Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    8 filmes e séries para entender os protestos e o conflito racial nos EUA
    Por Barbara Demerov — 2 de jun. de 2020 às 15:57
    facebook Tweet

    Produções essenciais para refletir sobre o #Blacklivesmatter e como essas questões não vêm de agora.

    Os protestos que estão acontecendo ao longo desta última semana nos Estados Unidos iniciaram-se por conta da morte de George Floyd, homem negro que foi assassinado por um policial branco em Mineápolis. O caso de George é apenas um dentre os milhares que acontecem no país ao longo dos anos, mas ganhou muita notoriedade devido à brutalidade do crime

    Diante da violência e intolerância vivenciadas pelos americanos (que ainda são refletidas em outros países do mundo), as pessoas chegaram a um limite. Mas não é correto dizer que tal revolta que estamos acompanhando no momento seja a primeira ou o início de um grande protesto em busca de direitos iguais, não importando a cor ou etnia.

    O preconceito racial existe há séculos e, no caso dos Estados Unidos - lugar em que a Klu Klux Klan nasceu e palco de uma segregação que permaneceu firme até meados dos anos 60 -, o cinema sempre serviu como plataforma para denunciar e disseminar informações relacionadas à questão dos direitos humanos, sempre essencial e, mais do que nunca, tão urgente.

    Abaixo, selecionamos 8 filmes e séries que são ótimos exemplos para que seja possível compreender a importância da luta contra o racismo e as injustiças que ele implica à população negra.

    Atlanta



    A série Atlanta criada e estrelada pelo talentoso Donald Glover traz uma visão detalhada com relação às dificuldades de um homem negro tendo de lidar com o preconceito e o racismo muitas vezes maquiados por faltas pretensões - além dos desafios da paternidade enquanto procura se encaixar no mercado musical. De forma provocativa, Atlanta alcança a proeza de misturar drama e comédia, risadas e reflexão em questão de minutos. Com uma variedade de episódios que mescla estilos tradicionais e outros mais experimentais, além de uma equipe de roteiristas composta inteiramente por profissionais negros, Glover e todos os personagens do elenco escancaram o racismo estrutural em uma sociedade comandada por brancos. Disponível na Netflix.

    Malcolm X



    Um dos grandes filmes do diretor Spike Lee, Malcolm X é estrelado por Denzel Washington e conta a história do ativista Malcolm Little, que fez história como líder afro-americano. Ao longo de 3h de duração, a produção passa por todos os pontos importantes da vida de Malcolm, desde a infância até a mudança de nome com inclusão do X, após sua conversão ao Islamismo. Seu altos e baixos são interpretados com louvor por Washington, que recebeu o Urso de Prata em Berlim e foi indicado ao Oscar.

    Fruitvale Station - A Última Parada



    Um dos tristes casos de violência policial gratuita nos Estados Unidos se transformou em um intenso filme chamado Fruitvale Station, que rendeu muitos elogios da crítica. Do diretor Ryan Coogler e protagonizado por Michael B. Jordan, o drama narra os eventos do último dia da vida de Oscar Grant, de 22 anos, e destaca o alto nível de injustiça contido nos atos de policiais americanos com jovens negros. Grant foi morto a tiros na estação que dá título ao filme. Em uma espécie de crônica, o filme possui ótimas atuações (em especial, de B. Jordan) e conquista sua atenção através da forma mais simples: com a preferência de Coogler em mostrar as particularidades de uma vida normal que pode ser interrompida drasticamente apenas pela cor de sua pele. Disponível no Prime Video.

    Infiltrado na Klan



    Em seu filme mais recente, Infiltrado na Klan, Spike Lee traz mais uma ficção baseada em fatos que surpreende por ser tão inusitada. Em 1978, Ron Stallworth (John David Washington), um policial negro do Colorado, se infiltrou na Ku Klux Klan local. Ele se comunicava com outros membros do grupo através de telefonemas e cartas. Quando precisava estar fisicamente presente, enviava um outro policial branco no seu lugar (Adam Driver). Com uma excelente montagem e trilha-sonora empolgante, Lee transforma uma história que poderia ser apenas assustadora em um conto com boas doses de humor. Desta forma, o diretor torna tudo mais acessível e certeiro, oscilando entre cenas que até rendem risadas e outras que impactam com um choque de realidade. Disponível no Telecine.

    Ponto Cego



    Este filme passou batido nos cinemas brasileiros mas merecia muito mais aclamação. Ponto Cego é um drama que mistura cenas fortes de violência policial contra homens negros e passagens em que letras de rap dizem tudo, como se fossem intervenções. Além disso, a trama também aborda a gentrificação na América do Norte e a amizade entre um homem negro que sofre com intolerância e um homem branco que age como se fosse negro. Lançado em 2018, o filme traz diversas discussões pertinentes para os dias de hoje e possui uma linguagem visual e narrativa muito poderosa e original. Disponível no Prime Video.

    Olhos que Condenam

    A minissérie Olhos que Condenam de Ava DuVernay para Netflix foi mundialmente aclamada e, mesmo lançada há um ano, teve sua atenção retomada diante dos protestos atuais. Em quatro episódios e cada um sendo focado em um dos adolescentes do Harlem que foram presos injustamente, acusados de estuprar uma mulher no Central Park, a produção é repleta de cenas fortes que destacam como algumas injustiças podem perdurar por décadas. Disponível na Netflix.

    A 13ª Emenda



    Também dirigido por DuVernay, o elogiado documentário A 13ª Emenda conta com uma narrativa em ordem cronológica que explica, através de entrevistas e até mesmo de filmes clássicos como O Nascimento de Uma Nação, detalhes sobre a História e a Constituição Americana. São inúmeros documentos, imagens e etc que provam que o racismo estrutural no país não é mera coincidência ou fruto de decisões erradas ao longo dos séculos, mas sim um projeto que foi muito planejado e registrado em documentos para provar sua legitimidade, mesmo perante à injustiça. Disponível na Netflix.

    Faça a Coisa Certa



    Em Faça a Coisa Certa, seu filme mais celebrado, Spike Lee representa a questão racial sob diferentes perspectivas, todas reunidas no bairro do Brooklyn, em Nova York, num ensolarado dia de verão. Como acontece muitas vezes na vida real, as situações começam com tirações de sarro e bravatas, até escalarem para um desfecho violento que expõe as muitas feridas abertas da sociedade norte-americana quando o assunto é integrar e respeitar todos os cidadãos da mesma forma. Disponível no Telecine.

    facebook Tweet
    Pela web
    Comentários
    • LAYDE DYANA Sierau
      Faltou nesta lista o incrível filme A Outra História Americana, também relacionado ao tema.
    Mostrar comentários
    Back to Top