Meu AdoroCinema
  • Meus amigos
  • Meus cinemas
  • Notas Express
  • Minha coleção
  • Minha conta
  • Promoções
  • Desconectar
Opinião: 2017, o ano de filmes brasileiros "que nem parecem brasileiros"
Por Bruno Carmelo — 02/09/2017 às 09:43
facebook Tweet

Por que tantas produções nacionais usam o cinema americano como padrão de qualidade?

Entre as entrevistas que o AdoroCinema tem feito com diretores, atores e produtores, uma comparação aparece com frequência na hora de falar sobre o cinema brasileiro: a produção de nível "comparável ao americano".

Rafael Ribas, diretor da animação Lino, afirmou o orgulho de realizar, com orçamento limitado, uma produção técnica comparável aos filmes americanos do gênero, algo confirmado por Dira Paes, dubladora do projeto. Dan Klabin, produtor de Bingo - O Rei das Manhãs, ficou satisfeito ao ver o filme comparado às "grandes biografias hollywoodianas de redenção".

Malasartes e o Duelo com a Morte, projeto brasileiro com a maior quantidade de efeitos especiais em todos os tempos, fez campanha frisando a importância de trazer personagens voando e fazendo magia, como no cinema americano. O diretor Diego Freitas, do ainda inédito O Segredo de Davi, defende-se por antecipação das prováveis comparações com o cinema hollywoodiano, dizendo que este será, inevitavelmente, o referencial de qualidade para os brasileiros. J.C. Feyer reconhece igualmente as qualidades "americanas" de seu filme de terror O Rastro, embora ressalte os traços tipicamente nacionais da história.

Lino

O horizonte é americano?

Uma primeira maneira de compreender essa onda de reações seria o tal "complexo de vira-lata" que o autor Nelson Rodrigues usava para descrever o povo brasileiro. Rodrigues falava sobre a constante impressão de que o produto estrangeiro é sempre melhor que o nosso, subestimando a qualidade e o esforço dos filmes (e livros, e peças e muitos outros) produzidos no Brasil. Sabe aquela história de que a grama do vizinho é sempre mais verde?

Mas convenhamos: por mais que os Estados Unidos tenham uma tradição mais longa e uma indústria cinematográfica mais sólida que a nossa, nem tudo o que é produzido do outro lado do globo supera nossos produtos locais. Quem aí prefere As Branquelas a Central do Brasil? Afinal, por que o cinema americano seria o referencial único de qualidade, e não outros exemplos como o cinema francês, espanhol, belga, japonês? 

Malasartes e o Duelo com a Morte

Culpa da crise

Em recente entrevista ao AdoroCinema, o diretor Cacá Diegues lançou outra possibilidade de interpretação, ligada especificamente aos últimos anos: a crise de confiança dos brasileiros no próprio país. Devido às reviravoltas políticas, às denúncias de corrupção e à desigualdade social, nós estaríamos rejeitando os produtos locais. Agora, mais do que nunca, o escapismo do filme estrangeiro seria irresistível para os brasileiros, que estariam escolhendo cenários e temas diferentes dos nossos.

A crise também levaria a uma seletividade maior: entre pagar 20 reais, por exemplo, para ver uma produção nacional, ou os mesmos 20 reais para assistir a um blockbuster com explosões e efeitos especiais, o público apostaria no valor seguro da grande produção. O cinema brasileiro seria "arriscado" em tempo de vacas magras.

Bingo - O Rei das Manhãs

Fazer muito com pouco

Isso nos leva a um dado fundamental na discussão: fazer uma superprodução com heróis é fácil para quem tem US$250 milhões, caso do orçamento de Vingadores: Era de Ultron, mas nada fácil para quem dispõe de R$8 milhões, como é o caso dos filmes brasileiros de grande porte. Nós certamente temos técnicos, diretores e atores capazes de criar obras do mesmo porte, mas não temos a verba necessária. 

Quem procurar por outras formas de cinema - arriscado, independente, de cinemas menores, fora dos shopping centers - vai descobrir obras de qualidade, como os excelentes Bingo - O Rei das Manhãs, Como Nossos Pais, Cidades Fantasmas e muitos outros, só para citar títulos de 2017. São filmes adequados à produção de que dispõem: eles não têm orçamentos multimilionários, mas também não pretendem ter.

O Rastro

Marketing à americana

Por isso mesmo, quando uma equipe brasileira luta durante anos para criar uma obra atraente, com efeitos visuais, sonoros ou locações de peso, o referencial acaba sendo a grande indústria de maior sucesso internacional no mundo, e maior ícone cultural no Brasil: a cultura de massa dos Estados Unidos. Se ambos os países tivessem os mesmos meios de produção, fazer um filme como os deles não seria um mérito. Mas criar uma obra bela, bem feita e empolgante com um orçamento dez ou cem vezes inferior é realmente uma astúcia a ser comemorada. "O que tem de mais brasileiro no filme é nosso orçamento", brincou o diretor Rafael Ribas sobre Lino.

Obviamente, a comparação com o cinema gringo também serve como ferramenta promocional: para um público que consome Harry Potter sem pensar duas vezes, falar que Malasartes se parece com uma fantasia daquele país soa como acréscimo de valor ao filme. Para quem lota os cinemas para ver Annabelle ou It - A Coisa, dizer que o filme de terror brasileiro tem "cara de americano" significa, em última instância, sugerir que ele é bom. Nem sempre a comparação procede, mas isso é outro problema.

Resta torcer por duas pequenas mudanças: primeiro, que a gente descubra os filmes excelente que já se faz, há muito tempo, no Brasil, e segundo, que os referenciais se multipliquem: além dos valores evidentes da indústria estadunidense, o público e os artistas ganharia muito olhando para outros modelos bem-sucedidos como os do cinema argentino, coreano, chinês ou francês, por exemplo. O mundo é muito maior do que Hollywood.

 

 

facebook Tweet
Links relacionados
Pela web
Comentários
Mostrar comentários
Siga o AdoroCinema
Trailers
Turma da Mônica - Laços Trailer
Divino Amor Trailer
Pets - A Vida Secreta dos Bichos 2 Trailer (5) Dublado
Annabelle 3: De Volta para Casa Trailer Legendado
O Olho e a Faca Trailer
O Rei Leão Teaser Legendado
Todos os últimos trailers
Últimas notícias de cinema
In-Edit Brasil 2019: Confira a lista de vencedores do Festival Internacional do Documentário Musical
NOTÍCIAS - Festivais e premiações
terça-feira, 25 de junho de 2019
Dicas do Dia: Interestelar e Procurando Dory são os destaques
NOTÍCIAS - Lançamentos
terça-feira, 25 de junho de 2019
Festival de Veneza 2019: Diretora argentina Lucrecia Martel será presidente do júri em 2019
NOTÍCIAS - Festivais e premiações
segunda-feira, 24 de junho de 2019
Chucky provoca Annabelle em novo cartaz de Brinquedo Assassino
NOTÍCIAS - Visto na Web
segunda-feira, 24 de junho de 2019
Chucky provoca Annabelle em novo cartaz de Brinquedo Assassino
Homem-Aranha: Longe de Casa termina oficialmente a Saga do Infinito na Marvel, diz Kevin Feige
NOTÍCIAS - Visto na Web
segunda-feira, 24 de junho de 2019
Homem-Aranha: Longe de Casa termina oficialmente a Saga do Infinito na Marvel, diz Kevin Feige
Últimas notícias de cinema
Filmes da semana
de 20/06/2019
Toy Story 4
Toy Story 4
Diretor: Josh Cooley
Trailer
Casal Improvável
Casal Improvável
Diretor: Jonathan Levine
Elenco: Charlize Theron, Seth Rogen, O'Shea Jackson Jr.
Trailer
Espírito Jovem
Espírito Jovem
Diretor: Max Minghella
Elenco: Elle Fanning, Zlatko Buric, Rebecca Hall
Trailer
Graças a Deus
Graças a Deus
Diretor: François Ozon
Elenco: Melvil Poupaud, Denis Ménochet, Swann Arlaud
Trailer
Deslembro
Deslembro
Diretor: Flávia Castro
Elenco: Jeanne Boudier, Eliane Giardini, Sara Antunes
Trailer
Relatos do Front
Relatos do Front
Diretor: Renato Martins
Trailer
Lançamentos da semana
Back to Top