Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Oscar 2018: Equipe de Últimos Homens em Aleppo, indicado a Melhor Documentário, é impedida de ir à cerimônia
    Por Renato Furtado — 15 de fev. de 2018 às 10:30
    facebook Tweet

    Donald Trump proíbe a entrada de sírios nos Estados Unidos.

    Em 2017, o diretor iraniano Asghar Farhadi foi impedido de comparecer à cerimônia do Oscar - da qual O Apartamento, seu filme, saiu vencedor do troféu de Melhor Filme Estrangeiro - por causa do impedimento de entrada de muçulmanos nos Estados Unidos decretado pelo presidente Donald Trump. E um ano depois, a situação se repete: de acordo com informações do The Hollywood Reporter, parte da equipe de Últimos Homens em Aleppo, produção síria indicada ao prêmio de Melhor Documentário, também não poderá estar presente na grande noite da premiação da Academia.

    "Kareem Abeed, meu produtor e coindicado, não poderá vir aos Estados Unidos por causa da restrição de viagem imposta por Trump. A não ser por um milagre, Abeed não estará no Oscar comigo. Somos artistas e tudo o que queremos é compartilhar nossas histórias. É muito triste o fato de que ele não terá a oportunidade de compartilhar a dele", declarou o diretor Feras Fayyad, em entrevista ao The Hollywood Reporter. Além de Abeed, Mahmoud Al-Hattar também não poderá deixar a Síria; ele é um dos fundadores da Defesa Civil Síria, ou os "Capacetes Brancos", organização voluntária que tem como objetivo resgatar e salvar vidas de cidadãos sírios vitimados pela guerra civil local e que é o foco principal de Últimos Homens em Aleppo.

    Tanto Al-Hattar quanto Abeed estão aguardando a permissão do governo sírio para que eles possam viajar para a América do Norte; no entanto, segundo Fayyad - que também nasceu na Síria, mas reside nos Estados Unidos -, a administração de Bashar al-Assad vai embolar o meio-de-campo tanto quanto Donald Trump. De acordo com o realizador, o presidente da nação médio-oriental considera os Capacetes Brancos como uma organização terrorista e, portanto, dificilmente concederá vistos para Al-Hattar e Abeed. De qualquer forma, a equipe de Últimos Homens em Aleppo, por intermédio da Academia do Oscar, está tentando contornar o bloqueio imposto por Trump.

    Em entrevista exclusiva ao AdoroCinema, Fayyad, que foi preso por Assad por causa de seu filme anterior, declarou que decidiu rodar Últimos Homens em Aleppo para descobrir "o que significa ser uma pessoa na horrenda Guerra da Síria". O longa foi aclamado ao redor do mundo - 100% de aprovação da crítica no Rotten Tomatoes - e disputará o Oscar de Melhor Documentário ao lado de Visages, Villages, Abacus - Pequeno o Bastante para CondenarStrong Island e Ícaro. Os prêmios da Academia serão entregues no dia 4 de março - relembre a lista completa de indicados e acompanhe a cobertura do AdoroCinema!

    facebook Tweet
    Links relacionados
    • Oscar 2018: Confira a lista completa de indicados!
    • CPH:DOX 2017: "Em Last Men in Aleppo quis buscar o que significa ser uma pessoa na horrenda Guerra da Síria" (Entrevista exclusiva)
    Pela web
    Comentários
    • Dora Sales
      Não sei de nada, só sei que apostei nele no bolão do Oscar e espero que ganhe XDMas se ganhar vai ficar uma situação um pouco chata, já que ninguém poderá receber o prêmio =/
    • ivan leduc de lara
      Está comprovado que os capacetes brancos são terroristas integrados ao estado islâmico. Só não estão presos ou mortos porque estão refugiados na Turquia. Mas aqueles que ainda permanecem em Gouta ou Idlib pagarão caro pelos crimes cometidos.
    • rafahribeiro
      ignorante!
    • rafahribeiro
      ta perdendo prestígio! 😠
    • Atena Negra
      Um absurdo total!
    • Vidamell Vida R.
      Se ele ganhar, como ele vai receber o prêmio? Caramba!!!!
    Mostrar comentários
    Back to Top