Meu AdoroCinema
Em Chamas: “Eu queria mostrar a solidão e alienação dos jovens nos dias de hoje”, explica o diretor Lee Chang-Dong (Exclusivo)
Por Bruno Carmelo — 17/11/2018 às 09:50
facebook Tweet

O medo e a paranoia em um mundo sem sentido.

Estreou esta semana um dos filmes mais aclamados do último Festival de Cannes: Em Chamas, suspense de Lee Chang-Dong que venceu o prêmio dos críticos (FIPRESCI).

A história, adaptada de um conto de Haruki Murakami, gira em torno do jovem Jong-soo (Yoo Ah-In) que reencontra uma antiga amiga por quem tinha interesses amorosos, e o novo colega dela, um homem rico e misterioso que acaba de chegar da África (Steven Yeun, de The Walking Dead). Aos poucos, este último confessa praticar um crime regularmente, sem a mínima culpa, para o espanto de Jong-soo que se torna paranoico na intenção de impedir o próximo ataque.

Através de uma tensão permanente, a história mistura sexualidade, violência e mesmo a política internacional. O AdoroCinema conversou em exclusividade com o cineasta sobre Em Chamas:


O que o levou a acreditar que o pequeno conto de Murakami serviria a um longa-metragem? Qual liberdade você teve para modificar e expandir a história? 

Lee Chang-Dong: O conto de Murakami, "Queimar Celeiros", é sobre um homem que queima um celeiro (uma estufa, no caso do filme) como passatempo. O texto sustenta um pequeno mistério a respeito: ele realmente queimou o celeiro? O conto termina sem resolver isso, e eu me interessei pelo final ambíguo. Queria expandir esse pequeno e breve mistério de forma cinematográfica, com múltiplas camadas de mistérios maiores.

No início, Murakami queria ler o roteiro antes de assinar o contrato. Mas depois que enviamos, ele não comentou nada. Por isso, na hora de adaptar para o cinema, eu e a roteirista tivemos total liberdade. O filme foi realizado segundo as nossas próprias intenções e ideias.

Jong-soo (Yoo Ah-In), Hae-mi (Jeon Jong-seo) e Ben (Steven Ueun)

O filme dedica um tempo considerável à construção dos personagens, até apresentar o seu conflito principal. Como concebeu esta introdução?

Lee Chang-Dong: Podemos até falar sobre Em Chamas como um suspense que acompanha um mistério específico, mas é difícil vê-lo como um filme de gênero comum. Um suspense tradicional termina quando o mistério é revelado. Mas eu queria conectar o filme com o mistério de nossas vidas, o mundo em que vivemos, ao invés do fim do mistério da história.

Para produzir este efeito, os personagens e os cotidianos deles, especialmente no caso dos jovens, eram mais importantes do que a narrativa. O filme procura ligar e expandir o pequeno suspense cotidiano com uma tensão maior. Mas eu não queria usar a construção do clima apenas para construir uma trama de suspense. A intenção era oferecer uma experiência cinematográfica diferente, capaz de despertar tensão e manter o suspense mesmo sem nenhuma reviravolta evidente.

O aspecto mais chocante da revelação de Ben sobre sua atividade criminal é a falta de motivação. Podemos falar sobre uma natureza humana intrinsecamente violenta?

Lee Chang-Dong: Na verdade, Ben pode ter cometido este ato de violência ou não. Ele é um personagem sombrio, que talvez seja um assassino em série, ou apenas uma pessoa jovem, rica e mimada. Sua ambiguidade está ligada à ambiguidade deste mundo. De qualquer maneira, a personalidade dele transparece o vazio de um homem moderno, que pode fazer qualquer coisa devido à riqueza e quantidade de posses, mas que não pode fazer nada ao mesmo tempo.

No quintal de Jong-soo, ele fala sobre a moralidade da natureza. De acordo com o raciocínio dele, uma inundação que mata pessoas questiona a moralidade da natureza. Se alguém morre, há outro nascendo em algum lugar. Se na África morrem de fome, isso faz parte da lógica da sobrevivência do mais forte, é também a lógica do capital. Mas será que esta crueldade faria parte da natureza humana? Eu acredito que não.

O público é convidado a participar de um jogo de adivinhações e paranoia, porque as pistas podem ser verdadeiras ou não. Somos colocados em posição ativa. 

Lee Chang-Dong: Em Chamas é um filme que questiona o espectador o tempo inteiro. Entre os personagens, qual é a narrativa real? O cinema reflete os desejos ocultos do público. Hoje em dia, o público que vai às salas de cinema parece querer uma narrativa cada vez mais simples e fácil. Então, eu queria que ele decidisse qual a narrativa contaria para si mesmo.

O personagem principal, Jong-soo, é um contador de histórias em busca de sua própria narrativa como aspirante de escritor. Ben também diz que um dia quer contar a sua história para Jong-soo. Hae-mi, que conta histórias do poço, também pode ser uma contadora que constrói sua própria história. Qual é história que Ben quer contar um dia? A história da Hae-mi é verdadeira ou falsa?

De que maneira a tensão sexual entre os três personagens influencia no suspense? 

Lee Chang-Dong: Eu não queria enfatizar o desejo sexual neste filme. O desejo de Jong-soo está reprimido. Aparecem algumas cenas de masturbação no filme, e eu queria mostrar a solidão e alienação dos jovens nos dias de hoje. O sexo é uma parte importante da vida, especialmente para homens e mulheres jovens e solteiros. O sexo pode acontecer de repente como algo leve, mas às vezes tem que ser resolvido sem ninguém.

Hoje em dia, para os jovens na Coreia, Honbab (comer sozinho) e Honsur (beber sozinho) são práticas populares, assim como Honsex (sexo sozinho) se tornou uma rotina. Eu queria que o público percebesse que existe algo diferente na cena de masturbação. Como Hae-mi diz no filme, a masturbação é mais próxima do ato de “esquecer a falta” de um contato verdadeiro.

O filme trabalha com aspectos políticos claros como pano de fundo: a proximidade da Coreia do Sul com a Coreia do Norte, as decisões tomadas por Donald Trump... 

Lee Chang-Dong: O mundo em que vivemos hoje é curioso: por fora, ele parece cada vez mais materialmente abundante, sofisticado e adequado às pessoas. Mas a vida dos indivíduos se torna cada vez menor e insignificante. A desigualdade econômica está pior do que antes. No entanto, paira uma aparência de normalidade, como se nada estivesse errado. O mundo se tornou um enorme mistério.

Uma ligação telefônica no meio da noite é um elemento de tensão que encontramos em nossa vida diária. A política que acompanhamos nos noticiários da televisão, também. Todo mundo sabe que a política está errada, mas ninguém se revolta, porque temos a impressão de que nada vai mudar. O caso das Coreias, com a divisão entre o Norte e Sul, faz parte desse contexto, assim como o governo Trump. A vida cotidiana é governada por mistérios cotidianos, muita vezes esquecidos ou subestimados.

facebook Tweet
Links relacionados
Pela web
Comentários
Mostrar comentários
Siga o AdoroCinema
Trailers
Nós Trailer Legendado
O Retorno de Ben Trailer Legendado
Chorar de Rir Trailer Oficial
Cine Holliúdy 2 - A Chibata Sideral Trailer
A Cinco Passos de Você Trailer Legendado
Kardec Trailer
Todos os últimos trailers
Notícias de cinema Entrevistas
"É possível sim conviver com as diferenças", explica Démick Lopes sobre Greta, drama brasileiro LGBT exibido em Berlim (Exclusivo)
NOTÍCIAS - Entrevistas
terça-feira, 5 de março de 2019
"É possível sim conviver com as diferenças", explica Démick Lopes sobre Greta, drama brasileiro LGBT exibido em Berlim (Exclusivo)
Cinderela Pop: "Nenhuma princesa de hoje espera o príncipe chegar no castelo", diz escritora Paula Pimenta (Entrevista Exclusiva)
NOTÍCIAS - Entrevistas
segunda-feira, 4 de março de 2019
Cinderela Pop: "Nenhuma princesa de hoje espera o príncipe chegar no castelo", diz escritora Paula Pimenta (Entrevista Exclusiva)
Últimas notícias de cinema Entrevistas
Filmes da semana
de 14/03/2019
O Parque dos Sonhos
O Parque dos Sonhos
Diretor: Dylan Brown
Trailer
Maligno
Maligno
Diretor: Nicholas McCarthy
Elenco: Taylor Schilling, Jackson Robert Scott, Colm Feore
Trailer
Vingança a Sangue Frio
Vingança a Sangue Frio
Diretor: Hans Petter Moland
Elenco: Liam Neeson, Tom Bateman, Tom Jackson
Trailer
Suprema
Suprema
Diretor: Mimi Leder
Elenco: Felicity Jones, Armie Hammer, Justin Theroux
Trailer
Um Amor Inesperado
Um Amor Inesperado
Diretor: Juan Vera
Elenco: Ricardo Darín, Mercedes Morán, Claudia Fontán
Trailer
Sobre Rodas
Sobre Rodas
Diretor: Mauro D'Addio
Elenco: Lara Boldorini, Cauã Martins, Georgina Castro
Trailer
Lançamentos da semana
Back to Top