Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Quem Bate à Minha Porta?
    Quem Bate à Minha Porta?
    1967 / 1h 30min / Comédia dramática
    Direção: Martin Scorsese
    Elenco: Harvey Keitel, Catherine Scorsese, Michael Scala
    Nacionalidade EUA
    Usuários
    3,2 3 notas e 1 crítica
    notar :
    0.5
    1
    1.5
    2
    2.5
    3
    3.5
    4
    4.5
    5
    Vou ver

    Sinopse e detalhes

    J.R (Harvey Keitel) é um típico jovem ítalo-americano católico de Nova York. Mesmo adulto, ele continua se encontrando com um grupo de amigos para beber e fazer farra. Certo dia, conhece uma moça por quem se apaixona e, decidido a se tornar um homem sério e responsável, a pede em casamento. Ele se recusa a fazer sexo com ela, pois prefere aguardar até o dia da lua de mel. Porém, o sonho do casamento perfeito vai por água abaixo quando o rapaz descobre que a namorada foi estuprada no passado.

    Título original

    Who's that Knocking at My Door

    Distribuidor -
    Ver detalhes técnicos
    Ano de produção 1967
    Tipo de filme longa-metragem
    Curiosidades 3 curiosidades
    Orçamento 75 000 $
    Idiomas Inglês
    Formato de produção -
    Cor Preto & Branco
    Formato de áudio -
    Formato de projeção -
    Número Visa -
    Pela web

    Elenco

    Harvey Keitel
    Personagem : J.R.
    Catherine Scorsese
    Personagem : Mãe de J.R
    Michael Scala
    Personagem : Sally Gaga
    Harry Northrup
    Personagem : Harry
    Ficha completa

    Crítica de usuários

    c4rlc4st
    c4rlc4st

    Segui-los 46 seguidores Ler as 279 críticas deles

    3,5
    Enviada em 18 de abril de 2019
    Em seu debut, Scorsese permite que o estilo fale mais alto do que a história. Enquadramentos criativos, zooms Out, travellings, entre outras tecnicas são largamente usadas em situações como brigas, discussões, sexo, devaneios e essas cenas tomam o tempo que quiser, sem pressa ou necessidade de adiantar a trama. Uma maneira inteligente de um iniciante mostrar seu talento e chamar a atenção da indústria.
    1 Crítica de usuários

    Fotos

    Curiosidades das filmagens

    Primeiro Papel

    Este foi o primeiro papel de cinema de Harvey Keitel. Ele trabalhou mais quatro vezes com Martin Scorsese.

    Apelo Sexual

    Para conseguir a distribuição de seu filme, Scorsese foi aconselhado a incluir cenas de nudez. Desta forma, o filme poderia ser promovido com um filme de apelo sexual. Então o diretor filmou a cena na qual J.R fantasia um encontro com prostitutas.

    Ponto de interrogação

    Não há ponto de interrogação no título original "Who is That Knocking at my Door." Ter um ponto de interrogação no título é considerado má sorte na indústria cinematográfica.

    Últimas notícias

    Se você gosta desse filme, talvez você também goste de...

    Mais filmes similares

    Comentários

    • António
      Trata-se de um excelente primeiro filme de Scorsese, com uma primeira metade de grande nível e uma segunda metade que tem algumas irregularidades e que por esse motivo não tem o mesmo nível altíssimo da primeira. As influências da nouvelle vague francesa são mais que evidentes nesta primeira obra de Scorsese, mais concretamente os primeiros filmes de Jean-Luc Godard, da primeira metade da década de 60: a narrativa não linear, o estilo dos diálogos, as cenas non-sense, as múltiplas referências de homenagem cinéfilas (referências aos filmes the searchers, the man who shot liberty valance, rio bravo), artísticas (aos atores John Wayne e Lee Marvin) e até musicais. Mas o estilo e as temáticas de Scorsese já estão bem vincados no filme: análise psicológica de um homem desintegrado, a marginalidade das ruas, uma mulher fatal, religião, etc. A escolha das músicas também é notável, o que se tornou uma marca nos filmes de Scorsese. O segundo filme do cineasta, boxcar Bertha, também notável, surgiria 5 anos depois deste, em 1972, também ele ainda com influências notórias da nouvelle vague, mas com uma narrativa mais regular e consistente, embora a temática deste seu primeiro filme me pareça talvez mais poderosa que a de Boxcar Bertha.
    Mostrar comentários
    Back to Top