Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Admirável Mundo Pop: Nunca haverá um ano como 1999 para o cinema
    Por Pablo Miyazawa — 04/03/2019 às 05:00
    facebook Tweet

    Por que isso aconteceu, até hoje ninguém explica. Mas é algo que precisa ser celebrado 20 anos depois.

    O que você costumava fazer há 20 anos, mais precisamente em 1999? Enquanto você pensa a respeito, te digo minha resposta: eu fui muito ao cinema. E nem poderia ser diferente. Hoje tenho certeza (e várias pessoas também acham) de que nunca houve um ano melhor que aquele para ver novos filmes. 

    Você pode argumentar que 1977 foi maravilhoso, que 1984 foi marcante, que 1994 foi poderoso, que 2007 foi especial. Mas admita, nenhum desses foi como 1999. A quantidade de obras cinematográficas únicas, relevantes e impactantes supera a de qualquer período na história dessa arte que tanto adoramos. Dessas, havia pouquíssimas continuações ou versões de franquias já estabelecidas em outras mídias (e pasme, nenhum filme de super-herói). Ao mesmo tempo, praticamente todos os diretores e astros que importavam se encontravam em atividade, enquanto diversas novas caras se estabeleciam. Tudo parecia moderno, ousado, de alto nível. Parecia o futuro chegando.

    Não é coincidência que 1999 foi também o mais importante da minha vida profissional, já que foi o primeiro ano em que realmente exerci a função de repórter de entretenimento. Eu trabalhava em uma revista de videogames e aos poucos passei a atuar nas outras publicações da editora -- no caso, a revista Herói, a qual mencionei na coluna da semana passada. Foi quando finalmente comecei a comparecer às míticas cabines de imprensa, para assistir aos filmes em sessões especiais para jornalistas com dias de antecedência em relação aos lançamentos oficiais.

    Posso dizer que tive a sorte dos novatos. Minha primeira cabine foi de certo filme de ação e ficção científica do que eu nem havia ouvido falar, mas que se provou bem importante mais tarde -- um tal de Matrix. Semanas depois, vi um certo Star Wars: Episódio I antes de todos os meus amigos.

    Matrix foi apenas um dentre dezenas de filmes marcantes de 1999.

    Ao longo dos meses seguintes (e também nos anteriores), fui ao cinema de modo obsessivo, praticamente toda semana. Sempre havia algo no mínimo interessante para se ver e quase sempre eram filmes com expectativa zero, que ninguém estava esperando. Lembro de cada sensação ao olhar para os ingressos que guardo até hoje daquele 1999 tão atípico, intenso e divertido, cinematograficamente falando. Na época, nem dava para notar que se tratava de um momento especial que não iria se repetir de novo. Era como se as coisas devessem ser boas daquele jeito.

    A imprensa da época, da qual eu começava a fazer parte, também não se deu conta de que algo diferente estava rolando. É claro que filmes bons são lançados todos os anos. A questão é que boa parte deles funciona somente na época em que são lançados, e não muito tempo depois disso. Já a safra de 1999, não: são muitos filmes que envelheceram bem demais. Alguns se tornaram clássicos em seus gêneros. Outros são os melhores de certos diretores. Até hoje, especialistas tentam explicar os motivos de 1999 ter rendido tantos longas-metragens incríveis -- há algumas boas teorias a respeito (esta aqui, inclusive, foi escrita naquele mesmo ano).

    Seria a inspiração causada pelo medo da virada do século, do bug do milênio, do fim do mundo? Um inesperado choque de gerações entre cineastas antigos e novos? Ou seria aquela rara convergência de fatores atípicos que leva a fatos extraordinários? Talvez tudo isso junto, com algum ingrediente mágico a mais temperando tudo -- alguma coisa que colocaram na água de Holywood, possivelmente? E tem outro fato interessante que pouca gente comenta: os videogames experimentaram um fenômeno semelhante de alta qualidade, mas um ano antes, em 1998. Talvez seja preciso estudar esses casos a fundo. Quem sabe eu ainda tente escrever uma tese acadêmica sobre isso.

    De Olhos Bem Fechados, o último trabalho do grande Stanley Kubrick, saiu em 1999.

    Mas vamos às evidencias que provam a singularidade espetacular de 1999. Começando pelos diretores: talvez não tenhamos outro ano em que tantas figuras essenciais lançaram seus filmes. Foi o ano de De Olhos Bem Fechados, o último projeto de Stanley Kubrick, que morreu naquele ano. Também tivemos obras de muitos premiados do Oscar, como Ang Lee (Cavalgada com o Diabo), Milos Forman (O Mundo de Andy), Woody Allen (Poucas e Boas), Oliver Stone (Um Domingo Qualquer), Martin Scorsese (Vivendo no Limite), Clint Eastwood (Crime Verdadeiro), Anthony Minghella (O Talentoso Ripley), Ron Howard (EdTV), Roman Polanski (O Último Portal), Steven Soderbergh (O Estranho), Sydney Pollack (Destinos Cruzados), Richard Attenborough (O Guerreiro da Paz) Barry Levinson (Ruas da Liberdade). 

    Ainda falando de diretores já indicados ao Oscar, 1999 teve grandes filmes de David Lynch (História Real), David O. Russell (Três Reis), Robert Altman (A Fortuna de Cookie), Alan Parker (As Cinzas de Angela), Pedro Almodóvar (Tudo sobre Minha Mãe), Alexander Payne (Eleição), Lasse Hallström (Regras da Vida), Norman Jewison (Hurricane - O Furacão), Sidney Lumet (Gloria), Spike Lee (O Verão de Sam), Sofia Copolla (As Virgens Suicidas), Franco Zeffirelli (Chá com Mussolini), Mike Leigh (Topsy-Turvy), Roland Joffé (Misteriosa Paixão) e Neil Jordan (Fim de Caso).

    Quer mais? Outros nomes menos premiados mas não menos respeitados também deixaram suas marcas em 1999: Tim Burton (A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça), David Cronenberg (eXistenZ), Sam Raimi (Por Amor), Wes Craven (Música do Coração), Chris Columbus (Homem Bicentenário), Mike Newell (Alto Controle), Jim Jarmusch (Ghost Dog), Rob Reiner (A História de Nós Dois), John McTiernan (Thomas Crown - A Arte do Crime), Luc Besson (Joana D'Arc) e Brad Bird (Gigante de Ferro). Olhando para todos esses nomes, é impossível não se surpreender com a seguinte constatação: 1999 foi o ano em que presenciamos os mestres consagrados nas décadas de 1970 e 80 trabalhando simultaneamente a muitos dos melhores diretores que estão em evidência ainda hoje. E isso porque ainda nem citei todos...


    Três Reis, de David O. Russell, é um dos grandes filmes de 1999 que pouca gente viu.

    Pensando nos gêneros, todos foram bem contemplados naquele 1999 saudoso que ainda considero pacas. Nos filmes de ação, dá para lembrar com carinho de A Múmia, 007 - O Mundo Não é o Bastante, O Colecionador de OssosArmadilha e O Troco. No suspense e terror não houve nada tão revolucionário, mas você deve ter visto 8 Milímetros, Fim dos Dias, Stigmata, Ecos do Além, A Casa da ColinaA Casa Amaldiçoada e Tentação Fatal. Já entre os produtos para adolescentes rolaram coisas importantes como 10 Coisas que Eu Odeio em Você, Segundas IntençõesVamos Nessa e American Pie - A 1ª Vez é Inesquecível. E ainda falando de romance, não dá para esquecer de Um Lugar Chamado Notting Hill, Noiva em Fuga, Nunca Fui BeijadaDe Volta para o Presente e Ela é Demais

    1999 também foi o ano das comédias ousadas como South Park: Maior, Melhor e Sem CortesComo Enlouquecer Seu ChefeAustin Powers - O Agente "Bond" Cama, Gigolô por Acidente, 200 Cigarros, Os Picaretas, Máfia no DivãO Paizão e Heróis Fora de Órbita. E de sucessos infantis que também emocionaram adultos como Toy Story 2, Tarzan, O Pequeno Stuart Little e Pokémon - O Filme.

    10 Coisas que Eu Odeio em Você foi o filme que lançou a carreira de Heath Ledger.

    No quesito "filmes importantes", 1999 teve o inspirador À Espera de um Milagre, de Frank Darabont, o mesmo diretor de Um Sonho de Liberdade. Foi o ano do ótimo O Informante, de Michael Mann, e de Meninos Não Choram, com a premiada atuação de Hilary Swank. E também de Dogma, o filme mais incendiário do então promissor Kevin Smith. E de Garota, Interrompida, que marcou a melhor performance de Angelina Jolie. E do belo documentário musical Buena Vista Social Club, de Wim Wenders. E foi nesse ano que duas obras importantes lançadas em 1998 enfim foram vistas fora de seus países de origem: o alemão Corra, Lola, Corra e o britânico Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes.

    Mas é impossível pensar em 1999 sem mencionar O Sexto Sentido, o grande sucesso de M. Night Shyamalan, que também lhe rendeu sua única indicação ao Oscar. E Magnolia, a obra-prima de Paul Thomas Anderson, então com apenas 29 anos. E também o redundantemente belo Beleza Americana, a estreia de Sam Mendes na direção, que ganhou todos os prêmios possíveis daquele ano. 

    E por último mas não menos importantes, 1999 lançou filmes definidores de gêneros e influentes até hoje, como o experimento aterrorizante A Bruxa de Blair; o chocante manifesto Clube da Luta, de David Fincher; o bizarro e surrealista Quero Ser John Malkovich, de Spike Jonze; e o icônico e indispensável Matrix, das irmãs Lana e Lilly Wachowski; E claro, foi o ano que marcou a volta triunfal de Star Wars ao imaginário popular e aos cinemas após 16 anos, com Episódio I - A Ameaça Fantasma.

    Agora... cadê a máquina do tempo para eu voltar 20 anos e assistir a tudo isso de novo pela primeira vez?


    Pablo Miyazawa é colunista do AdoroCinema e consome cultura pop desde que nasceu, há 40 anos, de Star Wars a Atari, de Turma da Mônica a Twin Peaks, de Batman a Pato Donald. Como jornalista, editou produtos de entretenimento como Rolling Stone, IGN Brasil, Herói, EGM e Nintendo World.
    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    • Marcos Adriano Dams
      Foi um ótimo ano para o cinema.
    • Krauser Hellclown
      Uma verdade absoluta
    • Matheus
      Em 99 eu era um bb
    • Jc V.
      Concordo em gênero, número e degrau. Eu era muito jovem em 99, mas como um todo era um ano diferente. A virada do século. Uma aura de segunda chance pra humanidade. Diante do fim toda humanidade se sentia convidada a revisar tudo que foi feito até ali. E como dizem, artistas são tradutores do inconsciente coletivo, eles captaram todo essa energia e criaram obras memoráveis em sequência.Clube da Luta foi o mais marcante pra mim e ao meu ver previu, de forma sarcástica, o futuro que hoje vivemos: a geração de anarquistas vazios, de glamourização da violência, das idiossincrasias e de uma nova forma de militarismo e lavagem cerebral instantanea e contagiosa. A geração de uma masculinidade frustrada. Por outro lado, 1999 criou uma nova era de blockbusters que gradativamente veio a minar a liberdade criativa do qual tanto se beneficiou. Irônico, não?
    Mostrar comentários
    Siga o AdoroCinema
    Trailers
    Entre Facas e Segredos Trailer Legendado
    Brincando com Fogo Trailer Legendado
    Brooklyn - Sem Pai Nem Mãe Trailer Legendado
    Crime sem Saída Trailer (1) Legendado
    Synonymes Trailer Legendado
    Frozen 2 Trailer (1) Dublado
    Todos os últimos trailers
    Notícias de cinema Personalidades
    Morre Jack Burns, ator mirim da Netflix, aos 14 anos
    NOTÍCIAS - Personalidades
    quinta-feira, 12 de dezembro de 2019
    Tom Holland conta que chorou bêbado no telefone com Bob Iger por causa do Homem-Aranha
    NOTÍCIAS - Personalidades
    quinta-feira, 5 de dezembro de 2019
    Astro de Aladdin não conseguiu audições desde o lançamento do filme
    NOTÍCIAS - Personalidades
    quarta-feira, 4 de dezembro de 2019
    Festival de Berlim 2020: Helen Mirren será a grande homenageada
    NOTÍCIAS - Personalidades
    quarta-feira, 4 de dezembro de 2019
    Festival de Berlim 2020: Helen Mirren será a grande homenageada
    Shelley Morrison, de Will & Grace, morre aos 83 anos
    NOTÍCIAS - Personalidades
    segunda-feira, 2 de dezembro de 2019
    Shelley Morrison, de Will & Grace, morre aos 83 anos
    Últimas notícias de cinema Personalidades
    Filmes mais esperados
    Filmes mais esperados
    Back to Top