Meu AdoroCinema
  • Meus amigos
  • Meus cinemas
  • Notas Express
  • Minha coleção
  • Minha conta
  • Promoções
  • Desconectar
"Eu quis trazer o cotidiano de pessoas comuns", diz diretor de A Voz do Silêncio (Entrevista Exclusiva)
Por Barbara Demerov — 23/11/2018 às 16:08
facebook Tweet

Protagonizado por Marieta Severo e Arlindo Lopes, longa já está em cartaz nos cinemas.

Está em cartaz nos cinemas o drama A Voz do Silêncio, novo filme do diretor André Ristum que conta com Marieta SeveroArlindo Lopes no elenco. Tratando da solidão e do tempo como verdadeiros personagens que permeiam por todos os arcos, a obra também insere uma São Paulo caótica, barulhenta e sempre em movimento como base para os relacionamentos apresentados. Isolados por vontade própria ou simplesmente por conta do destino, este é um filme pessoal e ao mesmo tempo bem comunicativo para os nossos tempos.

O AdoroCinema teve a oportunidade de conversar com o diretor e seu elenco sobre o conceito da obra e como ela se conecta com a atualidade. Segundo Ristum, A Voz do Silêncio tem uma cadência muito particular em que é preciso mergulhar na vida das personagens envolvidas em uma trama que capta, mesmo que sem muito otimismo, a amplitude do cotidiano.

Confira a entrevista completa abaixo:

O tempo é o maior protagonista do filme ou a solidão?

André Ristum: A solidão conversa com todos os personagens e é uma das coisas que me levou a juntar todas as histórias. A Voz do Silêncio nasce, na verdade, de personagens, com a observação da vida e do cotidiano. Eu não queria trazer um grande acontecimento, mas sim o cotidiano de pessoas comuns. Dentro desta observação, eu em algum momento detectei que várias histórias tinham essas coisas em comum: os afetos esgarçados, a loucura em diferentes patologias... Então, juntei tudo em um filme só. Como eu sou muito fã de Magnólia e Short Cuts, essas produções me serviram de inspiração para tentar encontrar uma costura entre todos os personagens para contar a grandiosidade através da vida deles. O tempo é, sim, uma componente, mas talvez a falta de tempo seja uma componente ainda mais precisa.

Marieta Severo: Para mim é a solidão. O tempo é sempre o protagonista de tudo, mas todos os personagens são muito solitários aqui. E o modo como o André articulou a solidão destes personagens em termos de imagem foi surpreendente. Eu adorei a maneira como ele abre o filme, como coloca São Paulo como personagem, com as pessoas, o trânsito, a intensidade da cidade... E, com o tempo, como ele interliga tudo, mesmo que sutilmente. Este é um filme cheio de camadas.

Arlindo Lopes: Eu acho que o tempo é o antagonista enquanto a solidão é a verdadeira protagonista. Todos os personagens estão neste estado de solidão - alguns por escolha, outros por ainda estarem na batalha de se encontrar. Só o tempo vai dizer como todos eles vão digerir as situações nas quais se encontram.

O que te fez se aproximar do seu personagem?

Marieta Severo: Dificilmente eu vou pelo lado da identificação do personagem, é engraçado. Eu gosto que meus personagens sejam bem diferentes de mim. Isso me dá uma liberdade enorme para trabalhar. Pode não parecer, mas eu sou muito tímida e recolhida, bem mineira, então eu não gosto de ver a tela e pensar "essa sou eu". Eu mergulho no novo. Mas o que me atraiu muito foi o roteiro e a vontade de contar essa história. O aspecto que eu acho mais importante do filme, que é de uma atualidade terrível, é o aspecto do preconceito. A minha personagem é uma vítima do próprio preconceito, principalmente após expulsar o filho com AIDS de casa. Ela sucumbe à própria amargura e se envenena com o próprio veneno.

Arlindo Lopes: Eu visitei alguns grupos de apoio para soropositivos a fim de conhecer jovens e suas histórias. Eu vi muita coisa dolorosa, mas absorvi muito para o meu personagem. Mas ainda há muitos jovens que não procuram lugares como estes grupos e que vivem como o meu personagem, o Alex, que não conseguem se reiventar e não tratar como um tabu. Além dessa aproximação que tive nos centros de apoio, teve também a minha construção com a Marieta e a Stephanie de Jongh, que foram muito importantes para me entregarem novos elementos. Nós fizemos toda uma construção dos acontecimentos familiares que aconteceram até antes do que o roteiro aborda, e que esteve só ali entre a equipe.

Se a voz do silêncio alcancasse sua personagem ou a sociedade atual, o que você acha que ela diria?

André Ristum: "Este é o nosso espelho? Esta é a nossa vida?". E eu falo isso com relação ao todo, não só para o Brasil. A contribuição que eu adoraria que esse filme pudesse trazer é um pouco de reflexão. Se a cada cinco espectadores, um olhasse para o lado, já seria uma conquista para mim.

Marieta Severo: Para a minha personagem, seria "Me defende de mim!". Foi a primeira frase que me veio. Já para a sociedade, o que mais me preocupa e o que mais me dá vontade de falar é que o ser humano é múltiplo, complexo. O que há de melhor e pior habita dentro da gente. As nossas escolhas, o caminho que trilhamos, politicamente e socialmente, é o que vai determinar como as pessoas que fazem parte da sociedade vão evoluir. Então, se você tem um sistema à sua volta que estimula o que há de pior, os teus preconceitos, a não-aceitação - tudo isso que estamos vivendo -, o que há de pior no ser humano vai brotar e esta sociedade só vai piorar. Então, a voz que eu gostaria de ter é essa: se começarmos a plantar num terreno assim, não vamos colher coisas boas, porque todos nós vamos exercer o pior. Agora, eu acho que um bom terreno à nossa volta, de liberdade, de bondade, valorização do outro, pensamentos bons, aceitação e generosidade, faria com que todos nós sejamos melhores. Esta é a única voz possível neste momento.

Arlindo Lopes: Toda vez que eu assisto a A Voz do Silêncio ele me diz que nós precisamos nos conectar com quem está do nosso lado. O aparelho de celular é muito legal e ampliou nossas comunicações, mas eu sinto que rola um esvaziamento. Eu acho que falta um olhar para as pessoas invisíveis, seja para quem está te servindo na mesa ou para o porteiro que está todos os dias lá, na sua entrada e saída de casa. Acho importante saber um pouco sobre essas pessoas, conversar um pouco, porque há tantas histórias e beleza intricada no mundo.

facebook Tweet
Links relacionados
Pela web
Comentários
Mostrar comentários
Siga o AdoroCinema
Trailers
Aladdin Trailer Legendado
Tolkien Trailer Legendado
Brightburn - Filho das Trevas Trailer Legendado
A Juíza Trailer (2) Legendado
A Costureira de Sonhos Trailer Legendado
Hellboy Trailer Legendado
Todos os últimos trailers
Notícias de cinema Entrevistas
Depois a Louca Sou Eu: Débora Falabella aprende a rir de mesma na comédia de Julia Rezende (Visita a Set)
NOTÍCIAS - Entrevistas
sábado, 11 de maio de 2019
Depois a Louca Sou Eu: Débora Falabella aprende a rir de mesma na comédia de Julia Rezende (Visita a Set)
Mormaço: Atrizes comentam a "poesia absurda" do filme que mistura drama social e suspense fantástico (Exclusivo)
NOTÍCIAS - Entrevistas
sexta-feira, 10 de maio de 2019
Mormaço: Atrizes comentam a "poesia absurda" do filme que mistura drama social e suspense fantástico (Exclusivo)
Últimas notícias de cinema Entrevistas
Filmes da semana
de 16/05/2019
Kardec
Kardec
Diretor: Wagner de Assis
Elenco: Leonardo Medeiros, Guilherme Piva, Genézio de Barros
Trailer
John Wick 3 - Parabellum
John Wick 3 - Parabellum
Diretor: Chad Stahelski
Elenco: Keanu Reeves, Halle Berry, Laurence Fishburne
Trailer
UglyDolls
UglyDolls
Diretor: Kelly Asbury
Trailer
O Sol Também é uma Estrela
O Sol Também é uma Estrela
Diretor: Ry Russo-Young
Elenco: Yara Shahidi, Charles Melton, John Leguizamo
Trailer
A Espiã Vermelha
A Espiã Vermelha
Diretor: Trevor Nunn
Elenco: Judi Dench, Sophie Cookson, Stephen Campbell Moore
Trailer
A Grande Dama do Cinema
A Grande Dama do Cinema
Diretor: Juan José Campanella
Elenco: Clara Lago, Graciela Borges, Oscar Martinez
Trailer
Lançamentos da semana
Back to Top