Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Festival de Vitória 2018: Neville D'Almeida foi o grande destaque da 3ª noite
    Por Barbara Demerov — 6 de set. de 2018 às 11:20
    facebook Tweet

    Cineasta recebeu Troféu Vitória e ganhou exibição de documentário sobre sua vasta carreira.

    Barbara Demerov

    O clima de festa e homenagens continua rendendo bastante no Festival de Vitória. Em mais uma noite de casa cheia no Teatro Carlos Gomes, o homenageado da vez foi Neville D'Almeida, uma das principais figuras do Cinema Marginal. Com prêmio entregue por Mario Abbade, o cineasta (que completou 50 anos de carreira) deixou claro que seu amor pela sétima arte continua intacto. "O cinema é verdade, é liberdade em muitos aspectos", declarou após beijar o chão do palco em forma de agradecimento.

    Abbade, por sua vez, também se mostrou tocado por apresentar seu documentário Neville D'Almeida: Cronista da Beleza e do Caos. A obra não só é uma homenagem ao diretor como também possui muitas imagens raras de arquivo para compor sua trajetória. Com isso, a relevância fica ainda mais poderosa ao narrar momentos de seu cinema autoral, desde a Ditadura até os tempos atuais. "Quando procurei apoio financeiro de diferentes órgãos, chegaram a me dizer que era melhor fazer um filme sobre Neville quando ele estivesse morto; mas eu não desisti e, após passarmos no Festival de Roterdã, estamos aqui em Vitória".

    Pela segunda vez em três dias, a Mostra Competitiva de Curtas contou com quatro curtas dirigidos por mulheres. Duas ficções e dois documentários (sendo um destes mais se encaixando como docuficção). O Festival de Vitória claramente está de olho em ampliar o espaço da mulher no cinema e, felizmente, o saldo dos curtas apresentados está sendo positivo.

    Entre Pernas, dirigido por Ayla de Oliveira, aborda uma lenda pernambucana que assustou a população na década de 70. Usando e abusando de movimentos de câmera e até utilizando drones para captar algumas imagens, a diretora sabe aproveitar o suspense já intrincado neste mito, mas não o ultrapassa para contar uma história mais reforçada.

    O carioca Cravo, Lírio e Rosa, de Maju de Paiva, é uma ficção muito bem executada que envolve monstros - vampiros e mortos-vivos, e também monstros de nossa própria vulnerabilidade. Ao transmitir a delicadeza de duas irmãs, ambas se conhecendo através de seus corpos e de suas escolhas para se relacionar com o mundo, a diretora ainda insere elementos do horror que se baseiam na obra de Juliana Rojas e Marco Dutra. Sutileza, silêncio e encantamento andam de mãos dadas aqui.

    Maria, de Elen Linth e Riane Nascimento, e Braços Vazios, de Daiana Rocha, conversam muito entre si por terem como mote questões sociais cujas adversidades dificultam a vida de muitos ou, em casos mais drásticos, resultam em morte. No primeiro curta acompanhamos a rotina de uma travesti que adora a cidade em que mora, mas que precisa lidar com percalços diários relacionados a sua identidade. Um tema que já é abordado no cinema, mas que aqui toma forma de uma visão intimista aliada ao estilo "filme ensaio" – e uma performance poderosa de sua protagonista.

    O último curta da noite mescla ficção com o documental de forma singular especialmente por tratar de um assunto também já muito abordado cinematograficamente: a violência policial que resulta em mortes de inocentes. Braços Vazios pode ser considerado um exemplo no audiovisual de como é problemático o tratamento de policiais para com pessoas negras que residem em áreas periféricas, e felizmente ele consegue extrair mais do tema. A narrativa é feita a partir do ponto de vista de uma mãe que perdeu seu filho e segue a linha verídica ao reproduzir depoimentos reais de mulheres que sofrem com tal violência.

    Continue acompanhando nossa cobertura diária do Festival de Vitória por aqui!

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top