Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Janela de Cinema 2017: Competição brasileira de curtas começa em alto nível com animação sobre a ditadura e musical gospel
    Por Bruno Carmelo — 06/11/2017 às 16:00
    facebook Tweet

    Curtas-metragens experimentais e militantes no X Janela Internacional de Cinema do Recife.

    Para os críticos de cinema, os festivais representam não apenas a oportunidade de ver longas-metragens criativos que ainda não chegaram aos cinemas, e talvez jamais cheguem, mas também uma raríssima possibilidade de descobrir a produção de curtas-metragens no país.

    No X Janela Internacional de Cinema do Recife, a mostra competitiva de curtas nacionais começou com cinco produções ousadas em forma e conteúdo. Algumas delas dividiram os gostos da imprensa e geraram bons debates - algo bem saudável para qualquer seleção de filmes.


    A evolução do aborto

    A Passagem do Cometa, de Juliana Rojas, aborda a questão do aborto ilegal. Numa clínica clandestina, uma médica (Gilda Nomacce) atende diversas pacientes todos os dias, enquanto lá fora as pessoas se questionam sobre uma ocasião especial: a passagem de um cometa. O fenômeno cósmico serve como medida de tempo para a cineasta questionar quando teremos a legalização do aborto na sociedade brasileira.

    Rojas, presente também na mostra de longas-metragens com As Boas Maneiras, surpreende com uma ótima cena combinando música e animação. A parte dramática, no entanto, é simples até demais no que diz respeito a enquadramentos e fotografia. O curta traz um debate importante, mesmo que através de uma estética tímida demais para os padrões da cineasta.


    Representar a ausência

    Torre, de Nádia Mangolini, efetua uma expressiva combinação de depoimentos documentais, em voz off, com a animação. Cada membro de uma mesma família relembra o desaparecimento do pai, assassinado pelos militares, enquanto a técnica desenvolve traços particulares de acordo com cada fala.

    O curta-metragem se apoia num roteiro conciso e potente, enquanto busca na liberdade da animação (em traços brutos, fortes, usando a força tanto das cores quanto do espaço em branco) uma maneira de representar a ausência, o desaparecimento. A ideia da mãe presa na torre, observando o mundo e a própria família por meio de frestas, constitui uma excelente metáfora para a opressão da ditadura.


    Distanciamento ou paródia?

    O filme mais controverso até o momento foi Terremoto Santo, de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca. Os diretores criam uma narrativa composta apenas por apresentações de cantores evangélicos, em composição ultra estetizada e kitsch. Wagner e Burca apostam nas cores, na simetria perfeita, na imponência dos cenários.

    Enquanto parte do público no Cinema São Luiz gargalhava com as cenas, outra parte se mostrava incomodada. Os diretores estariam ridicularizando os artistas, que teriam participado do projeto sem conhecer as intenções paródicas? Ou os cineastas apenas ressaltam a construção da performance como artifício, sobrepondo o caráter artificial da cultura (os gestos e a entonação particulares do gospel brasileiro) à natureza ao redor? O kitsch tende necessariamente ao ridículo, à falta de empatia? Ou o evidente refinamento da composição e montagem afasta a noção de desprezo? O filme proporcionou um importante debate sobre a ética das imagens.


    O documentário como representação do real

    Experimentando o Vermelho em Dilúvio II, de Musa Michelle Matuizzi, parte de uma estrutura bastante simples. A cineasta registra a sua própria performance pelas ruas do Rio de Janeiro, quando caminha com uma máscara improvisada e alfinetes que perfuram sua pele. Diante da estátua de Zumbi dos Palmares, ela retira os ornamentos, enquanto o sangue escorre pelo rosto e as lágrimas caem dos olhos.

    Novamente, polêmica nos corredores do festival: o simples registro de uma performance bastaria para compor um filme? O cinema não implicaria intervenção, construção de uma realidade? Ora, talvez a beleza do projeto se encontre no embate entre a apresentação violenta e o registro cinematográfico leve, transparente. O filme acredita que a arte seja capaz de tocar seu espectador sem explicações históricas, sem palavras. 

    O uso expressivo dos planos próximos e das imagens desfocadas completa a sensação de incômodo diante da artista ferindo a si mesma. Neste momento, o cinema reafirma de modo brutal o seu compromisso com o real, com a verdade, numa escolha mais do que apropriada para uma apresentação política.


    A passagem do tornado

    O último curta apresentado, Filme-Catástrofe, dirigido por Gustavo Vinagre, sintetiza o embate que permeou a primeira parte dos curtas, entre reforçar os artifícios do cinema ou apostar numa abordagem de mínima intervenção. Neste projeto, o cineasta confronta três mulheres dentro de um apartamento, refletindo sobre a religião, a sociedade e a política. Diálogos com "Fora Temer" e a catástrofe ambiental de Mariana garantem a atualidade do discurso.

    O mais interessante é ver como a mise en scène, voluntariamente artificial, parte de uma provocação para chegar a uma representação lúdica do filme-catástrofe, no caso, a chegada de um tornado. A comparação entre catástrofes (a crise brasileira e os fenômenos naturais) é simples, porém apropriada ao formato do curta-metragem. Além disso, Julia Katharine é uma atriz expressiva, que mereceria mais projetos de destaque. Ela tem bom desempenho diante da experiente Gilda Nomacce, sempre muito confortável em histórias de gênero.


    Confira as críticas do AdoroCinema sobre os longas-metragens do X Janela:
    120 Batimentos Por Minuto
    A Moça do Calendário
    A Trama
    Açúcar
    Arábia
    As Boas Maneiras
    Baronesa
    Bush Mama
    Contatos Imediatos do Terceiro Grau
    Era Uma Vez Brasília
    Filhas do Pó
    Gabriel e a Montanha
    Garota Negra
    Invisível
    Me Chame Pelo Seu Nome
    O Animal Cordial
    O Nó do Diabo
    Pela Janela
    Zama

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Siga o AdoroCinema
    Trailers
    Perdida Teaser Original
    Te Quiero, Imbécil Trailer Oficial
    Um Crime para Dois Trailer Legendado
    Emma Trailer Legendado
    The Vast of Night Trailer Original
    Velozes & Furiosos 9 Trailer Legendado
    Todos os últimos trailers
    Notícias de cinema Festivais e premiações
    Festival de Cannes divulga filmes da seleção oficial 2020
    NOTÍCIAS - Festivais e premiações
    quarta-feira, 3 de junho de 2020
    Olhar de Cinema e MUBI anunciam parceria para trazer filmes do festival ao streaming
    NOTÍCIAS - Festivais e premiações
    sexta-feira, 29 de maio de 2020
    Festival de Veneza 2020 segue confirmado para setembro
    NOTÍCIAS - Festivais e premiações
    segunda-feira, 25 de maio de 2020
    Festival de Veneza 2020 segue confirmado para setembro
    Cerimônia do Oscar 2021 pode ser adiada
    NOTÍCIAS - Festivais e premiações
    terça-feira, 19 de maio de 2020
    Cerimônia do Oscar 2021 pode ser adiada
    Últimas notícias de cinema Festivais e premiações
    Melhores filmes em cartaz
    O Destino Bate à sua Porta
    O Destino Bate à sua Porta
    3,5
    Diretor: Bob Rafelson
    Elenco: Jack Nicholson, Jessica Lange, John Colicos
    Route of Acceptance
    Route of Acceptance
    Diretor: Heather Tobin
    Elenco: Emily Alatalo, Ry Barrett, Wade Gamble
    Trailer
    São Paulo Em Hi-Fi
    São Paulo Em Hi-Fi
    3,4
    Diretor: Lufe Steffen
    Elenco: João Silvério Trevisan, Kaká di Polly, Leão Lobo
    Trailer
    Perigosa Atração
    2,9
    Diretor: Larry Brand
    Elenco: Henry Ian Cusick, Nicki Aycox, Stephen Lang
    Trailer
    Broken Vows
    2,8
    Diretor: Bram Coppens
    Elenco: Wes Bentley, Jaimie Alexander, Cam Gigandet
    Trailer
    Diamant noir
    Diretor: Arthur Harari
    Elenco: Niels Schneider, August Diehl, Hans Peter Cloos
    Todos os melhores filmes em cartaz
    Back to Top