Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Matthias e Maxime: Para Xavier Dolan, jovens estão mais evoluídos em relação à fluidez de gênero (Entrevista)
    Por Barbara Demerov — 28 de ago. de 2020 às 11:30
    facebook Tweet

    Seu novo filme, um drama romântico entre dois amigos de longa data, estreia diretamente na MUBI.

    Matthias e Maxime, filme de Xavier Dolan que concorreu à Palma de Ouro no Festival de Cannes 2019, chegou ao catálogo da MUBI (saiba mais sobre o serviço de streaming aqui). 

    Na trama, dois melhores amigos de infância são convidados a compartilhar um beijo com o propósito de atuarem em um curta-metragem. Logo, uma dúvida persistente se instala, confrontando ambos com suas preferências, ameaçando a irmandade de seu círculo social e, eventualmente, mudando suas vidas.

    Aproveitando a estreia de Matthias e Maxime, o AdoroCinema entrevistou Dolan sobre seu projeto. Além de dirigir, o cineasta canadense também é o roteirista da história e atuou como um dos protagonistas. Confira a conversa completa abaixo:

    AC: Você dirigiu, atuou, escreveu, editou e também fez o figurino para esse filme. Dizem que, possivelmente, a partir de agora as equipes serão menores por causa da pandemia da COVID-19. Você acredita que cineastas multitarefa como você estarão em uma "vantagem"?

    Obviamente fiz isso cercado e auxiliado por pessoas, artistas sem os quais eu mal seria capaz de funcionar. Tenho trabalhado com Pierre-Yves Gayraud agora em figurinos para dois filmes. Eu amo trabalhar com ele. Tomamos todas as decisões juntos e ele supervisiona o departamento. Tenho fé absoluta nele e em seus gostos. Posso ser multitarefa, mas eu só posso prosperar quando estou cercado por outros artistas que me dão sua opinião e conselhos, e não têm medo de me criticar. Sempre foi assim para mim e, espero, sempre será.

    AC: Por que você optou por cortar a cena do beijo (que marca muito essa história), sem mostrá-la por completo?

    Em algum momento a cena existia no roteiro, mas eu a tirei e cortei antes do beijo. Eu queria que as pessoas antecipassem o segundo beijo. Acho que, a partir do momento em que cortamos o beijo no curta-metragem, meio que sabemos, ou talvez até esperamos que haja um segundo. Não é? Talvez eu estivesse errado sobre isso.

    AC: O desenvolvimento do romance entre eles é muito sutil, mas todo o ambiente em que os personagens vivem também é muito interessante. O que você acha que chama mais atenção em seu novo filme?

    Eu adoraria pensar que as pessoas são atraídas pelas várias amizades neste filme. Entre "os meninos", entre Matthias e Maxime, e até entre mulheres, em algum momento. O filme foi uma declaração de amor aos meus amigos. Espero que as pessoas tirem um certo senso de companheirismo.

    AC: Você é um cineasta que vem de uma geração que fala da sexualidade como algo mais fluido e dinâmico. Como isso influencia a maneira como seus filmes lidam com esses temas, em comparação com os cineastas mais antigos?

    Na verdade, não sou desta geração. Tenho 31 anos! Fluidez sexual ou fluidez de gênero são noções que eu ignorava por anos - e era tão pouco familiarizado quanto as pessoas mais velhas ao meu redor - quando se tornou mais comum falar sobre isso abertamente, na mídia. Eu realmente sinto que a geração mais jovem está muito mais evoluída nesse nível do que a minha. Claro, não há idade para se livrar dos rótulos. Sempre destaquei personagens queer, sempre tive uma agenda, no fundo, quando se tratava de mostrar essa diversidade. Mas venho de um lugar muito mais tradicional e muitas vezes sinto que minhas opiniões e instintos sobre o assunto estão ultrapassados. Então eu leio e mantenho minha mente totalmente aberta, disposta a aprender e se adaptar.

    AC: Qual é o seu critério para atuar em seus próprios filmes? Você sente uma conexão que precisa ser ampliada, além de dirigir e escrever essas histórias?

    É bem simples. Só me pergunto se me encaixo na história ou não depois que a ideia existe. Eu não me forço nisso, nunca. Eu me elenco como se tivesse escolhido qualquer outro ator.

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    • Jonas Furtado Bittencourt
      Virou moda, nesse mundo moralmente degradado em que vivemos, falsamente vigilante quanto à questões sociais, e extremamente imaturo, afetado, e egocêntrico(especialmente no mundo do entretenimento) a insistência na pregação de pautas radicais de teor liberticida anarco-esquerdista que atacam frontalmente valores fortemente consolidados na sociedade ocidental, que são o cerne da vida da maioria dos cidadãos comuns deste hemisfério. É realmente inacreditável a cara de pau com que os membros da indústria do entretenimento, marcada por crimes como pedofilia, trabalho infantil, consumo de drogas ilícitas, entre outras coisas, sempre que podes se colocam como condutores de discussões políticas/sociais/econômicas como se obtivessem algum real prestígio no conjunto da sociedade. Isso claro com a ajuda de primeira hora dos meios de comunicação, muitos deles inclusive dependentes financeiramente dessa elite intelectual ocultista libertina, daí o ''estranho'' alinhamento ideológico de todas as grandes marcas de produtos, conglomerados de mídia, e empresariado no geral. Eu não sei vocês, mas eu não quero procurar inspiração ideológica, moral, e espiritual em um monte de gente drogada, mentalmente instável, que vive na base de códigos morais dúbios, em uma existência marcada por excessos. Eu como fã de cinema, música, entre outras expressões artísticas, me interesso mais na arte falando por si só, não em ver o artista pregando seus valores(ou a falta deles) por aí. Não é o fato de um ator, cantor, ou marca/empresa ter determinadas opiniões sobre determinadas coisas que incomoda, mas sim a constante PREGAÇÃO que esses mesmos fazem de pautas que nada tem a ver com seus trabalhos, eles usam seus filmes, séries, talk shows, e outras plataformas de mídias para tentar enfiar GOELA ABAIXO de todo mundo suas filosofias de vida, não atoa que hoje em dia as celebridades e figuras midiáticas no geral tem uma reputação tão ruim, com Hollywood sendo o centro. Se querem passar mensagens políticas, passem, só tentem ser sutis e não radicais e óbvios. Parem de confundir conteúdo provocativo com ativismo político.
    • Jonas Furtado Bittencourt
      Fluidez de gênero Kkkks...Legal o Adoro Cinema investir em humor de vez em quando
    Mostrar comentários
    Back to Top