Meu AdoroCinema
  • Meus amigos
  • Meus cinemas
  • Notas Express
  • Minha coleção
  • Minha conta
  • Promoções
  • Desconectar
Exclusivo: Gustavo Taretto apresenta Las Insoladas, comédia sobre as transformações dos anos 90
Por Bruno Carmelo — 11/08/2015 às 11:45
facebook Tweet

"Eu queria fazer um filme original e singular", garante o diretor de Medianeras.

Em 2011, Gustavo Taretto surpreendeu o circuito de arte com a comédia agridoce Medianeras - Buenos Aires na Era do Amor Virtual, adaptado de seu próprio curta-metragem. Agora, para o segundo longa, o cineasta expande mais um curta de sua autoria: Las Insoladas, história sobre seis amigas que tomam sol no terraço de um prédio, enquanto falam sobre as transformações em suas vidas e sobre os sonhos de viajar para outros países.

O AdoroCinema conversou em exclusividade com o diretor, que comparou estes dois retratos de Buenos Aires, além de comentar as transformações culturais dos anos 1990 e a presença das mulheres no cinema. Confira este bate-papo, e assista ao trailer de Las Insoladas, que estreia nesta quinta-feira:

Depois de Medianeras, você volta a falar sobre Buenos Aires de modo crítico. É uma relação de amor e ódio com a cidade.

Faço filmes para tentar entender a minha própria cidade e as pessoas que vivem nela. Eu me interesso não apenas pela arquitetura e pelo espaço, mas pelas pessoas. O terraço é um elemento que me agrada, porque funciona como uma ilha de concreto, com vista para toda a cidade. Você está na cidade, mas é como se não estivesse, é um lugar isolado. Muitos filmes mostram Buenos Aires como um lugar frenético, perigoso. Prefiro trocar a imagem clássica e endinheirada de Buenos Aires pelo retrato das mudanças, dos prédios antigos ao lado de outros muito novos.

Por que escolheu falar da época anterior à tecnologia digital, antes dos celulares e computadores portáteis?

Escolhi os anos 1990 para falar de um passado recente, que não foi muito retratado no cinema argentino. Nós tivemos um presidente que estabeleceu a paridade entre o dólar e o peso. Conseguíamos facilmente obter dólares, e acreditamos na mentira de que tínhamos uma moeda forte. Era mais fácil viajar para outros países, e o Caribe sempre foi valorizado pela classe média, por causa das praias de areia branca, das águas transparentes e das palmeiras. Esta foi uma época de mudanças profundas, com a chegada da Internet, a popularização dos telefones celulares, a mudança na maneira de escutar música... Houve uma transformação nos hábitos culturais da classe média.

Você considera Las Insoladas um filme político?

É um filme político por falar sobre o neoliberalismo nos anos 1990, quando se ganhou muito dinheiro com negócios rápidos, com especulação, e não com sacrifício. Também existe a presença de Cuba porque, para os argentinos, sempre foi um país que despertou curiosidade. A classe média sempre olhou com muita inocência para o comunismo, sem relações com a realidade desse regime. Che Guevara, que é a referência internacional mais conhecida, nasceu na Argentina, e por isso temos uma relação carinhosa com os cubanos, mesmo sem conhecer o comunismo.

É interessante ver uma produção estrelada apenas por mulheres, na qual as personagens não falam apenas sobre homens e sobre amor. O que pensa da representação das mulheres no cinema atual?

Na Argentina, muitas mulheres fazem filmes, e nosso cinema está cheio de fortes personagens femininas. A reunião de mulheres sempre me chamou a atenção. Na pintura, existe o tema clássico de mulheres reunidas à beira do rio, ou embaixo de uma árvore. O que me agradava, mais do que a representação das mulheres, eram as pessoas que tomam sol fora de contexto. Entendo quem toma sol na praia, mas quem faz isso em um parque, ou no terraço, é algo desconcertante. Assim, quis fazer um filme sobre pessoas tomando sol. Quem mais faz isso são as mulheres, que possuem maior resistência ao sol, e aproveitam mais. 

Você já tinha trabalhado com Carla Peterson em Medianeras, e repetiu a dose em Las Insoladas. Como escolheu o seu elenco?

Eu queria preparar um coquetel interessante – talvez não para o público brasileiro, que não conhece essas atrizes, mas para o público argentino. É curioso porque elas são muito famosas, principalmente Carla Peterson e Luisana Lopilato, que costumam ser protagonistas, além de terem muita experiência. Violeta Urtizberea e Marina Bellati fazem televisão, mas não são tão conhecidas como as outras. Já Elisa Carricajo e Maricel Álvarez são atrizes de teatro underground, e fazem apenas cinema independente. O elenco é heterogêneo, para forçar um novo encontro entre atrizes diferentes, acostumadas a trabalhos tão distintos.

Foi difícil fazer um filme inteiro em um único espaço, no caso, em um terraço?

A dificuldade não foi essa. Eu queria fazer um filme original, singular, e essa ideia me deixava mais motivado do que assustado. Eu precisava encontrar um terraço que se parecesse com qualquer outro terraço, mas que tivesse vários níveis e espaços, para o público não se cansar, e para ter sempre uma nova informação. Gradualmente, a imagem tinha que mudar. Por outro lado, é cômodo fazer o filme todo em uma mesma locação, porque conhecemos as possibilidades daquele cenário em profundidade. O desafio era gerar a claustrofobia a céu aberto.

Por que acha que Medianeras funcionou tão bem com o público brasileiro? Não se trata de uma realidade tipicamente argentina?

O contexto é universal, com sua solidão, suas grandes cidades, seu encanto pela tecnologia, e as mudanças que isso traz aos relacionamentos. É um tema moderno, que afeta cidades de todos os tamanhos. No Brasil, em particular, acho que o filme foi muito bem recebido porque, apesar da rivalidade no futebol, existe grande admiração recíproca. Os brasileiros gostam muito de Buenos Aires, e nós costumamos chamar Bariloche de “Brasiloche”, porque só tem brasileiros. Os argentinos também olham com carinho para muitas cidades brasileiras. O “portunhol” é nossa língua! Em todas as vezes que estive no Brasil, tanto para apresentar Medianeras quanto Las Insoladas, os jornalistas conversam comigo em português, eu respondo em espanhol, e todos se entendem.

Leia a nossa crítica de Las Insoladas.

facebook Tweet
Pela web
Comentários
Mostrar comentários
Siga o AdoroCinema
Trailers
Assista ao trailer legendado
Patrocinado
Toy Story 4 Trailer Dublado
Casal Improvável Trailer Legendado
Graças a Deus Trailer Legendado
Deslembro Teaser Legendado
Espírito Jovem Trailer Legendado
Todos os últimos trailers
Notícias de cinema Entrevistas
Manual de viagens do Homem-Aranha: 4 dicas para ter uma viagem de super-herói
NOTÍCIAS - Visto na Web
terça-feira, 11 de junho de 2019
Patrocinado
Festival Varilux de Cinema Francês 2019: "Asterix é universal por causa de seus temas de identidade e resistência", diz o diretor Louis Clichy (Entrevista Exclusiva)
NOTÍCIAS - Entrevistas
sábado, 15 de junho de 2019
Festival Varilux de Cinema Francês 2019: "Asterix é universal por causa de seus temas de identidade e resistência", diz o diretor Louis Clichy (Entrevista Exclusiva)
Festival Varilux de Cinema Francês 2019: "A política só existe com o debate de ideias", garante Pierre Schoeller, diretor de A Revolução em Paris (Exclusivo)
NOTÍCIAS - Entrevistas
sexta-feira, 14 de junho de 2019
Festival Varilux de Cinema Francês 2019: "A política só existe com o debate de ideias", garante Pierre Schoeller, diretor de A Revolução em Paris (Exclusivo)
Últimas notícias de cinema Entrevistas
Filmes da semana
de 13/06/2019
MIB: Homens de Preto – Internacional
MIB: Homens de Preto – Internacional
Diretor: F. Gary Gray
Elenco: Tessa Thompson, Chris Hemsworth, Liam Neeson
Trailer
Obsessão
Obsessão
Diretor: Neil Jordan
Elenco: Isabelle Huppert, Chloë Grace Moretz, Maika Monroe
Trailer
Fora de Série
Fora de Série
Diretor: Olivia Wilde
Elenco: Beanie Feldstein, Kaitlyn Dever, Billie Lourd
Trailer
A Lenda de Golem
A Lenda de Golem
Diretor: Doron Paz, Yoav Paz
Elenco: Hani Furstenberg, Ishai Golan, Brynie Furstenberg
Trailer
Dor e Glória
Dor e Glória
Diretor: Pedro Almodóvar
Elenco: Antonio Banderas, Asier Etxeandia, Leonardo Sbaraglia
Trailer
Eu Não Sou uma Bruxa
Eu Não Sou uma Bruxa
Diretor: Rungano Nyoni
Elenco: Margaret Mulubwa, Henry B.J. Phiri, Gloria Huwiler
Trailer
Lançamentos da semana
Filmes mais esperados
  • Toy Story 4
    Toy Story 4

    de Josh Cooley

    Filme - Animação

    Trailer
  • Homem-Aranha: Longe de Casa
  • O Rei Leão
  • Annabelle 3: De Volta para Casa
  • It - Capítulo 2
  • Pets - A Vida Secreta dos Bichos 2
  • Casal Improvável
  • Turma da Mônica - Laços
  • Frozen 2
  • Doutor Sono
Filmes mais esperados
Back to Top