Meu AdoroCinema
    20 anos sem o Brasil no Oscar de melhor filme estrangeiro: O que separa o cinema nacional da estatueta?
    Por Bruno Carmelo — 16/09/2018 às 10:00
    facebook Tweet

    O Grande Circo Místico tenta colocar nossa cinematografia na premiação.

    O cinema brasileiro atravessa um momento particular. Por um lado, nunca se fez tantos filmes quanto hoje, incluindo uma diversidade impressionante entre ficções e documentários, dos mais diversos gêneros. Uma safra talentosa de jovens cineastas tem aparecido com propostas ousadas (Affonso Uchôa, João Dumans, Adirley Queirós, Juliana Antunes, Gabriel MascaroJuliana Rojas, Marco DutraAlê Abreu etc.), enquanto os mais experientes se consolidam com projetos frequentes (Laís Bodanzky, Kleber Mendonça Filho, Anna Muylaert).

    Por outro lado, os profissionais do cinema se inquietam com os novos rumos da Ancine, que tende a privilegiar os sucessos do cinema comercial em detrimento de um cinema jovem e vigoroso. Paralelamente, a produção nacional encontra dificuldade de repetir as bilheterias estrondosas das comédias populares recentes (especialmente aquelas estreladas por Leandro Hassum, Ingrid GuimarãesPaulo Gustavo e Fábio Porchat), enquanto os recursos têm sido escassos para a promoção e distribuição do cinema nacional.

    O Som ao Redor

    Em meio a este panorama, o Brasil amarga a ausência de uma conquista simbólica: a vitória no Oscar de melhor filme estrangeiro. Em 2018, os vizinhos chilenos levaram a estatueta por Uma Mulher Fantástica. A Argentina já tem dois troféus (por A História Oficial e O Segredo dos Seus Olhos), enquanto países de produção restrita, como África do Sul e Argélia, já foram recompensados (por Infância Roubada e Z, respectivamente). 

    A última indicação do Brasil veio com Central do Brasil, em 1999. Antes disso, fomos indicados por O que É Isso, Companheiro? (1998), O Quatrilho (1996) e O Pagador de Promessas (1963). A próxima cerimônia, em 2019, pode marcar duas décadas em que o cinema nacional sequer figura entre os cinco indicados. A última vez que chegamos perto de uma conquista foi em 2008, quando O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias chegou à lista de pré-indicados, mas não figurou entre os finalistas.

    Central do Brasil

    A responsabilidade de colocar o cinema nacional de volta ao Oscar recai sobre os ombros de O Grande Circo Místicoescolhido para representar o país na disputa. A grande produção, realizada em parceria com Portugal e França, é dirigida por Cacá Diegues, cujos projetos levaram as cores do Brasil à premiação em seis outras ocasiões, e possui grande renome nos Estados Unidos devido a sucessos como Xica da SilvaBye Bye Brasil e Tieta do Agreste. As canções de Chico Buarque e a magia do circo também podem seduzir votantes estrangeiros.

    Mas o que tem separado o cinema brasileiro da premiação? Certamente, não foi a falta de bons representantes: O Som ao Redor figurou em diversas listas de melhores filmes do ano, Que Horas Ela Volta? seduziu espectadores e críticos em dezenas de países, Cinema, Aspirinas e Urubus foi ovacionado em Cannes, e Aquarius teria sido um dos nossos candidatos mais fortes de todos os tempos, caso tivesse sido escolhido para representar o país na disputa ao invés de Pequeno Segredo.

    O Grande Circo Místico

    Primeiro, é preciso compreender melhor a lógica da premiação. Algum tempo atrás, o consenso dos votantes privilegiava obras melodramáticas, de preferência ligadas a temáticas infantil e de guerra (A Vida É Bela, Indochina). Ultimamente, os três maiores festivais internacionais têm exercido um peso considerável nas indicações: a maioria dos indicados foi selecionada em Cannes, Berlim ou Veneza - caso de todos os vencedores do Oscar de filme estrangeiro desde 2011. 

    Ora, o Brasil ainda tem uma representação discreta nos maiores festivais internacionais. Com exceção de Berlim, muito afeito às produções sul-americanas, Cannes tem comprovado seu eurocentrismo nas últimas seleções, e Veneza parou de incluir o cinema nacional das mostras competitivas há décadas. Tivemos bons nomes em Sundance (Benzinho, Ferrugem) no último ano, além de Berlim (Tinta Bruta, Ex-Pajé), Cannes (O Grande Circo Místico) e Veneza (Domingo), mas fora das competições principais.

    Assunto de Família

    Além disso, nem todos os cinéfilos sabem do árduo caminho percorrido por um filme após ser escolhido como candidato de seu país. Não basta enviar o projeto aos votantes e torcer para ser indicado. Cabe ao diretor ou produtor viajar aos Estados Unidos e organizar sessões em diferentes partes do país, encontrando votantes e efetuando uma extensa campanha para seduzir os membros da Academia. A viagem tem seus custos, cobertos apenas parcialmente pela Ancine. A instituição forneceu R$ 150 mil para a divulgação de O Som ao Redor, por exemplo, enquanto Pequeno Segredo recebeu R$197 mil para toda a campanha.

    O Grande Circo Místico terá um longo caminho pela frente. O drama fantástico vai disputar uma vaga com concorrentes de peso, incluindo o japonês Assunto de Família, vencedor da Palma de Ouro em Cannes, o sul-coreano Burning e o belga Girl, multipremiados em Cannes, o paraguaio As Herdeiras, que levou dois prêmios em Berlim, e Sunset, o destaque húngaro da competição em Veneza. Países de forte tradição no Oscar, como a França e a Itália, ainda precisam definir os seus representantes.

    Cleiton Thiele
    Equipe de O Grande Circo Místico no Festival de Gramado

    Diante das dificuldades, seria legítimo questionar a importância da vitória no Oscar como reconhecimento da nossa cinematografia. Todo prêmio carrega um peso simbólico, é claro, além de garantir maior bilheteria aos filmes e assegurar sua distribuição em outros países. Mas a busca de reconhecimento pelo olhar estrangeiro é objeto de questionamento entre muitos cinéfilos e profissionais do cinema, com razão: por que precisaríamos de uma Academia internacional, representante da indústria norte-americana, atestando a qualidade da nossa produção?

    Vale lembrar as palavras da veterana Fernanda Montenegro em 2013, após ser indicada ao Oscar de melhor atriz por Central do Brasil: "Eles respeitam o prêmio lá fora, mas aqui [no Brasil] isso não significa nada. Aqui, se você ganha, [o sucesso] dura algum tempo. Mas se é indicado e não ganha, não dura tempo nenhum. Isso não traz vantagens a mais, em nenhum campo. Você não vai ter mais prestígio, não vai ganhar a mais, não vai ter ninguém trabalhando [para encontrar novos filmes para você]".

     

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    • Jonathan Kennedy
      infelizmente não temos oscars. mais poderia termos ganho uns 4 oscars se escolhessem o filme certo.
    • aff8
      O que separa o cinema nacional da estatueta?simples, a globo filmes.....
    • FSociety
      E o carinha ali em cima me respondendo mal só porque disse que o Brasil só sabe fazer novela kkkkk
    • FSociety
      Cara é questão de gosto desde pequeno nunca me interessei por produções nacionais e não é por causa de pesquisa não, é por causa de gosto mesmo entende? seria o mesmo que dizer que todo brasileiro tem que gostar de samba, funk, carnaval, pagode essas coisas que muitos gostam de falar que é cultura ha ha! e você dizer que eu gosto de pagar pau para produções americanas? Desde que o mundo é mundo eles são bons no que fazem queira você concordando ou não, enquanto o Brasil só sabe fazer filmes de favela, presídio, trafico policia corrupta e esses bla bla bla que tá batido nem novelinhas globais, acorda par realidade cara, muitos como eu gostam de qualidade cinema é entretenimento se eu quisesse assistir sobre trafico, presídio morte na favela assistia só jornal 24hrs por dia.
    • ғʀᴇᴅᴅʏ Ø Μ€ŞŦŘ€ ĐØŞ ŞØŇĦØŞ ☠
      Quando fazer um filme bom quem sabe..
    • José Guilherme P.
      É simples, o cinema brasileiro é fraco, é mesmice, focam em fazer comédias de péssima qualidade porque agradam a maioria, e se preocupam cada vez menos em fazer filmes com conteúdo. O filme 2 coelhos foi último filme nacional que assisti e que prestou, uma verdadeira obra-prima. A muito tempo não vejo um bom filme brasileiro.
    • Camara
      Acho que você precisa pesquisar um pouco mais sobre o cinema nacional, é isso que falta a população brasileira. Ao inves de ficar pagando pau para produções americanas, valorizar e atrás de mais produções do próprio pais.
    • Vidamell Vida R.
      Precisa de mais, nesse universo do cinema Brasileiro.
    • FSociety
      Brasil só sabe fazer novela, e olha que nem de novela eu gosto.
    • Um dois
      Nunca esquecerei que Aquarius estava sendo bastante elogiado e com grande possibilidade de ser indicado para melhor filme estrangeiro, e foi trocado por questões políticas brasileiras. O que me preocupa bastante nos filmes brasileiros é a fotografia e o modo como é filmado. Muitas vezes parece uma novela da globo que passa no horário das 18.
    • Jc V.
      Nosso cinema carece de identidade. Muito mais que qualidade a Acadêmia procura filmes cuja estética e conceito sejam bem definidos. No caso do Brasil não temos nem qualidade nem identidade.Mas, como diz o ditado, o único lugar que o Sucesso vem antes de Trabalho é no dicionário. Antes de tentar ganhar o Oscar a Ancine tem que se preocupar em fazer filmes realmente bons. Daí o reconhecimento será consequência.
    Mostrar comentários
    Siga o AdoroCinema
    Trailers
    Rambo: Até o Fim Trailer Legendado
    O Mal Não Espera a Noite - Midsommar Trailer (2) Legendado
    A Vida Invisível Trailer
    Depois do Casamento Trailer Legendado
    Asterix e o Segredo da Poção Mágica Trailer Legendado
    Sereia Predadora Trailer Original
    Todos os últimos trailers
    Notícias de cinema Festivais e premiações
    Festival de Toronto 2019: Adam Sandler pode receber sua primeira indicação ao Oscar por Uncut Gems
    NOTÍCIAS - Festivais e premiações
    sexta-feira, 13 de setembro de 2019
    Festival de Toronto 2019: Renée Zellweger se emociona ao ser aplaudida por cinebiografia de Judy Garland
    NOTÍCIAS - Festivais e premiações
    quinta-feira, 12 de setembro de 2019
    Bilheterias Estados Unidos: It - Capítulo 2 assusta geral e lidera com facilidade
    NOTÍCIAS - Festivais e premiações
    terça-feira, 10 de setembro de 2019
    Bilheterias Estados Unidos: It - Capítulo 2 assusta geral e lidera com facilidade
    Festival de Toronto 2019: Renée Zellweger ressurge rumo ao Oscar em cinebiografia de Judy Garland
    NOTÍCIAS - Festivais e premiações
    segunda-feira, 9 de setembro de 2019
    Festival de Toronto 2019: Renée Zellweger ressurge rumo ao Oscar em cinebiografia de Judy Garland
    Últimas notícias de cinema Festivais e premiações
    Melhores filmes em cartaz
    O Rei Leão
    O Rei Leão
    4,4
    Diretor: Jon Favreau
    Trailer
    It - Capítulo 2
    It - Capítulo 2
    4,2
    Diretor: Andy Muschietti
    Elenco: Bill Skarsgård, James McAvoy, Jessica Chastain
    Trailer
    Bacurau
    Bacurau
    4,0
    Diretor: Kleber Mendonça Filho, Juliano Dornelles
    Elenco: Sônia Braga, Udo Kier, Barbara Colen
    Trailer
    Velozes & Furiosos: Hobbs & Shaw
    4,0
    Diretor: David Leitch
    Elenco: Dwayne Johnson, Jason Statham, Idris Elba
    Trailer
    Divaldo - O Mensageiro da Paz
    3,8
    Diretor: Clovis Mello
    Elenco: Bruno Garcia (I), Regiane Alves, Ghilherme Lobo
    Trailer
    Yesterday
    3,6
    Diretor: Danny Boyle
    Elenco: Himesh Patel, Lily James, Ed Sheeran
    Trailer
    Todos os melhores filmes em cartaz
    Back to Top