Meu AdoroCinema
CineOP 2018: “Ser atriz brasileira é sofrer muito”, afirma Maria Gladys (Entrevista)
Por Renato Furtado — 16/06/2018 às 08:00
facebook Tweet

A musa do Cinema Marginal é a grande homenageada desta edição da mostra mineira.

Leo Lara / Universo Produção

Maria é um nome que traz sorte, disse a parteira de Maria Gladys à mãe da atriz. E agora, 78 anos após o nascimento da intérprete, dançarina e musa do Cinema Marginal, o tempo fez questão de provar que a crença estava mais do que correta: a boa fortuna marcou a carreira da principal homenageada do CineOP 2018, a mostra de cinema de Ouro Preto. Em entrevista coletiva, um dia após a noite de abertura do evento, Gladys se reuniu com os jornalistas para relembrar sua extensa filmografia, uma obra plural que se confunde com sua trajetória pessoal e com a história do cinema nacional.

Saudosa e emocionada - mas sempre bem-humorada, afiada e irônica - a irreverente Gladys riu, chorou e relembrou, acima de tudo, parcerias marcantes de sua carreira, baseada em performances viscerais, versáteis e sempre surpreendentes: "É um sentimento de gratidão", disse a atriz ao explicar as emoções provocadas pelo tributo outorgado pelo CineOP 2018 ao conjunto de sua obra. "Esse é o sentimento. Alegria e graditão. [...] A homenagem aqui em Ouro Preto foi muito legal, muito boa. Adoro essa cidade, filmei aqui [...] É um presente, um presente. Já me emocionei, já chorei, já bebi: é muito lindo esse momento pra mim", arrematou Gladys.

Leo Lara / Universo Produção

Dançarina de rock, namorada de Roberto Carlos, exilada política: todos estes são "conceitos" que se aplicam à persona da inusitada atriz; por outro lado, é definitivamente sua profissão o elemento que melhor pode explicar a essência desta intérprete que começou a ganhar o mundo no clássico Os Fuzis, de Ruy Guerra. Não é à toa que a também atriz e diretora Norma Bengell, amiga pessoal de Gladys, tenha nomeado seu documentário de 10 minutos sobre a homenageada do CineOP 2018 da seguinte forma como Maria Gladys, Uma Atriz Brasileira - é exatamente isto que ela é, apesar de todos os contratempos:

"Enxergo assim: valeu. Valeu a pena", contou a musa do Cinema Marginal de Júlio BressaneNeville D'Almeida e Rogério Sganzerla, emocionando-se ao lembrar dos obstáculos superados. "Nem sei se acreditava que ia valer tanto. Minha mãe tinha que ver isso. Não sabia que isso aconteceria, você não tem certeza [...] Essa coisa de ser atriz não é só talento: é sorte, perseverança, vocação. É um caminho difícil de seguir", arrematou Gladys.

Aliás, a atriz demorou muito a conseguir compreender e aceitar suas raízes: "Eu não queria encarar esse tipo, não queria ser essa mulher brasileira. Nos anos 1960, com Nouvelle Vague e coisa e tal, referencial europeu, todo mundo era influenciado [...] Falei assim para o Dib Lutfi [diretor de fotografia que trabalhou com Gladys em Edu, Coração de Ouro], ‘Dib, quero ficar que nem a Anna Karina’. Queria parecer a mulher do Jean-Luc Godard, uma dinamarquesa, que tem uma testa enorme, grandes olhos, tudo oposto a mim. Essa coisa de ser colonizada pelo cinema americano, pelo cinema europeu, de não querer encarar que você é brasileira, morena, que tem cabelo crespo... Na época, quando eu comecei a fazer teatro, eu alisava o cabelo, queria ter cabelo liso [...] Me negava ser uma coisa que era impossível não ser: brasileira, atriz brasileira. E ser atriz brasileira, como qualquer artista brasileiro, é sofrer muito. É como dizia o Tom Jobim, o Brasil é para profissionais. O Brasil é foda, é duríssimo. Para tudo. Para todo mundo".

Leo Lara / Universo Produção
Gladys, ao lado do amigo Neville D'Almeida, na abertura do CineOP.

A relação de Gladys com seu país, de fato, nunca foi das mais fáceis. Quando se exilou em Londres, após o recrudescimento da ditadura, "cortesia" da instituição do AI-5, a atriz deparou-se novamente com a tensão entre sua nacionalidade e as maravilhas apresentadas pela capital do Reino Unido, local pelo qual se apaixonou: "Em Londres, nunca senti saudade do Brasil. Nenhuma saudade do Brasil. Além de ter aquela terrível ditadura, não tinha saudade do Brasil, um país maleducado, chato [...] Em Londres, aprendi tudo de bom. Falar mais baixo, atravessar direito no sinal, poder fumar maconha dentro do táxi. Ser livre [...] Ninguém vai preso por causa de um cigarro. Legalização já!", finalizou Gladys, com um protesto.

No entanto, de uma forma ou de outra e independente da vontade da atriz, é ultimamente impossível separá-la de nossa cinematografia. Afinal, ela esteve presente nos grandes momentos dos anos 1960 e 1970, enfrentou o ocaso dos anos 1980 e 1990 e ressurgiu, a partir de uma persona mais popular, cômica e acessível, quando a era da Retomada deu lugar às "globochanchadas", nestas duas décadas mais recentes. Sua profunda expertise no assunto, aliás, a transforma em uma verdadeira autoridade no quesito cinema nacional, uma mulher que viveu de e para a sétima arte - e que sabe como ninguém elencar a corrente que herdou o melhor do Cinema Novo e do Cinema Marginal:

"Atualmente, filmei com Cláudio Assis, fiz o cinema pernambucano, A Erva do Rato. Ele é um gênio, é uma paixão [...] Filmei com o Irandhir Santos. Ele é um ator... Na filmagem, você não encontra ele conversando. Ele se tranca no quarto para estudar, é tipo ator europeu que tem que engordar 20 quilos. Ele é desse tipo [...] Esse é o cinema pernambucano. Acho que, hoje em dia, o cinema pernambucano é parecido com o cinema baiano dos tempos de Glauber Rocha. E do carioca, de Nelson Pereira dos Santos", elogiou Gladys.

Leo Lara / Universo Produção

Falante e sempre grata, a atriz só encerrou suas respostas porque o tempo chegou ao fim e o cansaço bateu à porta. Caso contrário, ela certamente teria continuado a elogiar seus colegas e diretores - nomes consagrados como Marília Pêra, Miguel Falabella, Daniel Filho, Helena Ignez, Domingos Oliveira, entre inúmeros outros - e a mostrar porque é uma das maiores e mais importantes guardiãs da memória do cinema nacional.

facebook Tweet
Links relacionados
  • CineOP 2018: Protestos políticos, Tropicália e homenagem a Maria Gladys marcam a efervescente noite de abertura
Pela web
Comentários
Mostrar comentários
Siga o AdoroCinema
Trailers
A Morte Te Dá Parabéns 2 Trailer Legendado
Patrocinado
Cinderela Pop Trailer
A Caminho de Casa Trailer Dublado
A Maldição da Freira Trailer Legendado
Calmaria Trailer (1) Original Legendado
Não Olhe Trailer Original Legendado
Todos os últimos trailers
Notícias de cinema Festivais e premiações
A Morte Te Dá Parabéns 2: Como sobreviver a um assassinato que se repete todo dia?
NOTÍCIAS - Visto na Web
quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019
Patrocinado
Enquete da Semana: Qual treta pode rolar no Oscar 2019?
NOTÍCIAS - Festivais e premiações
sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019
5 filmes indicados ou premiados no Oscar que você precisa assistir
NOTÍCIAS - Festivais e premiações
sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019
5 filmes indicados ou premiados no Oscar que você precisa assistir
Oscar 2019: Kendrick Lamar e SZA não vão apresentar música indicada de Pantera Negra
NOTÍCIAS - Festivais e premiações
quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019
Oscar 2019: Kendrick Lamar e SZA não vão apresentar música indicada de Pantera Negra
Últimas notícias de cinema Festivais e premiações
Melhores filmes em cartaz
Como Treinar o seu Dragão 3
Como Treinar o seu Dragão 3
4,7
Diretor: Dean DeBlois
Trailer
Bohemian Rhapsody
Bohemian Rhapsody
4,6
Diretor: Bryan Singer
Elenco: Rami Malek, Gwilym Lee, Lucy Boynton
Trailer
Aquaman
Aquaman
4,5
Diretor: James Wan
Elenco: Jason Momoa, Amber Heard, Willem Dafoe
Trailer
Homem-Aranha no Aranhaverso
4,5
Diretor: Bob Persichetti, Peter Ramsey, Rodney Rothman
Trailer
Green Book - O Guia
4,4
Diretor: Peter Farrelly
Elenco: Viggo Mortensen, Mahershala Ali, Linda Cardellini
Trailer
Infiltrado na Klan
4,4
Diretor: Spike Lee
Elenco: John David Washington, Adam Driver, Topher Grace
Trailer
Todos os melhores filmes em cartaz
Back to Top