bryan Fuller ou Neil Gaiman para construir o personagem ou começou do zero?

Tenho uma grande responsabilidade de dar aos fãs do livro o Shadow que eles conhecem há tantos anos. Comecei com isso como base e estudei cada sequência conforme as interpretava, para fazê-lo ser real. Shadow é rodeado por esses personagens fantásticos, loucos e divinos como Mr. Wednesday, Mad Sweeney, Laura… E Shadow é o homem comum. Ele é o protagonista da série, nós seguimos a trama através de sua perspectiva, então eu tenho a responsabilidade de interpretar o personagem comum. Foi isso que trabalhei com Bryan, Michael e Neil quando ele veio ao set. Nós queríamos que ele fosse realista para que o público pudesse se identificar com ele.

Divulgação
Shadow e Laura Moon

Acho que a relação entre Shadow e Laura é muito interessante. Como você vê isso? E em que ponto eles estão nessa louca relação no momento?

É muito interessante porque Shadow só começa a viver quando ela morre. Apesar de amar Shadow, ela não dava valor ao que eles tinham até morrer. E foi ele quem literalmente a reviveu. Ele é a razão de ela estar viva. Shadow ainda não se acostumou com isso [...] As circunstâncias em que ela morreu e o fato de ela ter um caso com seu melhor amigo destruíram a imagem que Shadow tinha de sua mulher [...] Agora, o jogo virou. No momento, ela o ama mais do que ele a ama porque Shadow está com o coração partido. Eles têm um futuro juntos? Não sei. Sei que é isso que o público quer, mas Laura vai ter que se esforçar para reconquistar o coração de Shadow. Ele está com o coração partido, mas no fim das contas, ela é o amor de sua vida. Sei que os fãs querem que eles fiquem juntos e acham que ela o merece, então acho que essa será uma história que Michael e Bryan terão que descobrir juntos ao lado de Neil Gaiman.

"Gosto de Laura não ser uma pessoa muito agradável", diz Emily Browning (Entrevista exclusiva)

E quanto ao Mr. Wednesday? Você acha que Shadow confia nele ou não?

Ele definitivamente não confia no Mr. Wednesday. Acho que Shadow não confia em ninguém e acho que é por isso que ele está sempre na defensiva. Ele não acredita na magia, não acredita nos deuses, não acredita em nada do que está acontecendo, não acredita no que está vendo. A jornada de Shadow nessa primeira temporada foi a jornada de um crente. Ele não sabe se o que está vendo é real ou não. Ele é louco ou não? Então, o seu dilema é tentar acreditar no que está acontecendo ao seu redor. Mr. Wednesday é um desses elementos nos quais não acredita. Ele fala muito, mas fala sobre coisas loucas e impossíveis. Shadow vê Mr. Wednesday como um velho senil e Mr. Wednesday precisa continuar tentando convencer Shadow a acreditar.

Nesta temporada, vocês exploram aproximadamente um terço do livro, certo?

Um quinto.

Então vocês tem muito material pela frente.

Sim, só vimos uma pequena parte do livro.

Qual é a importância política da série? A trama explora questões como racismo, a religião e o sexismo. Como você vê essas questões e como elas te afetam enquanto ator?

Tenho muito orgulho de participar de séries que não têm medo de explorar os limites, que são inovadoras. São histórias e temas que precisam ser abordados, que precisam estar nas manchetes. Temos a inovadora e controversa cena com os dois personagens muçulmanos gays. É uma história muito bonita contada por dois atores incríveis, que a interpretaram de uma forma muito bela. Essa é uma história real que precisa ser contada ao redor do mundo, que pode inspirar as pessoas ao redor do mundo através de modelos com os quais podem se identificar, personagens que podem admirar. Isso é muito positivo. As pessoas se sentem muito solitárias hoje em dia porque não se sentem representadas, e a nossa série representa os gays, as mulheres, os credos religiosos, os imigrantes. A mensagem de nossa série é que as pessoas podem acreditar no que quiserem. Em suas jornadas pessoais, cada um tem suas dificuldades e suas personalidades, mas não importa no que eles acreditam — desde que acreditem isso [...] É empolgante ter uma série como essa no clima político em que nos encontramos. American Gods não é só entretenimento, também é uma série educativa que conta histórias muito importantes, que faz com que as pessoas estejam cientes das coisas que acontecem no mundo.

Qual foi a cena mais difícil para você nessa temporada?

Foram muitas cenas difíceis. Há uma em que meu personagem fica pendurado em uma árvore, logo no primeiro episódio. Filmamos isso essa cena no Canadá, em uma madrugada de abril, então eu estava congelando. E a máquina de fazer chover me fez ficar molhado o tempo inteiro. Nós filmamos durante tantas horas que eu quase peguei uma pneumonia. Desculpa, quis dizer hipotermia, porque a minha temperatura corporal estava muito baixa. [...] Então, fisicamente, essa cena foi muito difícil. Mentalmente, a temporada toda foi muito difícil para mim. Interpretar Shadow foi muito intenso porque ele está em todas as cenas, precisa reagir a tudo que acontece. Neil Gaiman escreveu esses belos monólogos que eu preciso interpretar com apenas um olhar porque esses monólogos são internos. Isso foi difícil. Acho que a cena mais difícil foi a de quando ele finalmente consegue falar com Laura, quando ele finalmente consegue falar com ela sobre tudo que queria falar desde que ela morreu. É uma belíssima cena e eu adoro trabalhar com Emily Browning. Nessa cena, vemos um Shadow diferente, vemos sua dor, sua vulnerabilidade, sua mágoa. Foi a cena mais difícil mentalmente.


American Gods é exibida no Brasil pelo Amazon Prime, e a primeira temporada contará ao todo com 8 episódios.
facebook Tweet G+Google
Links relacionados
Pela web
Comentários
Mostrar comentários
Siga o AdoroCinema
Top séries
Game of Thrones
1
Direção: Mark Mylod, Daniel Sackheim, Alik Sakharov
Elenco: Emilia Clarke, Peter Dinklage, Lena Headey
Drama, Fantasia
Lucifer
2
Direção: Eagle Egilsson, David Paymer, Tim Matheson
Elenco: Tom Ellis, Lauren German, D.B. Woodside
Drama, Fantasia
Grey's Anatomy
3
Direção: Michael Pressman, Ron Underwood, Tony Goldwyn
Elenco: Ellen Pompeo, Ellen Pompeo, Justin Chambers
Drama, Médico
Vikings
4
Direção: Kelly Makin, Ben Bolt, Helen Shaver
Elenco: Travis Fimmel, Katheryn Winnick, Clive Standen
Aventura, Drama
Séries mais consultadas
Últimas notícias de séries
Oprah Winfrey encomenda série do roteirista de Moonlight
NOTÍCIAS - Produção
quinta-feira, 17 de agosto de 2017
Oprah Winfrey encomenda série do roteirista de Moonlight
HBO sofre novo ataque, dessa vez no Twitter e no Facebook
NOTÍCIAS - Visto na web
quinta-feira, 17 de agosto de 2017
HBO sofre novo ataque, dessa vez no Twitter e no Facebook
Sense8: Site de vídeos pornô se oferece para produzir a terceira temporada
NOTÍCIAS - Visto na web
quinta-feira, 17 de agosto de 2017
Sense8: Site de vídeos pornô se oferece para produzir a terceira temporada
Os Defensores: Sigourney Weaver fala sobre seguir "direções nada clichês" como nova vilã da Marvel (Entrevista Exclusiva)
NOTÍCIAS - Entrevistas
quinta-feira, 17 de agosto de 2017
Os Defensores: Sigourney Weaver fala sobre seguir "direções nada clichês" como nova vilã da Marvel (Entrevista Exclusiva)
Netflix rejeitou The Handmaid's Tale, Mr. Robot e Transparent
NOTÍCIAS - Negócios
quarta-feira, 16 de agosto de 2017
Netflix rejeitou The Handmaid's Tale, Mr. Robot e Transparent
Game of Thrones: Veja as imagens do penúltimo episódio da 7ª temporada, 'Beyond the Wall'
NOTÍCIAS - Visto na web
quarta-feira, 16 de agosto de 2017
Game of Thrones: Veja as imagens do penúltimo episódio da 7ª temporada, 'Beyond the Wall'
Notícias de séries
Novas séries mais esperadas
The Good Doctor
1
The Good Doctor
Drama, Médico
Estreia
25 de setembro de 2017 em ABC
Todos os vídeos
Young Sheldon
2
Young Sheldon
Comédia
Estreia
25 de setembro de 2017 em CBS
Todos os vídeos
The Gifted
3
The Gifted
Drama, Fantasia
Estreia
2 de outubro de 2017 em FOX
Todos os vídeos
Dynasty (2017)
4
Dynasty (2017)
Drama, Novela
Estreia
11 de outubro de 2017 em CW
Todos os vídeos
Novas séries mais esperadas
Back to Top