Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Festival de Berlim 2017: Da simplicidade do brasileiro Como Nossos Pais à grande produção de T2 Trainspotting
    Por Bruno Carmelo — 12 de fev. de 2017 às 14:00
    facebook Tweet

    A 67ª Berlinale realmente tem filmes para todos os gostos.

    Mais um dia no Festival de Berlim, e o AdoroCinema continua constatando que o evento realmente tem filmes para todos os gostos. De manhã até a noite, vimos um pesado drama africano, um suspense independente, um leve drama brasileiro e uma superprodução hollywoodiana:

    Tristeza não tem fim, felicidade sim

    Félicité, filme franco-congolense de Alain Gomis, mostra o cotidiano de uma cantora no Congo. Enfrentando dificuldades diárias, ela precisa de dinheiro urgentemente quando o filho sofre um acidente. Durante boa parte do tempo, o cineasta cria um drama social tenso e belo. Depois disso, decide investir na fantasia e nas imagens experimentais.

    Leia a nossa crítica.

    Os pecados dos nossos filhos

    O Jantar, de Oren Moverman, apresenta dois casais (Richard Gere e Rebecca Hall, Steve Coogan e Laura Linney) se encontrando num restaurante sofisticado. Entre muitos pratos e trocas de farpas, admitem o verdadeiro tema que os trouxe ao local: um crime perverso praticado pelos filhos deles. Apesar da premissa interessante, as reviravoltas surreais levam a história ladeira abaixo.

    Leia a nossa crítica.

    O amor é uma coisa boa

    Como Nossos Pais, filme brasileiro dirigido por Laís Bodanzky, traz uma personagem complexa numa trama simples: Rosa (Maria Ribeiro) enfrenta crises no casamento e no trabalho. Um dia, descobre um grande segredo da mãe e passa a questionar toda a sua vida. Filmado em estilo econômico, discreto, o resultado funciona pelas boas atuações e pelo ótimo discurso feminista. É um tipo de filme raro no cinema nacional.

    Leia a nossa crítica.

    Escolha a vida, escolha Facebook, Twitter, Skype

    T2 - Trainspotting foi exibido logo após uma série de dramas independentes, para nos lembrar a diferença gigantesca existente entre um projeto de baixo orçamento e uma grande produção de Hollywood. Danny Boyle resgata os quatro amigos do clássico de 1996, desta vez com outros problemas além das drogas. O filme é divertidíssimo e muito bem filmado, com todas as pirotecnias possíveis, embora funcione melhor como homenagem ao original do que como sequência.

    Leia a nossa crítica.

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top