Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Kati Critica: Guia de sobrevivência para os viciados em séries
    Por Katiúscia Vianna — 10 de nov. de 2019 às 09:00
    facebook Tweet

    Infelizmente, não temos dicas sobre como ganhar mais dinheiro para pagar tantos streamings... Mas a gente ajuda no resto!

    Senhoras e senhores, não julguem a futilidade alheia, pois a vida de seriador não é fácil. Ficar horas diante de uma tela parece ser algo típico de preguiçosos, mas essa não é a verdade. Tal arte demanda níveis de determinação inimagináveis. E se pensa que estou exagerando, lembre-se que, um dia, a vida boemia do samba foi considerada crime de vagabundo, então... Criticas sociais a parte, fica difícil manter uma rotina saudável de seriador, num mundo onde você piscou e surgiu um novo serviço de streaming para adicionar 34 novos programas aos 192 que você já acompanhava nos canais "comuns".

    Refletindo sobre tal dilema, decidi fazer um guia para ajudar os necessitados. No caso, as pessoas que têm mil séries para ver, mas não sabem como equilibrar tudo em dias de apenas 24 horas. Infelizmente, ainda não existe uma forma de pausar o tempo ou algo assim, mas têm jeitinhos brasileiros para se virar: Então pegue papel e caneta para anotar a receita — eu sempre quis dizer isso, que nem uma apresentadora loira de programa matinal de antigamente.

    Faça uma agendinha semanal

    Infelizmente, para viver em sociedade, precisamos cumprir tarefas, como trabalhar ou ir para colégio/faculdade. Então, não dá para passar maratonando coisas. Porém, isso não significa que tais dias precisam ser desperdiçados. Separe, pelo menos, uma série para ver segunda-feira toda semana; outra na terça, e por aí vai...

    Antes dos streamings, isso era conhecido como a rotina de qualquer seriador. Lembra daquelas revistas de grade de programação gigantes que vinham com a TV a cabo? Era para isso. Afinal, o brasileiro tinha que esperar chegar o domingo, para o Celso Portiolli apresentar novos episódios de As Aventuras do Superboy ou Lances da Vida. Só que, dessa vez, você define a grade de programação.

    Tenha sempre um Plano B

    Mesmo que você seja uma pessoa organizada a lá Monica (Courteney Cox) de Friends, saiba que todo seu planejamento irá dar errado, em algum momento. É a Lei de Murphy, não tem como fugir.

    Seja um compromisso que irá ocupar o horário que você usa para se atualizar nas séries de herói; ou a chegada da temporada de premiações, onde precisamos ver 326 filmes por semana, a fim de conferir todos os indicados ao Oscar antes da premiação... Sem falar quando a Netflix anuncia que vai lançar alguma temporada completa daqui um mês e você tem que correr, antes de pegar algum spoiler nas redes sociais.

    Aliás, vamos parar e conversar um minutinho?

    Se 13 episódios de uma série foram lançadas numa sexta-feira, que pessoa sem coração iria postar um spoiler do final ao meio-dia? Quem fica fora de casa 8 horas por dia, a fim de pagar boletos, ainda não teve a chance de ver um trecho do capítulo 2 ainda, queridinho. Tinha gente falando abertamente da morte da terceira temporada de Stranger Things na quinta-feira em que foi lançada! Que bom que você pôde ficar em casa para assistir, mas tenha o mínimo de noção com os amiguinhos que trabalham! Ou com aqueles que conseguiram tirar folga, mas decidiram dormir até tarde, pois são humanos e merecem um descanso nessa vida de proletariado. 

    Esqueça vida social

    Longe de mim querer colocar seriadores naquela caixinha de estereótipo, do típico ser isolado que fica no sofá de casa, vendo TV, cercado de migalhas de biscoitos. Tendo dito isso, é preciso aceitar fatos: quanto mais séries você assiste, menos tempo de vida você tem para outras coisas. E de repente, nos encontramos como equilibristas, tentando arranjar tempo para cada coisa. Se manhãs são para contemplação e café; fins de semana foram feitos para colocar as séries em dia.

    Quando somos jovens, empolgação é achar alguma festa onde o ingresso seja grátis até dez da noite. Na vida adulta, sinceramente, não existe sensação mais confortante que dar play em algo, enquanto você fica encolhido na cama, coberto por um edredom, sabendo que terá algumas horinhas de folga. 

    Otimize o tempo

    Vivemos numa sociedade onde crianças aprendem a mexer em tablets aos 3 anos de idade e ninguém tem tempo para tirar o dispositivo USB com segurança. Então, qualquer tempo vago deve aproveitado para consumir nossas amadas séries, pois o ritmo de tudo é rápido. Já que somos uma geração acostumada a ver TV no celular, virou comum observar um pessoal assistindo séries no transporte público. Uma vez, estava prensada entre duas pessoas diferentes no metrô, ambas vendo Mindhunter e jogando na minha cara como estava atrasada na maratona. Me perdoa, Jonathan Groff!

    Humilhações a parte, esta é uma ótima ideia, desde que você tenha noção. Ver comédias de meia hora ou tramas mais focadas em roteiro do que visual, tudo bem. Mas nem toda série foi feita para tela pequena. Se os fãs mal conseguiram ver a batalha de Winterfell na TV, pois estava tudo escuro, imagina ver no visor do celular, em pé, no ônibus sem ar condicionado? Ao mesmo tempo, tenha cuidado, pois andar na rua com celular na mão é perigoso. Eu sou carioca e tenho medo de jogar Pokemon Go e ser assaltada enquanto corro atrás de Pikachu; imagina vendo série de 40 minutos?

    Também existe algo que uma grande amiga minha chama de "série de fazer unha". Trata-se daquele show que você está vendo mais por uma questão de apego e/ou costume do que por puro interesse. Tipo eu vendo a oitava temporada de The Vampire Diaries só porque anunciaram que seria a última... Ou eu vendo a oitava temporada de The Vampire Diaries, pois já investi oito anos de vida com vampiros e virou questão de honra e teimosia. Então, é o tipo de programa que você assiste enquanto faz uma outra tarefa simples, que dê para dividir atenção; como fazer as unhas ou varrer a casa. É algo bonito? Não. Mas sacrifícios são necessários.

    Entenda que irá falhar miseravelmente

    Amigos, sejamos sinceros: estamos no auge da Peak TV... Nunca iremos ficar totalmente atualizados nas séries. Sempre terá uma maratona para fazer ou algum show que ficou atrasado e você esqueceu no fundo da gaveta. Ainda mais se você é uma pessoa sociopata como eu, que sempre precisa ter alguma meta de vida para cumprir. Tipo, me formei no colégio para passar na faculdade, ganhei diploma para arrumar emprego; e estou trabalhando, faço o quê agora? Me planejo para começar maratona de Breaking Bad. Prioridades.

    Então, para quê todo esse guia de milhares de caracteres que escreveste, Kati? E a resposta é simples: isso é algo bom. Nunca podemos esquecer da mania esquisita do ser humano onde, por mais que tenhamos mil séries atualizadas, a gente sempre acaba adicionando uma nova na listinha, pois a tentação é maior que a razão. Então essa geração precisa aprender a "se virar nos 30" (beijos, Faustão!). Sem falar que minha vida está um caos de atrasos das minhas séries, então só consigo pensar nisso, logo transformei em tema de coluna, pois não tive tempo para pensar em outro. Esse é o ensinamento final, meus amigos: una o útil ao agradável.

    Moral da história: ver séries é uma arte, então nunca mais julgue o amiguinho que chorou quando mataram o dragão de Game of Thrones.

    facebook Tweet
    Pela web
    Comentários
    • Danilo
      Pagar tantos streamings ?! Na boa, se somar o valos de todos streamings deve sair mais barato que os pacotes básicos de tv por assinatura!!!
    Mostrar comentários
    Back to Top