Meu AdoroCinema
  • Meus amigos
  • Meus cinemas
  • Notas Express
  • Minha coleção
  • Minha conta
  • Promoções
  • Desconectar
Clash: Diretor Mohamed Diab discute censura, ameaças e cenário político no Brasil e Egito (Entrevista exclusiva)
Por Bruno Carmelo — 04/05/2017 às 14:45
facebook Tweet

O polêmico drama, apresentado no festival de Cannes, acaba de estrear nos cinemas nacionais.

Nesta quinta-feira, 4 de maio, estreia nos cinemas brasileiros um dos grandes destaques do festival de Cannes 2016: o filme egípcio Clash, de Mohamed Diab. O diretor do aclamado Cairo 678 coloca a sua câmera dentro de um grande camburão da polícia no meio das manifestações no Egito. Assim, a história retrata a convivência forçada entre membros de posições políticas bem diferentes.

O AdoroCinema já assistiu ao filme, e adorou o resultado. Em entrevista exclusiva com o diretor, ele fala sobre as ameaças que sofreu, a censura praticada pelo governo e a importância de não tomar partido diante de um cenário político tão dividido. Diab ainda se mostra sintonizado com o caos da política brasileira:

Quais são os desafios de produzir um filme como Clash no Egito atual?

Mohamed Diab: É extremamente difícil. Ninguém quer colocar dinheiro em um projeto político. Por sorte, meu último filme, Cairo 678 foi um sucesso na França, e isso contribuiu para que metade do financiamento viesse de lá e da Alemanha. Sem esse apoio, teria sido impossível produzir o filme. Tenho certeza de que depois de Clash, vai ser ainda mais difícil fazer outro filme político no Egito. Meu produtor, por exemplo, sofreu muita pressão por causa deste trabalho. Ele precisou se afastar do filme.

Podemos falar em uma censura do Estado?

Mohamed Diab: Sim, com certeza se trata de censura. Foi uma longa batalha para distribuir o filme nos cinemas, mesmo que a história não esteja criticando especificamente o governo. Ela mostra o lado de cada um, ressalta os aspectos humanos de todas as pessoas envolvidas.

Qual foi a reação do público egípcio quando o filme finalmente foi exibido?

Mohamed Diab: Foi irônico, porque cada lado detestou o fato de ver os outros retratados com humanidade. A Irmandade Muçulmana acusou Clash de ser uma propaganda dos militares. Os grupos pró-militares disseram que se tratava de propaganda para a Irmandade. Mesmo assim, é preciso ressaltar que os dois lados tiveram alguns membros apoiando o filme. Quando você faz algo tão controverso, e se dispõe a nadar contra a corrente, é preciso estar preparado para mudar ideias e confrontar preconceitos.

Você esteve diretamente envolvido na revolução egípcia. Chegou a militar por algum grupo em particular?

Mohamed Diab: Na época, eu estava apenas defendendo a democracia. Em cada revolução, existem pessoas defendendo o Estado democrático. No nosso caso, existiam três campos definidos: aqueles que apoiavam uma ditadura militar, os defensores da ditadura da Irmandade, e os outros que queriam a democração. Eu estava com esse grupo. Mas é verdade que muitas pessoas foram mudando de ideia, aderindo a outros setores. Na época, esta foi a nossa revolução. Eram nossos sonhos, a nossa utopia.

Divulgação
O diretor Mohamed Diab

Além do aspecto político, Clash chama a atenção pelo fato de se passar inteiramente dentro de um camburão. Como foi o processo?

Mohamed Diab: Foi um imenso desafio desde o início. A dinâmica da história surgiu com o roteiro. Foi meu irmão, também cineasta, que me propôs a ideia. Durante um ano e meio, nós escrevemos treze tratamentos diferentes deste roteiro. Depois, criamos uma réplica do camburão para ensaiar, como se fosse no teatro. Em seguida, tivemos 26 dias para filmar toda a história.

A maior dificuldade não estava dentro, e sim fora do camburão. Como a câmera ficava escondida no veículo, muitas pessoas poderiam achar que era um protesto real, e realmente parecia um protesto de verdade. Tivemos que fazer as cenas muito rapidamente, como um flashmob: a gente chegava, criava a cena e depois saía correndo. Mesmo assim, um figurante foi esfaqueado, e o produtor foi sequestrado.

No entanto, não tinha outra maneira: os protestos do filme precisavam ser enormes, barulhentos. A trama se passa num espaço tão restrito que, quando você olha lá fora, é preciso parecer um espaço imenso. O contraste entre os dois era muito importante.



Clash trata de um tema muito específico à realidade egípcia. Como acha que o projeto pode ser percebido em outros países, como o Brasil?

Mohamed Diab: Quando apresentamos o filme pela primeira vez, Paulo Coelho fez dois tweets sobre o filme, dizendo que ele deveria ser obrigatório para todo mundo. Na hora de escrever o roteiro, o tema é sempre universal. O ódio é um sentimento universal. A coexistência entre diferenças também é universal. Além disso, depois de certa parte do filme, os personagens param de discutir política e começam apenas a falar de suas vidas.

Mesmo a divisão nas sociedades é algo universal, e muito atual neste período. Como o que aconteceu no Brasil recentemente, com a presidenta de vocês. O mesmo se passou em outros países do mundo, como a Turquia. Esta é uma questão dos nossos tempos.

Você tem um grande número de personagens em cena ao mesmo tempo, mas enquanto estamos vendo dois ou três deles por vez, sabemos o que os outros estão fazendo logo ao lado.

Mohamed Diab: Essa era uma questão importante para mim. Sabe, sou uma pessoa aberta a colaborações. Quando estava escrevendo o roteiro, todo mundo me dizia: "Por favor, escolha um protagonista". Mas eu nunca aceitei essa sugestão. Se eu fizesse isso, as pessoas teriam a ilusão de que eu estava defendendo o ponto de vista deste personagem.

Por isso temos 23 protagonistas, e você não consegue identificar de que lado o filme está. Este é um grande desafio. Por esta razão, ensaiamos durante um ano. Eu precisava que cada ator soubesse exatamente o que estaria fazendo durante todas aquelas horas, mesmo quando a câmera não estivesse focada nele. É por isso que o resultado parece tão real.

Clash Trailer Legendado

 

facebook Tweet
Links relacionados
Pela web
Comentários
Mostrar comentários
Siga o AdoroCinema
Trailers
Turma da Mônica - Laços Trailer
Divino Amor Trailer
Pets - A Vida Secreta dos Bichos 2 Trailer (5) Dublado
Annabelle 3: De Volta para Casa Trailer Legendado
O Olho e a Faca Trailer
Homem-Aranha: Longe de Casa Trailer (3) Legendado
Todos os últimos trailers
Notícias de cinema Entrevistas
Toy Story 4: Diretor e produtores falam sobre o dia em que Keanu Reeves subiu na mesa para imitar Duke Caboom (Exclusivo)
NOTÍCIAS - Entrevistas
domingo, 16 de junho de 2019
Toy Story 4: Diretor e produtores falam sobre o dia em que Keanu Reeves subiu na mesa para imitar Duke Caboom (Exclusivo)
Festival Varilux de Cinema Francês 2019: "É possível ser uma mulher sozinha, mas não é fácil", explicam diretora e atriz de Meu Bebê (Exclusivo)
NOTÍCIAS - Entrevistas
domingo, 16 de junho de 2019
Festival Varilux de Cinema Francês 2019: "É possível ser uma mulher sozinha, mas não é fácil", explicam diretora e atriz de Meu Bebê (Exclusivo)
Últimas notícias de cinema Entrevistas
Filmes da semana
de 20/06/2019
Toy Story 4
Toy Story 4
Diretor: Josh Cooley
Trailer
Casal Improvável
Casal Improvável
Diretor: Jonathan Levine
Elenco: Charlize Theron, Seth Rogen, O'Shea Jackson Jr.
Trailer
Espírito Jovem
Espírito Jovem
Diretor: Max Minghella
Elenco: Elle Fanning, Zlatko Buric, Rebecca Hall
Trailer
Graças a Deus
Graças a Deus
Diretor: François Ozon
Elenco: Melvil Poupaud, Denis Ménochet, Swann Arlaud
Trailer
Deslembro
Deslembro
Diretor: Flavia Castro
Elenco: Jeanne Boudier, Eliane Giardini, Hugo Abranches
Relatos do Front
Relatos do Front
Diretor: Renato Martins
Trailer
Lançamentos da semana
Back to Top