Meu AdoroCinema
8 filmes (muito) polêmicos de temática cristã
Por João Vitor Figueira — 15/06/2017 às 10:52
facebook Tweet G+Google

Produções religiosas que causaram furor em fiéis e (algumas delas) deleite para os fãs do bom cinema.

Ah, o feriado de Corpus Christi! Para os católicos praticantes no Brasil, a data instituída no calendário religioso pelo Papa Urbano IV no século XIII para celebrar o sacramento da Eucaristia é um dia confecionar tapetes coloridos pelas ruas da cidade e participar de procissões.

Entretanto, na vida nem tudo pode ser comunhão, vinho e pão. Nesta quinta-feira (15) de Corpus Christi o AdoroCinema listou alguns filmes que testaram os limites da tolerância do público religioso ao levar para a sétima arte visões cheias de liberdades criativas, contestadoras, controversas, satíricas e, definitivamente, polêmicas de eventos narrados na Bíblia.

Alguns dos filmes geraram debates, causaram manifestações intensas — e por vezes até violentas — e foram proibidos em diversos países quando lançados.

A Paixão de Cristo (The Passion of the Christ, 2004)

Com doses de sangue falso dignas de filmes de terror ou filmes de Quentin Tarantino, o ator Mel Gibson apresentou em A Paixão de Cristo seu projeto mais controverso como cineasta, com a proposta de examinar as tortuosas 12 horas que antecederam a crucificação de Jesus Cristo. Baseado nos Evangelhos, na Tanakh e nas visões de uma freira do século XVIII, os diálogos do filme são falados predominantemente em aramaico, em latim e em hebraico.

Antes mesmo de seu lançamento, o filme penou para encontrar uma distribuidora porque muitos executivos consideraram o filme antissemita por supostamente culpar de forma exacerbada os judeus pela morte de Cristo, especialmente por conta da maneira que foi retratado o sumo sacerdote Caifás. O tema foi amplamente noticiado e debatido por jornais e após uma série de altercações com a imprensa, Gibson foi pego dizendo que queria "matar" um jornalista do jornal The New York Times após o veículo publicar uma matéria contra o filme. "Eu quero os intestinos dele num espeto. Eu quero matar esse cachorro". 

O uso da violência, com cenas visualmente explícitas sobre a tortura e morte de Jesus, também gerou controvérsia e alguns críticos compararam o filme com snuffs e filmes de terror. Sobre as cenas fortes, Gibson disse que sua intenção era realizar algo "extremo" e "chocante" para representar a "grandiosidade daquele sacrifício".

Gibson apostou no marketing junto a igrejas e, mesmo o filme sendo proibido para menores de 16 anos, A Paixão de Cristo se tornou o filme de temática cristã de maior bilheteria nos Estados Unidos em todos os tempos. No mundo inteiro, a obra arrecadou US$ 611 milhões.

Eu Vos Saúdo, Maria (Je Vous Salue, Marie, 1985)

Certamente o filme mais comentado de Jean Luc Godard após seu auge criativo nos anos de 1960, Eu Vos Saúdo, Maria apresenta uma versão moderna e desglamurizada da história de Maria (Myriem Roussel), retratada aqui como uma estudante francesa. Quando conta para seu namorado José (Thierry Rode) que está grávida milagrosamente, o homem ameaça deixá-la, mas é impedido por Gabriel (Philippe Lacoste).

Repleto de cenas de nudez frontal de Maria, o filme examina as dicotomias entre matéria e espírito, um homem e uma mulher, e foi alvo de protestos em diversos países. Durante o Festival de Cannes, Godard chegou a ser atacado e receber uma torta na cara por um homem descontente com o filme. O papa João Paulo II alegou que a obra "fere profundamente os sentimentos dos fiéis" e chegou a rezar um terço na Rádio do Vaticano para "reparar a ofensa feita a Nossa Senhora". Na França, representantes de grupos católicos conseguiram invadir um cinema e roubar a película do filme. 

No Brasil, o filme foi censurado pelo governo do presidente José Sarney. O caso, na época, dividiu a MPB. O cantor Roberto Carlos enviou um telegrama para o então presidente aprovando a ação do chefe de estado e dizendo que Eu Vos Saúdo, Maria "não é obra de arte ou expressão cultural que mereça a liberdade de atingir a tradição religiosa de nosso povo e o sentimento cristão da Humanidade". Em um artigo no jornal Folha de S. Paulo, Caetano Veloso retrucou, disparou contra a "burrice de Roberto Carlos" e pediu: "Vamos manter uma atitude de repúdio ao veto e de desprezo aos hipócritas e pusilânimes que o apoiam."

A Última Tentação de Cristo (The Last Temptation Of Christ, 1988)

Desde a infância, Martin Scorsese, que foi criado em um ambiente de devoção à fé católica, quis realizar um filme sobre Jesus Cristo. Em 1988, o diretor alcançou o seu objetivo — e irritou muita gente que não estava disposta a dar a outra face.

Baseado no igualmente polêmico romance homônimo de Níkos Kazantzákis, A Última Tentação de Cristo mostra o que acontece quando Jesus de Nazaré (Willem Dafoe), enquanto é martirizado na cruz, imagina como seria sua vida terrena como um homem comum, que não carrega o peso de um sacrifício que salvará a humanidade. Jesus é mostrado como alguém que tem dúvidas, medos, angústia e momentos de depressão. O messias se casa com Maria Madalena e tem muitos filhos e Scorsese não hesitou em filmar uma cena em que Cristo e a mulher salva do apedrejamento consumam o matrimônio.

Mesmo com Scorsese explicitando que não fez um filme baseado na narrativa dos evangelhos, o longa foi alvo de protestos antes mesmo de ficar pronto. Centenas de pessoas foram aos estúdios da Universal para fazer piquete contra a produção, movidos por sermões calorosos de ministros protestantes e católicos. O líder evangélico Bill Bright chegou a dar uma oferta pelo negativo do filme, que desejava comprar e destruir. Em Paris, um grupo fundamentalista católico atacou um cinema onde seria exibido o filme com coquetéis molotov. O ato deixou 13 feridos, sendo quatro deles em estado grave.

Noé (Noah, 2014)

A Paramount Pictures tinha muitas ressalvas com a produção de Noé e chegou a pedir três versões diferentes para os montadores do filme, medida que não recebeu a aprovação do diretor Darren Aronofsky e só chegou ao conhecimento dele tempos depois. Em sessões-teste, nenhuma delas agradou  plenamente o público cristão e o motivo foi a distância entre o enredo do longa-metragem estrelado por Russel Crowe e o relato clássico conhecido no livro bíblico de Gênesis.

Teologicamente, Noé irritou alguns grupos cristãos por não mencionar Deus pelo nome, referindo-se a Ele apenas como "O Criador" e por utilizar referências ao Livro de Enoque, obra que está fora do cânone bíblico. Houve ainda religiosos que se incomodaram com a redenção dos anjos caídos no final do filme. O longa ainda foi censurado em diversos países com população majoritariamente islâmica, como Bahrein, Qatar, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Malásia e Indonésia, porque Noé é considerado um profeta para os muçulmanos e representações visuais dessas figuras são proibidas.

facebook Tweet G+Google
Pela web
Comentários
Mostrar comentários
Siga o AdoroCinema
Matérias especiais recomendadas
Guia da 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo
NOTÍCIAS - Festivais e premiações
quarta-feira, 17 de outubro de 2018
Guia da 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo
Oscar 2019: Conheça os favoritos ao prêmio de Melhor Filme Estrangeiro
NOTÍCIAS - Festivais e premiações
domingo, 7 de outubro de 2018
Oscar 2019: Conheça os favoritos ao prêmio de Melhor Filme Estrangeiro
Guia do Festival de Brasília 2018
NOTÍCIAS - Festivais e premiações
sexta-feira, 14 de setembro de 2018
Guia do Festival de Brasília 2018
Os maiores sucessos e fracassos do verão americano de 2018
NOTÍCIAS - Visto na Web
sábado, 8 de setembro de 2018
Os maiores sucessos e fracassos do verão americano de 2018
Todas as Matérias especiais de cinema
Trailers
Halloween Trailer Legendado
Podres de Ricos Trailer Legendado
Fúria em Alto Mar Trailer Legendado
Meu Anjo Trailer Legendado
O Doutrinador Trailer
Aladdin Teaser Legendado
Todos os últimos trailers
Back to Top