Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Sean Penn acha que #MeToo é um movimento "estridente" e "raivoso" que divide homens e mulheres
    Por João Vitor Figueira — 17 de set. de 2018 às 18:54
    facebook Tweet

    Ator, que já foi acusado de agredir Madonna e defendido pela própria cantora, tem uma visão polêmica sobre o movimento anti-assédio.

    Matt Winkelmeyer/Getty Images

    Sean Penn chamou o movimento #MeToo de "estridente" e "raivoso" durante entrevista ao programa de TV americano Today, exibido pelo canal NBC. A mobilização em questão ganhou projeção global quando mulheres da indústria do entretenimento se uniram para denunciar agressores e apoiar vítimas de assédio sexual em Hollywood após o escândalo que derrubou o infame produtor Harvey Weinstein.

    O ator estava promovendo a série de The First, uma produção original do serviço de streaming Hulu, quando suas opiniões controversas sobre a mobilização anti-assédio. "Nós não sabemos o que é verdade na maior parte dos casos", comentou o ator e diretor, que considera o #MeToo um movimento "vulgar". Quando a jornalista Natalie Morales solicita que Penn desenvolva melhor o uso do forte termo, o ator prosseguiu: "Vulgar no sentido de que você chama de movimento algo que, na verdade, é uma série de indivíduos, vítimas, acusações, algumas delas infundadas. O espírito de muita coisa que tem sido associada ao movimento #MeToo é dividir homens e mulheres".

    Ao ser contrariado pela jornalista, que afirmou que muitas de suas opiniões sobre o assunto seriam rechaçadas por mulheres, Penn alegou ter amigas que endossam o que ele diz. "As mulheres com quem eu converso quando não estou diante das câmeras, que eu escuto, de todos os perfis, chegam a um consenso sobre não se sentirem representadas pela maneira como a imprensa lida com o assunto", afirmou o vencedor do Oscar de melhor ator por Sobre Meninos e Lobos (2003) e Milk: A Voz da Igualdade (2008). Penn também disse que seria "atacado" por defender sua nada consensual visão sobre o tema.

    "Eu tenho muitas desconfianças de um movimento que mostra muita estridência e muita raiva sem nuances", revelou. "E quando as pessoas tentam discutir isso de uma maneira nuançada, a nuance em si é atacada. Eu acho que é tudo muito preto e branco. Quando as coisas são muito importantes é muito bom ir devagar."

    Com a fala, Penn é mais um nome da lista de homens — grupo que, estatisticamente, comete a maior parte dos assédios sexuais — que tem críticas ao #MeToo. Roman Polanski, condenado por pedofilia na década de 1970, já disse que o movimento é uma "histeria coletiva", Terry Gilliam comparou a mobilização com uma "máfia" e Michael Haneke considera que as denúncias representam uma "caça às bruxas".

    Em 2015 Sean Penn processou o diretor Lee Daniels depois que o cineasta usou "Ele não fez nada que Marlon Brando ou Sean Penn não tenham feito" como um argumento para defender o ator Terrence Howard de acusações de violência contra a mulher. Na década de 1980, quando Penn era casado com a cantora Madonna, tabloides publicavam notícias sobre casos de violência doméstica envolvendo o casal. Durante o processo de Penn contra Daniels, Madonna chegou a sair em defesa do ex-marido. "Estou ciente das acusações de um alegado incidente que ocorreu em junho de 1987, quando (de acordo com os tablóides), o Sean me bateu com um taco de basebol. Essas e outras alegações são completamente revoltantes, maliciosas, negligentes e falsas", disse a atriz na época.

    facebook Tweet
    Pela web
    Comentários
    • Douglas
      Mas ai que tá: o que ele questiona é que o movimento faz muito barulho e traz poucas provas. As mulheres que acusam que tem que provar as alegações, o que ele questiona é isso, a maioria ali não prova. E convenhamos, uma das idealizadoras do movimento ser uma pedofila (COMPROVADAMENTE), pegou mal demais.
    • Jonathan Kennedy
      concordo com ele em partes, as vezes as mulheres se precipitam demais e acabam fazendo essas alegações duvidosas.
    • Maicon Paim
      Pela primeira vez terei que concordar com Sean Penn
    • Jc V.
      Nem vou entrar no mérito de dizer se ele tá certo ou errado, pois ele comete o mesmo erro que ele alega que o #MeToo faz: Tá acusando as mulheres envolvidas de serem mentirosas sem apresentar provas. Isso por si só já desfaz qualquer argumentação.Mas o ponto é: Onde estava todo esse espírito justiceiro dos atores quando Harvey Weinstein abusava de uma mulher diferente a cada fim de semana? Daí eles fechavam os olhos.Criticar agora é fácil...
    Mostrar comentários
    Back to Top