Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    O Que Ficou Para Trás: Crítica do filme de terror da Netflix
    Por Kalel Adolfo — 4 de nov. de 2020 às 13:47
    facebook Tweet

    O Que Ficou Para Trás inova ao metaforizar os horrores da imigração utilizando o subgênero das casas mal-assombradas.

    NOTA: 3,5 / 5,0

    Nos últimos anos, o terror vem potencializando a sua capacidade de abordar inúmeros conflitos sociais. Mais do que nunca, cineastas utilizam o gênero para expressar as maiores angústias da humanidade, como o racismo e a violência. Não se engane, este sempre foi o papel do horror. Contudo, filmes como Corra! — de Jordan Peele — e Uma Noite de Crime estão ajudando a popularizar o aspecto político dessa vertente cinematográfica.

    Agora, O Que Ficou Para Trás se torna a obra mais recente a embarcar neste movimento. Distribuído mundialmente pela Netflix, o primeiro longa de Remi Weekes é a prova de que o terror vem assumindo um viés muito mais reflexivo. Ainda há espaço para os títulos mainstream como Invocação do Mal e Sobrenatural. Porém, além de tomar sustos, o público deseja ter uma experiência complexa, que converse com os tempos atuais.

    Se isso é o que você procura, His House irá agradar. A trama acompanha Bol (Sope Dirisu) e Rial (Wunmi Mosaku) buscando abrigo na Inglaterra após fugir do Sudão, que estava em guerra. Ao desembarcar em terras inglesas, o governo lhes oferece uma residência e tudo parece um sonho.

    No entanto, o recomeço se transforma em um pesadelo quando o casal descobre que a nova casa está assombrada por espíritos malignos. Ao tentar escapar da moradia, as autoridades questionam as motivações da dupla, e os riscos de deportação aumentam. Por isso, eles devem enfrentar a ameaça paranormal sozinhos, sem levantar grandes suspeitas dos órgãos de fiscalização.

    Os 9 filmes de terror mais pesados para assistir na Netflix em 2020

    Como drama social, o filme é eficaz. Há um senso de injustiça constante pairando sobre a história desde os primeiros minutos. O sistema de imigração — apesar de útil — está longe de ser acolhedor. Os refugiados sofrem desde o momento em que precisam abandonar seus lares, e esse desespero não é aliviado pelas pessoas responsáveis por ajudá-los.

    Muito pelo contrário: para conseguir manter a estadia no país, Bol e Rial não podem trabalhar para completar a renda, ter animais de estimação ou até receber amigos em casa. Para nós, todas essas atividades são banais e inerentes ao exercício da cidadania. Porém, para os imigrantes, o básico se torna um privilégio.

    Felizmente, Remi Weekes consegue capturar tudo isso sem soar panfletário. Não apenas o cineasta denuncia a precariedade dos sistemas migratórios, como também cutuca a ferida da xenofobia. Admitindo ou não, todos nós sustentamos traços e comportamentos que perpetuam o preconceito com o estrangeiro. His House os evidencia, e provoca o espectador a se colocar em posições que nunca pensou em ocupar.

    Inclusive, a obra não poderia chegar em um período mais oportuno, já que estamos vendo líderes mundiais construindo muros para isolar populações, e os chineses vêm se tornando alvos de ataques racistas desde o início da pandemia.

    6 filmes de terror na Netflix que até os medrosos vão conseguir assistir

    Porém, nem tudo é perfeito: como filme de terror, O Que Ficou Para Trás não abre espaços para a subjetividade. Os espíritos aparecem frequentemente durante o longa, e em certo momento, nos acostumamos com os rostos macabros que habitam a casa. Ao banalizar o sobrenatural, a experiência perde boa parte de sua tensão.

    Além disso, a produção falha em criar uma atmosfera ambígua. As respostas são rapidamente entregues ao público, e acabam simplificando uma experiência que poderia ser mais engenhosa.

    A revelação do passado do casal reitera a culpa que muitos refugiados carregam por sobreviver, e expandem o sentimento de não pertencimento que a obra tanto almeja passar ao público. Contudo, ao explorar o horror, a produção não alcança a mesma relevância e inventividade.

    Mesmo assim, His House entrega bons resultados. Mais autoral e menos apegado às convenções do terror, a nova aposta da Netflix inova ao trazer uma abordagem inédita ao subgênero das casas mal-assombradas. Desta vez, os fantasmas não são apenas consequências diretas da morte. Agora, as aparições também são reflexos de um passado traumático que precisamos aceitar para superar.

    Lançamentos da Netflix em Novembro para filmes e séries

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    • Lucas Alexandre
      Bosta é seu comentário.
    • ASA arq
      Inclusive, a obra não poderia chegar em um período mais oportuno, já que estamos vendo líderes mundiais construindo muros para isolar populações, e os chineses vêm se tornando alvos de ataques racistas desde oinício da pandemia.Que bosta...
    Mostrar comentários
    Back to Top